Como Cuidar de Suculentas


Suculentas no Apê
Suculentas no Apê

As plantas suculentas tornaram-se onipresentes em nosso cotidiano. De elegantes floriculturas a feiras e supermercados, elas podem ser encontradas em todos os tipos, cores, tamanhos e preços. Hoje em dia, elas já ocupam lugares de destaque, antes dominados pelas flores. Tem sido bastante frequente o uso de suculentas na decoração de eventos, fazendo parte de bouquets de noivas ou sendo ofertadas como lembrancinhas de festas de aniversário. Já foram parar até em ímãs de geladeira, plantadas dentro de rolhas. É uma febre.

Se procurarmos no Google Trends, veremos que o termo 'suculentas' já ultrapassa em muito as orquídeas, em relação às buscas que as pessoas fazem na internet. Este aumento na procura, evidentemente, reflete-se no comércio. Já há, inclusive, espaços reservados às plantas suculentas no meio de algumas exposições de orquídeas. Da mesma forma, as áreas destinadas a cactos e suculentas vêm aumentando nos garden centers e floriculturas.

A beleza, diversidade, exotismo e facilidade de cultivo estão entre as razões para este sucesso das plantas suculentas junto ao público consumidor. Este fenômeno tem se refletido aqui no blog, onde tenho observado um aumento no interesse dos leitores por estas gorduchas. A seguir, deixo algumas informações interessantes sobre estas plantas, bem como dou dicas de cultivo baseadas na minha experiência com a manutenção de suculentas dentro do apartamento.


Suculentas no Apê
Suculentas no Apê

Classificação das plantas suculentas


Ao contrário do que muitos imaginam, não existe uma classificação botânica formal para todas as plantas suculentas. Elas não fazem parte de uma família específica. Diferentes gêneros e espécies, pertencentes a várias famílias botânicas, são popularmente agrupados sob a denominação comum de suculentas.

De forma bastante simplista, plantas suculentas são todas as espécies vegetais capazes de armazenar água em seus tecidos, quer sejam raízes, caules ou folhas. Nestes casos, as estruturas tornam-se mais espessas, adquirindo a aparência típica de uma suculenta. Em latim, sucus significa suco ou seiva. 

Todos os membros da família Cactaceae, por exemplo, apresentam esta característica. Portanto, cactos são plantas suculentas. O inverso, no entanto, não é obrigatório. Nem todas as suculentas são cactáceas. Para exemplificar, cito alguns cactos famosos já apresentados aqui no blog, tais como o cacto orelha de Mickey, cacto castelo de fadas e cacto dedal. As opúncias também são cactos típicos bastante conhecidos. Por aqui, já passaram a Opuntia monacantha monstruosa e a Opuntia subulata monstruosa.

Muito parecidos com os cactos, os membros da família Euphorbiaceae também são exemplos de suculentas. Neste grupo, talvez a representante mais conhecida seja a Euphorbia millii, popularmente conhecida como coroa de Cristo. 

Outra família de plantas suculentas bastante famosa é a Crassulaceae. Evidentemente, faz parte dela a Crassula ovata, cujas variedades 'Hobbit' e 'Gollum' são popularmente conhecidas como suculentas orelha de Shrek. Além destas, praticamente todas as plantas suculentas cultivadas pelos colecionadores possui algum membro na família Crassulaceae.  É o caso das clássicas Echeverias, dentre as quais já falamos aqui sobre a Echeveria runyonii 'Topsy Turvy', Echeveria 'Black Prince' e Echeveria Perle von Nürnberg.

Também pertencem a esta numerosa família as suculentas do gênero Sedum (Sedum moranense e Sedum makinoi), além das espécies Graptopetalum paraguayense, a planta fantasma, Aeonium castello-paivae e Pachyphytum compactum, a planta diamante, apenas para citar algumas já mencionadas aqui no blog.

