Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Top 10 Orquídeas de Sombra


Orquídea Ludisia discolor
Ludisia discolor

Tendo em vista o sucesso da nossa seleção de suculentas de sombra, publicada recentemente aqui no blog, hoje trago uma lista de orquídeas que podem ser cultivadas dentro de casa. Lembrando que o termo orquídeas de sombra é impreciso, já que toda planta precisa de luz para sobreviver. Mas existem aquelas orquídeas que não necessitam de uma luminosidade intensa para se desenvolver e florescer, contentando-se com a luz indireta que chega a um parapeito de janela, dentro de casas e apartamentos.



Em jardinagem, o termo sombra refere-se à luminosidade difusa que incide no ambiente, sem sol direto em nenhum momento do dia. Já a meia sombra é aquela condição em que há a incidência direta dos raios solares, apenas por algumas horas do dia, no início da manhã e no final da tarde. Por fim, temos o sol pleno, que não necessita de maiores explicações. Felizmente, devido à grande diversidade de membros da família Orchidaceae, temos espécies que se adequam a cada uma destas condições de luminosidade. A seguir, listarei as minhas dez orquídeas de sombra preferidas.

1. Ludisia discolor


Encabeçando a seleção de orquídeas de sombra, temos a orquídea joia, cujo nome científico é Ludisica discolor. Esta orquídea asiática, de hábito terrestre, encontrada na Indonésia, Malásia e Burma, é conhecida como orquídea joia devido à beleza de suas folhas aveludadas, que exibem um tom de verde acobreado, com veios dourados avermelhados. Muitos colecionadores cultivam esta orquídea de sombra apenas como folhagem, sem se preocuparem com suas florações, consideradas de importância ornamental secundária. Por este motivo, trata-se de uma escolha perfeita para se cultivar dentro de casas e apartamentos, em ambientes sem muita luminosidade.

Orquídea Ludisia discolor
Ludisia discolor

Ainda assim, sob condições de luz indireta, a Ludisia discolor pode florescer, exibindo graciosas e minúsculas flores brancas, que se parecem com seres alados. Elas também lembram a pipoca. Por ser terrestre, esta orquídea de sombra pode ser cultivada como qualquer outra planta de interiores, tais como violetas, com o diferencial de requerer ainda menos luminosidade.


2. Mini Phalaenopsis


Esta é outra orquídea coringa, a salvação para os cultivadores de apartamento. Ao contrário das vistosas Phalaenopsis em tamanho normal, as versões em miniatura cabem em qualquer lugar, podendo inclusive ser colecionadas, tamanha a diversidade de cores disponíveis. A cada dia, surgem mini Phalaenopsis ainda menores, mantendo as características de cores e padronagens encontradas nas versões originais, em tamanho natural.

Para que floresça bem, a mini Phalaenopsis precisa de um pouco mais de luminosidade, quando comparada à Ludisia discolor. Ainda assim, pode ser considerada uma típica orquídea de sombra, por se desenvolver bem em ambientes internos, desde casas e apartamentos até escritórios e espaços corporativos, com ar condicionado.

Orquídea Phalaenopsis híbrida
Phalaenopsis híbrida

Tudo o que esta orquídea de sombra precisa é de um local próximo a uma janela com luz indireta. Suas flores duram uma eternidade. Muito embora possam surgir durante o ano todo, devido à natureza híbrida da mini Phalaenopsis, os picos de floração ocorrem durante os meses da primavera e verão. O grande diferencial deste gênero de orquídeas é que, após o término da floração, a haste antiga pode brotar novamente, produzindo novas flores ou keikis, que são brotos capazes de gerar novas plantas.


3. Orquídea chocolate


De modo geral, as orquídeas do gênero Oncidium são conhecidas por requererem elevados níveis de luminosidade, para um bom desenvolvimento e floração. No entanto, o híbrido Oncidium Sharry Baby 'Sweet Fragrance', mais conhecido popularmente como orquídea chocolate, é menos exigente quanto a este quesito, podendo ser cultivado dentro de casas e apartamentos, apenas com luz indireta.

Na verdade, esta é outra orquídea de sombra típica, já que suas folhas ficam intensamente pintalgadas, quando expostas a muita luminosidade. Aqui no apartamento, já obtive boas florações desta orquídea dentro do meu quarto. A orquídea chocolate contenta-se com um parapeito de janela, produzindo suas florações com cheiro de chocolate ao longo de todo o ano.

Orquídea Ondicium Sharry Baby 'Sweet Fragrance'
Ondicium Sharry Baby 'Sweet Fragrance'

4. Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy'


Esta é uma parente da orquídea chocolate. Também intensamente perfumada, a orquídea Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy' é bastante florífera, podendo ser cultivada em interiores, sem maiores problemas. Também não tolera o sol pleno, ficando com as folhas queimadas ou intensamente pintalgadas.


