Lírio da Paz - Como Cuidar


Lírio da Paz - Spathiphyllum wallisii
Spathiphyllum wallisii

O lírio da paz, também conhecido popularmente como bandeira branca ou espatifilo, faz parte de um seleto e pequeno grupo de plantas polivalentes. Além de apresentarem uma belíssima folhagem, que por si só ornamenta qualquer ambiente, também são capazes de florescer dentro de casas e apartamentos. Ambientes internos geralmente são problemáticos quanto a fornecer a luminosidade necessária para que a floração da maioria das plantas ocorra em sua plenitude.

Para o Spathiphyllum wallisii, contudo, este não é um problema. Mesmo quando cultivado em locais mais sombreados, o lírio da paz pode produzir flores ao longo de todo o ano. Ainda que isto não aconteça, sua belíssima folhagem é capaz de, por si só, trazer um sopro de exuberância tropical a qualquer ambiente interno. Além disso, é uma planta que pode ser usada no paisagismo de áreas externas, desde que posicionado em locais que não recebam a luz solar direta, de forma muito intensa, principalmente em localidades de clima quente, que pode danificar suas folhas. Nestas circunstâncias, elas perdem o belo tom verde escuro, ficando amareladas.

Confesso que tenho uma queda por esta belíssima folhagem, embora seja considerada muito comum. Junto com a samambaia, o espatifilo é daquelas plantas cultivadas por nossas avós, que nos remetem à infância. Temos aqui no apartamento uma touceira que nos acompanha há décadas. Apesar dos baixos índices de umidade relativa do ar e da luminosidade insuficiente, este lírio da paz balzaquiano continua a crescer, florescer e dar novas mudas. A seguir, conto um pouco sobre as curiosidades e dicas de cultivo desta popular planta ornamental.

Origem do nome e da planta


O lírio da paz ou bandeira branca faz parte da grande e exuberante família das aráceas, sendo originário de países localizados na América Central. Outras espécies do gênero Spathiphyllum costumam ser naturalmente encontradas em regiões tropicais do continente americano, podendo também ocorrer no sudeste asiático.


Seu nome científico, Spathiphyllum wallisii, pode parecer assustador e impronunciável, em um primeiro momento, mas tem uma explicação. O termo wallisii, referente à espécie, homenageia o colecionador de plantas alemão Gustav Wallis, famoso pela introdução de diversas plantas exóticas na Europa, durante o século XIX. O termo Spathiphyllum, que dá nome ao gênero, é uma palavra composta e faz referência à inflorescência do lírio da paz. Em latim, spatha significa espata, bráctea e phyllum, folha. É desta palavra em latim que derivou o nome simplificado espatifilo.

A estrutura que dá o apelido de bandeira branca ao lírio da paz é, na verdade, uma folha modificada, que recebe o nome técnico de bráctea. Esta estrutura, que muitos confundem com flor, envolve e protege a espádice, ao centro, que lembra uma pequena espiga de milho. Trata-se, na verdade, de uma inflorescência, que abriga inúmeras e minúsculas flores. São elas as responsáveis por aquele fino pó branco que o lírio da paz costuma soltar, quando florido. Tratam-se de pequenas partículas de pólen. A mesma estrutura de inflorescência pode ser observada na maioria dos membros da família Araceae, da qual fazem parte o antúrio, o copo de leite e a zamioculca.

Lírio da Paz - Spathiphyllum wallisii
Spathiphyllum wallisii

A família Araceae é bastante numerosa, e as espécies a ela pertencentes são muito comumente utilizadas como folhagens ornamentais na decoração de interiores. Geralmente, são plantas que não requerem muita luminosidade, são de fácil cultivo e resistentes a pragas. Além, é claro, de apresentarem belíssimas folhagens, independentemente de suas flores. Ao contrário do que seu nome popular possa sugerir, o lírio da paz ou peace lily não pertence à família Liliaceae, dos lírios verdadeiros. Trata-se apenas de um apelido. Também é importante não confundir o lírio da paz com o lírio do Amazonas, que é uma planta pertencente a outra família, Amaryllidaceae, da qual faz parte a amarílis.