Mas a lista é imensa. Em outras famílias botânicas, temos desde pequenas e compactas suculentas esculturais, como a Haworthia limifoliaHaworthia retusa, até gigantes como o baobá, Adansonia digitata, passando por plantas famosas por suas alegadas propriedades medicinais, como a babosa, Aloe vera, ou avelós, Euphorbia tirucalli. Há também inúmeros exemplos de plantas suculentas utilizadas no paisagismo, como a pata de elefante, Beaucarnea recurvata, e as agaves. Bastante resistentes e frequentemente utilizados na decoração de ambientes internos e externos, destacam-se representantes do gênero Sansevieria, como a popular espada de São Jorge. Outra planta ornamental bastante em voga, mas raramente lembrada como suculenta, é a Zamioculcas zamiifolia.


Suculentas no Apê
Suculentas no Apê

Características das plantas suculentas


Vimos anteriormente que todos os cactos são exemplos de plantas suculentas. Por outro lado, nem todas as suculentas são cactos. Afinal, o que faz com que uma planta seja considerada suculenta?

Além do espessamento dos tecidos vegetais, causado pelo armazenamento de água, e a consequente aparência suculenta de folhas, caules e raízes, estas plantas típicas de ambientes áridos realizam a fotossíntese CAM (Crassulacean Acid Metabolism). Trata-se de um metabolismo diferenciado, que foi inicialmente descoberto em plantas da família Crassulaceae, que visa atenuar os efeitos da falta de água sobre as plantas.

Plantas suculentas que habitam regiões de clima árido apresentam este comportamento evoluído, CAM, no qual os estômatos ficam fechados durante o dia, a fim de evitar a perda de água por evaporação. Durante a noite, ocorre a abertura destas estruturas, que então permitem a captação de gás carbônico. No entanto, neste período, não há luz para a realização de fotossíntese. O CO2 coletado durante a noite é armazenado sob a forma de ácidos orgânicos. Durante o dia, quando os estômatos se fecham, estes ácidos liberam o gás carbônico necessário à fotossíntese.

Para evitar a perda de água, muitas plantas suculentas têm um número reduzido de estômatos em suas folhas. Outras, mais radicais, apresentam folhas rudimentares ou ausência total destas estruturas, como acontece com a maioria dos cactos.

Folhas cilíndricas ou esféricas, mais espessas, são características de plantas suculentas. Além de armazenarem água, estas estruturas apresentam uma geometria que diminui a superfície de exposição ao sol, reduzindo a evaporação da água. Também com esta finalidade, as folhas das suculentas costumam ser cobertas por cera ou pelos. Um exemplo típico e bastante extremo de planta peluda é a Tradescantia sillamontana, popularmente conhecida como suculenta teia de aranha. Muitas espécies de plantas suculentas possuem o termo tomentosa no nome, referente à lanugem que cobre suas folhas, como é o caso da famosa suculenta orelha de gato, Kalanchoe tomentosa, ou da suculenta pata de urso, Cotyledon tomentosa.

Vasos e substratos para suculentas


A escolha do melhor vaso para cultivar suculentas passa por uma série de questões inerentes ao ambiente de cultivo e às preferências de cada colecionador. Eu, particularmente, costumo manter as plantas que adquiro no mesmo vaso plástico proveniente do produtor. A suculenta já sofre um grande stress ao ser retirada das estufas de produção, onde as condições climáticas são idealmente controladas, para ficar exposta à toda sorte de maus-tratos no ambiente de comercialização. Depois, ainda é transferida ao nosso ambiente doméstico, que também é diferente da estufa. Particularmente, acho que um transplante nesta etapa só piora a situação da planta.

Para esconder a feiura do vaso plástico, podemos sempre recorrer a cachepots decorativos. Lembrando que é importante retirar o vaso de dentro destas peças, para que a água da rega não se acumule no fundo. O material plástico também facilita o desenvase, durante os replantes necessários quando a planta se torna grande demais. Outra vantagem é que o peso é menor, em relação aos vasos de barro. Para quem tem grandes coleções, principalmente em apartamentos, o peso somado de todos os vasos é uma questão a ser considerada.