Esta orquídea de sombra é híbrida, resultante do cruzamento entre as espécies Oncidium cheirophorum e Oncidium ornithorhynchum ou sotoanum. Sua marca registrada são as minúsculas flores, que podem ter diferentes colorações, tais como amarelo, branco e vinho. Em comum, todas as versões exalam um perfume adocicado, que lembra a baunilha.

Orquídea Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy'
Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy'

O principal cuidado a ser tomado no cultivo desta orquídea de sombra é quanto às regas. O gênero Oncidium é bastante sensível quanto ao excesso de umidade nas raízes, por períodos prolongados. Por esta razão, estas orquídeas costumam ser cultivadas em pedaços de madeira ou troncos cortados. Quando plantadas em vasos com substrato, deve-se aguardar até que o material seque completamente, para então efetuar uma nova rega.

5. Oncidium ornithorhynchum


Na verdade, o nome científico correto desta orquídea é Oncidium sotoanum. Devido a uma troca de identificação, ela acabou ficando conhecida como Oncidium ornithorhynchum, mesmo após a confusão ter sido descoberta. Como é impossível encontrar esta orquídea no mercado, usando seu nome original, seguimos com a nomenclatura mais comumente utilizada.


Esta é outra orquídea de sombra que vai bem em interiores, por necessitar de uma luminosidade indireta para florescer. Não por acaso, ela está na genealogia das duas orquídeas de sombra supracitadas. Trata-se de uma espécie originária de regiões de clima ameno, de elevadas altitudes. Por esta razão, nem sempre é tranquilo cultivá-la, principalmente em regiões muito quentes e secas, ou ao nível do mar.

Orquídea Oncidium ornithorhynchum
Oncidium ornithorhynchum

O que mais me chama a atenção, no caso desta orquídea de sombra, é o contraste entre o calo amarelo gema, localizado acima do labelo de cada flor, em relação às pétalas e sépalas rosadas. Outra marca registrada deste Oncidium é seu aroma, bastante intenso, nem sempre considerado agradável pelos cultivadores.

6. Orquídea sapatinho


Esta é uma orquídea que brilha em qualquer coleção, graças ao formato inusitado de suas flores, que lembram tamancos holandeses. Diversas orquídeas dos gêneros Paphiopedilum e Phragmipdium são popularmente conhecidas como orquídeas sapatinho. Elas são consideradas orquídeas terrestres, mais precisamente humícolas, já que suas raízes assentam-se sobre a camada de húmus que se forma no chão das florestas. Nesta localização, estas orquídeas de sombra estão muito mais distantes dos raios solares, filtrados pelas copas das árvores.

Orquídea Paphiopedilum Leeanum
Paphiopedilum Leeanum

O representante mais famoso desta classe de orquídeas é o Paphiopedilum Leeanum. Trata-se de um híbrido asiático, que se adaptou muito bem ao clima no Brasil, sendo extremamente popular. Esta é uma orquídea de sombra que está por toda parte, frequentemente cultivada como uma planta comum de jardim.


Trata-se de uma orquídea perfeita para ser cultivada dentro de casas e apartamentos, em ambientes mais sombreados. Já obtive várias florações aqui no meu quarto, com um exemplar cultivado próximo a uma janela face oeste, sem luz direta. Apesar de ser uma orquídea de sombra típica, o Paphiopedilum Leeanum é bastante versátil, tolerando inclusive algumas horas de sol direto por dia, no início da manhã e no final da tarde.

7. Sophronitis coccinea


Ao encontrarmos uma orquídea vermelha à venda, é muito provável que ela possua a espécie Sophronitis coccinea em sua genealogia. No entanto, dentre as orquídeas de sombra já mencionadas ao longo deste artigo, esta radiante miniatura vermelha não ocupa uma boa classificação, graças ao fato de ser bastante temperamental, considerada de difícil cultivo.

Orquídea Sophronitis coccinea
Sophronitis coccinea

Muito embora ela não necessite de muita luminosidade para crescer e florescer, a Sophronitis coccinea é bastante exigente quanto aos níveis de umidade relativa do ar. Como o ambiente dentro de casas e apartamentos costuma ser muito seco, nem sempre é possível cultivar esta orquídea em interiores. No entanto, há quem tenha sucesso recorrendo a umidificadores de ambiente, bandejas umidificadoras ou mesmo cones de barro.

A combinação de musgo sphagnum e vaso de plástico costuma gerar bons resultados, no cultivo desta exigente orquídea de sombra. Eu já perdi vários exemplares, mas sigo tentando, já que se trata de uma espécie de beleza única.