Como cuidar do lírio da paz


Embora o Spathiphyllum wallisii seja considerado de facílimo cultivo, existem alguns cuidados que devem ser tomados. Devido à sua origem tropical, o lírio da paz não tolera o frio intenso nem geadas. Por este motivo, é uma planta ideal para ser cultivada dentro de casa, onde as temperaturas são mais amenas e podem ser controladas de forma mais constante. Como já mencionado, outro cuidado importante é evitar que a planta seja exposta à luz solar direta, nos períodos mais quentes do dia, se quisermos manter sua folhagem com aquele intenso e brilhante tom de verde esmeralda. Existe o risco de suas folhas sofrerem queimaduras caso sejam expostas ao sol pleno, principalmente em regiões de clima quente e seco, durante o verão.

Apesar de resistente, o lírio da paz costuma ser um tanto quanto melodramático. Protagonizando a drama queen, pode ser frequentemente encontrado completamente desmaiado, com todas as suas folhas arriadas, ao menor indício de falta de água. Parece que a planta morreu e que não há mais nada que possa ser feito para salvá-la. Felizmente, a planta se recupera em questão de poucas horas, após a rega apropriada. Parece um milagre. Há, inclusive, vídeos interessantes, do tipo time lapse, desta ressurreição. No entanto, é bom evitar ciclos repetidos de desmaios, que vão debilitando o lírio da paz.

Além destes desmaios, outro indicativo de que está faltando umidade ao lírio da paz consiste no ressecamento das pontas das folhas. Este fenômeno costuma ocorrer quando a planta é cultivada dentro de casas, apartamentos e escritórios, principalmente quando há aparelhos de ar condicionado operando. Nem sempre aumentar a frequência das regas resolve este problema. Da mesma forma que acontece com as orquídeas, a umidade precisa estar no ambiente, e não encharcando o vaso. Fontes de água e umidificadores de ar são eficientes instrumentos para melhorar a qualidade do ar em ambientes internos, tanto para plantas como para a saúde de humanos e pets.

Lírio da Paz - Spathiphyllum wallisii
Spathiphyllum wallisii

O tipo de vaso depende muito das condições climáticas de cada ambiente, além das preferências pessoais de cada cultivador. Como o lírio da paz gosta de bastante umidade, sendo uma planta tropical, o vaso de plástico ajuda a reter a água das regas por mais tempo. O vaso de barro, por sua vez, seca mais rapidamente, exigindo uma frequência maior das regas. Pessoalmente, costumo manter a planta no vaso de plástico que vem do produtor e, ocasionalmente, o coloco dentro de cachepots decorativos. A vantagem deste método é que o cachepot pode ser mudado a qualquer momento, sem necessidade de um reenvase da planta. Apenas é bom tomar o cuidado de, no momento da rega, retirar o vaso de plástico de dentro do cachepot, esperar a água escoar bem, para só então retorná-lo ao seu devido lugar. O uso de pratinhos sob o vaso nunca é recomendável. Além de acumular água, que pode ser um criadouro para o mosquito da dengue, o excesso de umidade nas raízes pode levar ao seu apodrecimento.

Como já vimos, a frequência das regas deve ser observada com cuidado, para que o lírio da paz não desmaie. O ideal é manter a terra sempre levemente úmida, nunca encharcada. Por outro lado, não é bom esperar que a terra seque completamente, ficando encarquilhada. É nesta ocasião que ocorrem os desmaios desta planta dramática.

Embora seja uma folhagem típica de interiores, é bom salientar que o lírio da paz necessita de um mínimo de luminosidade para florescer. De modo geral, basta que o vaso fique localizado próximo a uma janela que proporcione luz filtrada à planta. Varandas, áreas de serviço, e até banheiros, também são locais ideais para o cultivo do lírio da paz, que aprecia a umidade destes ambientes.

Outro cuidado a ser tomado é quanto à adubação. Convém alternar fórmulas de manutenção e floração, para um correto desenvolvimento da planta durante todo o ano. Qualquer formulação balanceada, do tipo NPK, é suficiente para o lírio da paz. Se a planta for mantida dentro de casa, é conveniente evitar a adubação orgânica, que pode exalar odores e atrair insetos. O material orgânico, do tipo esterco curtido, torta de mamona e húmus de minhoca, precisa sofrer um processo de decomposição, para que os nutrientes sejam liberados para as raízes da planta. Em ambientes internos, é um tanto quanto desagradável conviver com estes fenômenos.