Por fim, vale lembrar que os vasos de plástico retêm a umidade por mais tempo, em relação aos vasos de cerâmica. Dependendo do ambiente em que ficam as suculentas, é preciso adequar a frequência de regas, levando-se em consideração a natureza do material com o qual o vaso é fabricado. Independentemente desta questão, o importante é que o vaso possua uma boa drenagem, que impeça o acúmulo de água no substrato.

Substrato este que pode ser composto por diferentes materiais. O importante é que seja bem aerado, não compactado, bastante drenável. A mistura mais comumente utilizada no cultivo de suculentas é a de terra vegetal e areia grossa, em partes iguais. Mas há quem adicione esterco curtido, húmus de minhoca e outros elementos orgânicos à mistura. É importante lembrar que plantas suculentas são originárias de regiões desérticas, de solo arenoso, geralmente pobre em nutrientes. Não é necessário utilizar um substrato muito rico em matéria orgânica, nem utilizar materiais argilosos, ou que retenham muita umidade. Uma solução segura para quem está iniciando é comprar substratos prontos, especialmente desenvolvidos para o cultivo de cactos e suculentas.

Além da mistura clássica de terra e areia, há quem utilize casca de pinus, carvão vegetal, fibra de coco, perlita, e até mesmo musgo sphagnum. É sempre bom lembrar que, neste caso do musgo, a retenção de água é enorme e as regas devem ser feitas com muita cautela. O importante é encontrar uma composição em proporções que apresentem uma boa performance no ambiente de cultivo de cada colecionador, levando-se em consideração seu estilo de vida e hábitos de rega.


Suculentas no Apê
Suculentas no Apê

Frequência de regas


Nesta questão de quão frequentemente regar as plantas suculentas, não há uma regra fixa. Não podemos nos prender a uma frequência semanal ou quinzenal. O importante é sempre verificar, com o dedo, o nível de umidade do solo. Ele só deve receber água novamente quando estiver completamente seco. Outra maneira bastante prática de se perceber que o material no interior de um vaso secou bem é aferindo seu peso. Quanto mais leve estiver, mais seco o substrato estará. O vaso de plástico, por ser bem leve, ajuda nesta verificação. Com o tempo, vamos nos acostumando a distinguir o peso de um vaso recém-regado, comparado ao de um completamente seco.

Por este motivo, eu particularmente evito colocar aqueles pedriscos brancos decorativos, na superfície dos meus vasos. Eles me atrapalham na verificação da umidade do solo. Frequentemente, percebo quando uma suculenta precisa ser regada apenas pela aparência da terra, que se torna mais clara e esbranquiçada, aspecto bem distinto de um solo úmido.

Durante as regas rotineiras, no dia a dia, eu evito molhar as folhas e rosetas das suculentas, para que não haja acúmulo de água e consequente apodrecimento nos interstícios destas plantas, geralmente bem compactas. No entanto, uma vez por semana ou a cada quinze dias, principalmente durante os meses mais quentes do ano, eu costumo levar todas para a banheira e dar uma boa chuveirada. O importante é deixar as suculentas secarem bem, depois do banho. Este procedimento evita o acúmulo de sujeira e, eventualmente, pragas nas folhas das plantas.

Luminosidade para suculentas


Alguns iniciantes têm a impressão de que só é possível cultivar suculentas e cactos sob pleno sol. Isso não é verdade. Muitos gêneros e espécies de suculentas adaptam-se ao cultivo em interiores, desde que próximos a janelas bem iluminadas.

Neste caso, é importante saber quantas horas de sol cada janela recebe, bem como sua orientação. As janelas e varandas com face norte são as mais iluminadas e propícias ao cultivo de cactos e suculentas. Aquelas voltadas a leste recebem o sol da manhã, que também é ótimo. Janelas face oeste tendem a ser muito quentes, podendo provocar queimaduras em suculentas mais sensíveis. Já as aberturas voltadas ao sul precisam abrigar plantas que necessitem de menos luz para seu desenvolvimento.

Nem todas as suculentas são iguais, no quesito luminosidade. Existem gêneros mais propícios a serem cultivados em ambientes internos, de meia sombra. Também existem aquelas que são mais resistentes ao sol direto. Antes de montar sua coleção, o importante é avaliar o quanto de luz seu ambiente recebe. Depois desta verificação, basta fazer uma pesquisa e adquirir as suculentas que melhor se adaptam às condições que podemos oferecer.