8. Ornithophora radicans


As micro orquídeas são orquídeas de sombra por excelência. Elas estão habituadas à vida sob a sombra das densas copas das árvores, nas florestas tropicais. Muitas espécies são originárias da Mata Atlântica brasileira. É o caso da nossa oitava indicação, a espécie Ornithophora radicans. Trata-se de uma orquídea extremamente delicada, de flores minúsculas, que lembram mosquitinhos esvoaçantes.

Orquídea Ornithophora radicans
Ornithophora radicans

Apesar de não ser exigente quanto à luminosidade, podendo florescer em ambientes sombreados, a Ornithophora radicans precisa de bastante umidade no ambiente de cultivo, para se desenvolver adequadamente. Em locais muito secos e quentes, esta orquídea de sombra tende a se desidratar, ficando com as pontas das folhas queimadas e os minúsculos pseudobulbos enrugados.

Tomadas as devidas precauções, como as descritas para o cultivo da Sophronitis coccinea, acima, a Ornithophora radicans formará delicadas touceiras, repletas de hastes florais portando inúmeros seres alados, de beleza única.

9. Capanemia superflua


Esta é outra espécie, também considerada uma micro orquídea, que se desenvolve muito bem em ambientes sombreados. Epífita por excelência, a Capanemia superflua não gosta muito do cultivo em vasos. Ela prefere ficar com as raízes aderidas a pedaços de madeira ou de troncos, com as raízes bem arejadas. No entanto, precisa de elevados níveis de umidade relativa do ar. Também é considerada uma orquídea temperamental, de difícil cultivo.


Aqui no apartamento, nunca consegui grandes resultados no cultivo desta orquídea de sombra. Ainda assim, cada pequena haste floral que surge é um show de delicadeza, como podemos ver na imagem abaixo.

Orquídea Capanemia superflua
Capanemia superflua

10. Paradisanthus micranthus


Por fim, para fugirmos do lugar comum, uma orquídea terrestre bastante esquecida pelos colecionadores. A espécie Paradisanthus micranthus é tipicamente brasileira, encontrada no chão das florestas, sendo um clássico exemplo de orquídea de sombra.

Seu principal charme está na coloração verde água de suas pétalas e sépalas. Espécies de orquídeas verdes não são tão comumente encontradas na natureza. Além disso, cada flor parece ter sido pincelada à mão, com pequenos riscos em vinho e lilás.

Orquídea Paradisanthus micranthus
Paradisanthus micranthus

O fato curioso sobre esta orquídea de sombra é que o nome do gênero, Paradisanthus, significa flor do paraíso. O nome é pomposo, mas o tamanho das flores desta orquídea é diminuto. São inflorescências que vão desabrochando sequencialmente, ao longo de discretas hastes eretas.

Considerações finais


Chegamos ao final da nossa seleção de top dez orquídeas de sombra, com muitos representantes ausentes. A lista é enorme, mas as espécies e híbridos aqui elencados dão uma boa ideia da  grande diversidade observada neste grupo de orquídeas, que são ideais para quem mora em casas e apartamentos, não dispondo de muita luminosidade para o cultivo de suas plantas.


Por exemplo, embora tenhamos citado a Ludisia discolor, existem várias outras espécies, conhecidas como orquídeas joia, que são cultivadas apenas devido à beleza de suas folhagens, sendo ideais para ambientes sombreados.

Além das mini Phalaenopsis, várias outras espécies do gênero podem ser consideradas orquídeas de sombra. O mesmo vale para os gêneros Paphiopedilum e Phragmipedium, as orquídeas sapatinho.

A Sophronitis coccinea também não é a única representante deste grupo de orquídeas de sombra. Também podemos incluir nesta categoria a espécie Sophronitis wittigiana e o híbrido Sophronitis Arizona, apenas para citarmos exemplos já cultivados aqui no apartamento. Porém, no caso da espécie Sophronitis cernua, níveis mais elevados de luminosidade, inclusive com algum sol direto nas horas mais amenas do dia, podem ser necessários para que a orquídea floresça bem. Esta poderia ser considerada uma orquídea de meia sombra.

O importante é sabermos que as possibilidades são inúmeras. A falta de sol direto no ambiente de cultivo não é um empecilho para mantermos orquídeas dentro de casas e apartamentos, com sucesso. Basta selecionarmos as espécies corretas, mais apropriadas para este tipo de ambiente. As orquídeas híbridas, de modo geral, são uma boa opção, já que são desenvolvidas para que se adaptem ao cultivo doméstico, com menos luminosidade.