Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Suculenta Kalanchoe


Suculentas Kalanchoe
Suculentas Kalanchoe

Não me canso de admirar a diversidade de formas surpreendentes encontradas no gênero Kalanchoe de plantas suculentas. Existem aquelas espécies e híbridos que são conhecidos por suas generosas florações. Outras possuem a incrível capacidade de se multiplicar, produzindo milhares de mudas, a todo instante. Há, ainda, aquelas que se assemelham a plantas de pelúcia, com folhas agradavelmente aveludadas ao toque. De fato, os vários tipos de Kalanchoe oferecem um deleite para todos os sentidos, como veremos a seguir, nesta pequena coletânea.



O gênero Kalanchoe não é muito grande, comparado a outros bastante populosos. São nele incluídas um pouco mais de cem espécies. As suculentas Kalanchoe pertencem à grande e diversificada família botânica Crassulaceae, conhecida por seus membros bastante cultivados como plantas ornamentais. Também fazem parte desta família, obviamente, as crássulas, tais como a Crassula ovata, popularmente conhecida como planta jade, e seus mutantes, apelidados de orelhas de Shrek, além da interessante Crassula Green Pagoda, que já foram apresentados aqui no blog.

Também são crassuláceas as famosas suculentas pertencentes aos gêneros Echeveria, Aeonium (Aeonium haworthii e Aeonium castello-paivae), Graptopetalum (Graptopetalum paraguayense e Graptopetalum macdougallii), Pachyphytum (Pachyphytum compactum), Orostachys (Orostachys boehmeri) e Sedum (Sedum moranense e Sedum makinoi), apenas para citarmos alguns exemplos mais conhecidos, que já passaram pelo apartamento. Todos fazem parte da mesma família, juntamente com as suculentas Kalanchoe.

Suculenta Kalanchoe blossfeldiana
Kalanchoe blossfeldiana

Os representantes mais famosos do gênero Kalanchoe são os híbridos extremamente floríferos da espécie Kalanchoe blossfeldiana. Esta suculenta é popularmente conhecida como flor da fortuna. Mas não se trata de uma planta que atrai dinheiro. Na verdade, como vimos no artigo sobre o significado das flores, presentear com esta Kalanchoe é um ato auspicioso, que envia votos de boa sorte ao destinatário.


Em seu habitat de origem, na África tropical e na ilha de Madagascar, a espécie Kalanchoe blossfeldiana produz flores relativamente discretas, portando apenas quatro pétalas. No entanto, elas surgem em grande número, em inflorescências que formam delicados bouquets naturais. Ao longo dos anos, com o crescente interesse ornamental e comercial em torno desta planta suculenta, os produtores foram desenvolvendo exemplares cada vez mais floríferos, com flores maiores e mais vistosas. Hoje em dia, as variedades mais comumente encontradas no mercado são Kalanchoes com flores dobradas, comercialmente denominadas Calandivas. Trata-se do resultado de uma mutação espontânea, descoberta em uma estufa comercial, onde a planta passou a produzir flores com várias camadas sobrepostas de pétalas. Além disso, sucessivos cruzamentos, associados a um processo de seleção e melhoramento genético, produziram variedades de corte da Kalanchoe blossfeldiana, com densos bouquets de flores no topo de longas hastes, ideais para arranjos mais sofisticados.

Suculenta Kalanchoe daigremontiana
Kalanchoe daigremontiana

Outra Kalanchoe bastante famosa, desta vez não em função de suas flores, mas por sua capacidade de se reproduzir de uma forma bastante inusitada, é a Kalanchoe daigremontiana. Esta é uma planta suculenta que possui vários apelidos curiosos, tais como mãe de milhares ou mãe de mil. Também é conhecida como aranto, devido às suas alegadas propriedades medicinais. Muitos afirmam que os extratos de folhas desta Kalanchoe são capazes de curar uma série de enfermidades, inclusive o câncer. No entanto, é preciso tomar cuidado com a ingestão desta planta, já que estudos científicos demonstraram que suas folhas são ricas em glicosídeos cardíacos, capazes de causar danos ao coração. Trata-se de um composto comprovadamente tóxico. Suas propriedades curativas, no entanto, ainda não foram devidamente comprovadas cientificamente.

Por outro lado, esta suculenta Kalanchoe é predominantemente cultivada graças ao seu grande poder de multiplicação. Como o apelido já revela, a mãe de milhares produz inúmeros filhotes ao longo das bordas de suas folhas, como podemos observar na foto acima. Ainda aderidos à planta mãe, estes novos brotos já começam a emitir raízes. Quando se destacam, espontaneamente, e tocam o solo, enraízam-se rapidamente e geram novas mudas. Embora bastante ornamental e curiosa, esta planta é considerada por alguns colecionadores como uma praga, já que se multiplica rapidamente, invadindo outros vasos com facilidade.