Além disso, muitos gêneros de plantas suculentas adaptam-se tanto ao cultivo sob sol pleno como à meia sombra. O curioso é que sua morfologia e coloração mudam completamente, dependendo do nível de luminosidade ao qual são expostos. Nestes casos, o importante é fazer a transição gradualmente, de um ambiente para outro.

Suculentas de sombra


Como a grande maioria das suculentas e cactos adora sol, vamos destacar aqui aqueles gêneros que podem sobreviver com menos luz. É o caso das espécies dos gêneros Haworthia e Haworthiopsis. Já apresentamos aqui no blog a Haworthia limifolia e a Haworthia retusa, dois excelentes exemplos de suculentas que não necessitam de sol direto para seu desenvolvimento. São plantas que, em seu habitat de origem, vivem em locais mais sombreados, entre pedras, e até mesmo parcialmente enterradas. Portanto, são ideais para o cultivo em interiores.

A famosa planta jade, Crassula ovata, e seus mutantes, como a orelha de Shrek, são exemplos de suculentas que podem ser cultivadas tanto dentro como fora de casa. Embora possam ficar enormes e florescer sob sol pleno, são plantas que se dão bem em interiores, desde que recebam uma boa luminosidade indireta. As suculentas do gênero Portulacaria também encaixam-se nesta categoria.

Outros exemplos de suculentas que podem ser cultivadas à meia sobra são as representantes dos gêneros Gasteria e Rhipsalis. Embora precise de bastante luminosidade para florescer, a popular flor de maio, Schlumbergera truncata, é outra suculenta que costuma ser cultivada em interiores com sucesso.


Berçário de Suculentas
Berçário de Suculentas

Propagação de Suculentas


Plantas suculentas podem ser multiplicadas com grande facilidade e rapidez. Qualquer folha que é destacada da planta mãe pode gerar uma nova muda. Basta que os segmentos sejam removidos corretamente, antes que comecem a murchar ou secar, e que sejam colocados em um berçário de suculentas. Além disso, o processo de poda drástica, popularmente conhecida como decapitação, pode gerar uma grande quantidade de novas plantas. Para conhecer mais sobre estes processos, basta clicar nos links para os respectivos artigos.

Já o processo de propagação através de sementes é mais difícil e demorado. Existem algumas empresas que comercializam sementes de cactos variados. Sementes de suculentas são mais difíceis de serem encontradas comercialmente. Embora a germinação ocorra com relativa facilidade, é complicado obter indivíduos adultos a partir de sementes, já que muitos morrem no caminho. Também é preciso ficar atento para anúncios fraudulentos de sementes, principalmente de plantas suculentas alegadamente raras.

Considerações Finais


Finalizo com uma consideração que é bastante pessoal. Vejo as suculentas como plantas extremamente democráticas. Talvez por isso, estejam tão em alta atualmente. Além de belíssimas e decorativas, são relativamente baratas, podendo ser encontradas em qualquer lugar. Como se não bastasse, são plantas de fácil cultivo. Não é necessário fazer um curso ou ler uma enciclopédia para aprender a cuidar de suculentas. Qualquer pessoa que adquira uma pequena planta logo conhecerá os principais cuidados a serem tomados, sem muita frescura ou enrolação.

O único problema destas plantas suculentas é que não é possível parar em uma, duas ou meia dúzia. Sem que percebamos, logo estaremos contaminados pelo vírus e não sossegaremos enquanto não preenchermos cada espaço disponível com uma incrível coleção de plantas gorduchas.


Patrocinado

Produtos selecionados para abrilhantar sua coleção e aprimorar seu cultivo. Veja outras sugestões na loja online.

Como Cuidar de Orquídeas - Curso em Livro e DVD

Aprenda a Fazer Arranjos com Suculentas - Curso Online

Bonsai Pássaro Azul

Umidificador de Ar Ultrassônico

Vaso Auto Irrigável Anti Dengue