Ainda que as flores possam surgir em qualquer época, é durante os meses mais quentes da primavera e verão que elas aparecem com maior intensidade. As brácteas brancas características do lírio da paz vão se tornando esverdeadas, à medida que a inflorescência amadurece. Este é um fenômeno natural, não sendo motivo de preocupação.

É muito raro ver o lírio da paz ser atacado por pragas. Nosso exemplar, aqui no apartamento, convive com orquídeas e suculentas, que são frequentemente alvo de cochonilhas, pulgões e ácaros. No entanto, estes parasitas não parecem ter interesse pelo lírio da paz, felizmente. Na eventualidade de alguma ocorrência, podem ser utilizadas soluções caseiras, tais como caldas de sabão ou remoção manual.


Cultivo em hidroponia


Devido à sua resistência e facilidade de cultivo, há quem prefira manter o lírio da paz somente em água. Além de formar arranjos bastante decorativos, o cultivo em hidroponia é extremamente simples, não requerendo regas frequentes, além de afastar o medo que todos têm de dar água demais às plantas cultivadas na terra ou em substratos. Há, inclusive, quem se aventure a cultivar orquídeas na água.

Alguns cuidados, entretanto, devem ser tomados. Em ausência de terra, a água deve ser suprida com doses bastante diluídas, quase homeopáticas, de adubo inorgânico, do tipo NPK. O importante é não colocar em excesso, é sempre bom pecar pela falta. Outro cuidado é que a água deve ser trocada com regularidade, a cada três dias ou semanalmente, para evitar a proliferação de bactérias, algas e larvas do mosquito da dengue.

Alternativamente, o lírio da paz pode ser cultivado em um sistema intermediário, chamado semi-hidroponia. Neste caso, existe um substrato inerte, que pode ser brita ou argila expandida, apenas para dar suporte físico às raízes. Os nutrientes são diluídos na água que abastece o conjunto.

Planta purificadora do ar


Existe um mito de que plantas dentro de casa, principalmente dentro do quarto em que as pessoas dormem, são prejudiciais à saúde humana. Os níveis de gás carbônico que uma planta exala durante a noite são insignificantes, quando comparados aos emitidos por um animal ou uma outra pessoa. Além disso, estudos conduzidos pela agência espacial americana, a NASA, concluíram que o lírio da paz, entre outras plantas ornamentais bastante comuns, tem a capacidade de atuar como um filtro natural, eliminando substâncias tóxicas do ambiente. São compostos voláteis que permanecem no ar em decorrência da poluição das grandes cidades.


Planta tóxica


É sempre importante que as pessoas façam uma pesquisa antes de introduzirem uma nova planta em suas casas. Aparentemente inofensivas, muitas das plantas ornamentais de interiores podem causar danos à saúde, caso entrem em contato com a pele ferida, olhos, mucosas ou sejam inadvertidamente ingeridas.

O lírio da paz, por exemplo, faz parte da mesma família da Dieffenbachia amoena, popularmente conhecida como comigo ninguém pode. A maioria das plantas pertencentes à família Araceae apresenta algum nível de toxicidade aos seres humanos e animais domésticos, graças à presença de cristais de oxalato de cálcio em seus tecidos vegetais.

Por causa desta substância química, todas as partes do lírio da paz são venenosas quando entram em contato com o sistema digestivo de animais. Também há aqueles que apresentam reações alérgicas quando a pele entra em contato com a seiva da planta. Por estes motivos, é sempre bom manter o Spathiphyllum wallisii fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Conclusão


Tomando-se estes pequenos cuidados, é muito tranquilo cultivar o lírio da paz, que é uma peça indispensável a qualquer floresta urbana ou urban jungle. Vale lembrar que ele pode ser encontrado em diferentes tamanhos, existindo inclusive uma versão variegata belíssima. Uma variedade muito famosa e cobiçada é o lírio da paz gigante. Na verdade, ele pertence a uma outra espécie, Spathiphyllum cannifolium. Já comprei vasos de mini lírio da paz, mas acabei percebendo que ele vai crescendo e fica do tamanho do Spathiphyllum wallisii tipo.

De qualquer forma, pequeno ou grande, dentro ou fora de casa, o lírio da paz é uma planta de beleza única, ainda que frequentemente passe despercebida por muitos. Vale a pena adicionar esta peça de fácil cultivo e florações generosas às nossas selvas urbanas.