Existem outras espécies e híbridos de Kalanchoe que possuem esta curiosa característica de reprodução, que não envolve a polinização das flores nem a formação de sementes. Uma outra espécie bastante conhecida é a Kalanchoe delagoensis, que é chamada no exterior de chandelier plant, planta candelabro. Esta é outra suculenta tão comum que, frequentemente, surge do nada, em canteiros e vasos de outras espécies.

Ainda nesta linha de mãe de milhares, existe um híbrido de Kalanchoe chamado Kalanchoe Pink Butterflies. Acredita-se que ele descenda das duas espécies acima mencionadas, mas sua genealogia é um pouco incerta. O fato é que esta planta suculenta, além de produzir inúmeros brotos nas bordas das folhas, apresenta o diferencial de que os filhotes surgem na coloração rosa avermelhada. O conjunto fica belíssimo, de tirar o fôlego. Nunca encontrei um exemplar aqui no Brasil, mas tenho visto bastante esta Kalanchoe em coleções no exterior.

Suculenta Kalanchoe tomentosa
Kalanchoe tomentosa

Continuando com a surpreendente variedade de cores, formas e texturas do gênero Kalanchoe, apresento a seguir a Kalanchoe tomentosa, conhecida pelos íntimos como suculenta orelha de gato. Suas folhas são recobertas por tricomas, estruturas vegetais que se assemelham aos pelos de mamíferos. Esta cobertura confere a esta Kalanchoe um aspecto de pelúcia, com uma textura aveludada ao toque. Como se não bastasse tanta fofura, as extremidades das orelhinhas de gato são decoradas com pequenas manchas em um tom de chocolate, que são responsáveis por outro apelido desta Kalanchoe, panda plant. Existe, inclusive, uma variedade mais amarronzada, conhecida no exterior como 'chocolat soldier', soldado de chocolate.


Dentre as espécies do gênero Kalanchoe, arrisco-me a eleger a Kalanchoe tomentosa como uma das minhas favoritas. Existe, no entanto, uma outra espécie que lembra vagamente a suculenta orelha de gato. Trata-se da Kalanchoe millotii, também conhecida como a Kalanchoe de Millot. Esta também é uma suculenta originária de Madagascar, cujas folhas também se apresentam cobertas por tricomas. No entanto, a densidade dos pelos é menor, quando comparada à espécie tomentosa. Aparentemente, os pelos são um pouco mais curtos e bem mais esparsamente distribuídos ao longo da superfície das folhas. É outra Kalanchoe que eu adoro, por ser delicada, aveludada e bastante adaptável ao cultivo em interiores.

Suculenta Kalanchoe marnieriana
Kalanchoe marnieriana

Outra suculenta Kalanchoe que se comporta bem dentro de casas e apartamentos, muito embora possa ser também cultivada em áreas externas, sob bastante luminosidade, é a Kalanchoe marnieriana. Esta é uma planta bastante resistente, de crescimento incrivelmente rápido. Dentre as Kalanchoes que já cultivei, esta é a que fica mais alta, chegando a tombar. Neste caso, sempre corto a parte superior e simplesmente espeto na terra. Ela continua seu desenvolvimento normalmente, enraizando-se com facilidade. A outra extremidade cortada emite novos brotos, que ficam altos em pouco tempo, novamente. Com este procedimento, a touceira vai ficando cada vez mais densa e ornamental.

Quando cultivada em interiores, próxima a janelas bem ensolaradas, a Kalanchoe marnieriana fica com as folhas em um tom verde azulado, com um aspecto levemente empoeirado, graças à camada de pruína que as recobre. Trata-se de uma substância cerosa, cujo aspecto lembra um fino pó translúcido.
É por esta razão que outra espécie semelhante, Kalanchoe fedtschenkoi, é conhecida popularmente como Kalanchoe fantasma.


Já em ambientes sob sol pleno, a Kalanchoe marnieriana adquire belíssimas bordas avermelhadas em suas folhas azuladas, o que torna o conjunto bastante ornamental. Este detalhe dificilmente é observado quando a suculenta é mantida dentro de casas e apartamentos.

Como sempre saliento, nas compilações de plantas que realizo aqui no blog, apenas apresento fotos de plantas que cultivo ou cultivei aqui no apartamento. Eventualmente, mostro também algumas fotos de plantas em exposições, mas são sempre autorais. Apenas como um complemento, cito outras suculentas do gênero Kalanchoe que são bastante cultivadas, mas que ainda não adquiri, tais como a Kalanchoe orgyalis (colher de cobre), Kalanchoe bracteata (colher de prata), além da famosa suculenta orelha de elefante, apelido que pode ser atribuído a diferentes espécies, tais como Kalanchoe luciae e Kalanchoe thyrsiflora.

