Informações sobre orquídeas: Quanto valem?


Orquídea Cattleya bowringiana
Cattleya bowringiana

Há alguns anos, estava eu na academia, pensando na vida, sentado em frente a um aparelho que encontrava-se em manutenção. Quando um rapaz aproximou-se para usá-lo, eu gentilmente o avisei sobre a situação do equipamento, que estava inoperante. Ele virou-se para mim e perguntou: Quem disse? Fiquei embasbacado com a finesse do moço...

Hoje, acho graça da situação e percebo que a pergunta faz sentido. Principalmente em relação às dicas sobre o cultivo de orquídeas. É crescente o número de grupos de discussão nas redes sociais, sites, blogs, youtubers e gurus que se propõem a ensinar como cuidar de orquídeas. Esta troca de informações e experiências é extremamente saudável e valiosa. Mas quem está certo?

O problema desta democratização da propagação do conhecimento é que, nem sempre, as dicas e os ensinamentos têm embasamento científico. São muitas informações, quase sempre totalmente desencontradas e conflitantes. Quando o assunto são orquídeas, cada um tem seu método de cultivo, seus segredos, sua experiência. O que é bom para um pode não o ser para outro. Tudo depende muito do clima da cidade em que a pessoa está, do local de cultivo, se o cultivador mantém as plantas em orquidário, quintal, casa ou apartamento.

Para piorar a situação, é cada vez maior o número de sites anunciando a venda de guias milagrosos de cultivo de orquídeas. São páginas, na minha opinião, sensacionalistas, que começam fornecendo algumas informações vagas sobre como cuidar de orquídeas e terminam vendendo um manual infalível sobre o assunto. Geralmente, você não sabe o nome do autor deste material, não vê sua foto, não tem perfil em rede social, nem há qualquer conexão com a vida real. Até o manual de cultivo é virtual, você não recebe um livro físico.

Muitos me peguntam o motivo de eu não escrever um livro sobre como cuidar de orquídeas em apartamento. Já pensei bastante sobre o assunto, é uma ideia que me atrai. No entanto, para começo de conversa, não há editoras interessadas em publicar este livro. Além disso, ponho-me a pensar... Por que eu venderia um livro com as dicas de cultivo que eu já disponibilizo de graça aqui neste blog? Por que eu imprimiria e cobraria por fotos de orquídeas que já se encontram livres para visualização de todos, aqui, no Facebook e no Instagram? Seria um material redundante, só que pago.

No meu caso, acho que não faz sentido. Não me sentiria bem. É verdade que existem livros magníficos sobre orquídeas, disponíveis no mercado, e que valem cada centavo. São obras bem elaboradas, cientificamente embasadas, de autores conceituados e experientes. Frutos de anos de trabalho e que merecem ser recompensados financeiramente. Bem diferentes destes guias miraculosos de internet, que custam caro e são apenas material virtual, produzidos de maneira amadora e barata.

Por isso, acho importante a pergunta do menino malcriado da academia: Quem disse? Antes de desembolsar dinheiro por informações sobre como cuidar de orquídeas, é importante saber quem está escrevendo o material. Quem é o autor? O que ele sabe sobre o assunto, como são as plantas dele, onde suas orquídeas são cultivadas? Há manuais de orquídeas, vendidos no Brasil, escritos por franceses e americanos. Não é a mesma coisa, são condições climáticas e culturais completamente diferentes. É importante estarmos atentos à fonte da informação, acima de tudo. Quer ela esteja publicada em um livro, em um site, blog, grupo de discussão ou guia virtual.