Suculenta  Kalanchoe luciae
Kalanchoe luciae

Em comum, todas estas espécies de Kalanchoe têm uma grande predileção por ambientes bastante iluminados, preferencialmente sob sol pleno. Sendo assim, são suculentas ideais para o cultivo em áreas externas, ou em varandas de apartamento que sejam bastante ensolaradas. Sempre é possível cultivar suculentas dentro de casas e apartamentos, mas as representantes do gênero Kalanchoe não são as escolhas ideais para este tipo de ambiente, com algumas exceções. Em outro artigo aqui no blog, listei minhas dez suculentas de sombra preferidas.

Em interiores, por exemplo, a Kalanchoe blossfeldiana dificilmente irá conseguir produzir flores. A Kalanchoe tomentosa, por sua vez, pode adquirir um aspecto estiolado, em que a planta cresce aceleradamente, ficando mais fina e comprida, em busca de luminosidade. Neste contexto, minhas recomendações para o cultivo dentro de casas e apartamentos são as espécies Kalanchoe millotii e Kalanchoe marnieriana. São plantas que não estiolam, desde que recebam bastante luminosidade indireta, vinda de uma janela próxima. Além disso, neste ambiente, tanto a Kalanchoe daigremontiana como a Kalanchoe delagoensis podem se desenvolver bem, já que são extremamente resistentes e adaptáveis, mas provavelmente não produzirão os famosos milhares de filhotes.


Neste contexto, embora sejam planta de fácil cultivo e baixa manutenção, a luminosidade é o fator ao qual devemos nos atentar, quando cultivamos suculentas do gênero Kalanchoe.

O vaso pode ser de plástico ou de barro, sem maiores problemas. O importante é ajustar a frequência das regas de acordo com o material escolhido, já que o plástico retém a umidade do solo por mais tempo. De qualquer forma, o importante é que eles tenham furos no fundo e uma boa camada de drenagem, que pode ser construída com brita, argila expandida ou pedrisco. O pratinho sob o vaso deve ser abolido, uma vez que o excesso de umidade é a causa mais frequente de morte das suculentas, incluindo as representantes do gênero Kalanchoe.

Um solo bem aerado, drenável e não compactado pode ser obtido através da mistura de terra vegetal e areia grossa, em partes iguais. Para quem aprecia praticidade, pode-se comprar substratos próprios para o cultivo de cactos e suculentas, em casas especializadas e garden centers. Eu, particularmente, costumo evitar colocar aquela finalização de pedrisco branco, nos meus vasos de Kalanchoe, por considerar que o material fica encardido muito rapidamente, jamais retornando à cor original. Além disso, esta camada extra, que tem função meramente decorativa, atrapalha a aferição da umidade da terra, que realizo periodicamente, para saber quando é hora de regar a suculenta. Eu costumo colocar o dedo sobre a terra e afundar levemente. Se estiver úmida, postergo a irrigação para outro dia. A simples coloração da terra já ajuda nesta decisão. Geralmente, o solo mais seco fica com a cor mais clara. Um outro parâmetro bastante útil é verificar o peso do vaso. Quando ele estiver bem leve, é sinal de que o solo já está bem seco e pode ser regado novamente.


Não há necessidade de se acrescentar grandes quantidades de matéria orgânica ao substrato de cultivo da Kalanchoe. Sendo originária da África, esta suculenta está habituada à vida sobre solos mais arenosos e pobres em matéria orgânica. Além disso, a terra vegetal que costumamos comprar em lojas de jardinagem já vem com a dose correta de adubo orgânico para o cultivo da maioria das plantas ornamentais. Eu dou preferência à adubação química, do tipo NPK, por ser mais prática, inodora e não atrair insetos. A composição do adubo vai depender da espécie de Kalanchoe e da finalidade. Se o intuito for fazê-la florescer, deve-se aplicar uma formulação mais rica em fósforo, para estimular o processo. Em outros casos, há quem prefira evitar que a suculenta floresça, já que seu objetivo é cultivar a planta pela beleza da parte vegetativa. Neste caso, um simples adubo de manutenção, com níveis equilibrados de NPK, é mais do que suficiente. Eu costumo utilizar sempre a metade da dose recomendada pelo fabricante.

Existe uma tamanha variedade, que é possível montar uma coleção inteira de suculentas utilizando apenas o gênero Kalanchoe. Eu o adoro, muito embora a maioria das espécies não seja muito fã aqui do clima no apartamento, principalmente quando elas são confinadas dentro de casa. A varanda, apesar de bastante ensolarada, é muito hostil, sendo assolada por ventos e tempestades destruidores. Venho tentando montar uma coleção de suculentas mais adaptáveis ao cultivo dentro de casas e apartamentos, de modo que consigo controlar melhor as condições climáticas, evitando o excesso de ventos e chuvas, por exemplo.