Berçário de Suculentas - A Vida Continua


Berçário de suculentas
Berçário de suculentas

Não me canso de admirar o espetáculo que a propagação destas plantas gorduchas nos proporciona. O berçário de suculentas, que apresentei aqui no começo do ano, um tanto quanto mirrado e despovoado, começa a explodir em vida e exuberância, apenas cinco meses depois. É como se fosse uma floração, só que permanente. Não por acaso, muitas destas suculentas costumam ser conhecidas como flores ou rosas de pedra.

Observando rapidamente a imagem acima, temos a impressão de que são todas iguais. No entanto, cada uma destas suculentas pertence a uma espécie ou gênero diferentes, cada qual com sua nuance de cor característica. Algumas são mais azuladas, outras esverdeadas, havendo também as pálidas, com leves sopros de lilás. Evidencio algumas delas nas fotos a seguir.


Suculenta Graptoveria Fantome
Graptoveria Fantome

Neste estágio inicial, quase embrionário, as plântulas não apresentam fielmente as características típicas de sua espécie. O desenvolvimento de uma suculenta até a forma adulta é um processo que leva tempo, podendo haver perdas no caminho. Contudo, é uma trajetória que sempre vale a pena acompanhar. Aqui no apartamento, após dezenas de folhas 'plantadas', a taxa de brotação está em 100%. Até o momento, não tive perdas no berçário.


Suculenta Graptosedum Francesco Baldi
Graptosedum Francesco Baldi

O procedimento para construir um berçário de suculentas, como descrito neste artigo, é bastante simples. Basta assentar as folhas destacadas de diferentes plantas suculentas sobre uma fina camada de substrato. Este pode ser composto por musgo sphagnum, mistura de terra para suculentas, fibra de coco, areia ou perlita. Não é necessário enterrá-las. O simples contato com a superfície levemente úmida já é suficiente para estimular a brotação. A rega é bem superficial, apenas uma borrifada de água, sempre que o material de cultivo estiver seco. Eu costumo apenas gotejar água no substrato, evitando molhar as folhas.


Suculenta Graptopetalum paraguayense
Graptopetalum paraguayense

Esta mania de plantar tudo em musgo eu peguei do cultivo de orquídeas. Mas existem alguns fatores que pesam contra este procedimento. O material demora mais para secar, principalmente dentro de casa. Por outro lado, quando seca, fica tão encarquilhado que é difícil umedecê-lo novamente. Outro problema, no caso do berçário de suculentas, é que as raízes dos bebês são muito delicadas. À medida que crescem, vão se emaranhando no sphagnum de uma tal forma que depois é impossível separá-las.

Por causa destes contratempos, tenho plantado tudo em terra comum, misturada com areia, em proporções iguais. Este é um substrato perfeito para o cultivo de cactos e suculentas, funcionando muito bem para os berçários.

Quanto às folhas para começar a propagação, confesso que não tenho coragem de arrancá-las das plantas adultas e bem estabelecidas. Apenas utilizo aquelas que caem acidentalmente, principalmente durante o transporte, ou após uma poda necessária. É preciso prestar atenção para não utilizar as folhas que já são naturalmente senescentes. Estas não produzirão novas suculentas.

O berçário de suculentas é uma ótima forma de aumentar a coleção, criar plantas de backup, além de produzir mudas para trocas. Além disso, proporciona um excelente entretenimento ao longo de todo o processo. Vale a pena construir um!


Sedum moranense


Sedum moranense
Sedum moranense

O gênero Sedum, pertencente à família Crassulaceae, abriga centenas de espécies conhecidas por sua beleza e rusticidade, cultivadas como plantas ornamentais tanto em interiores como em áreas externas, no paisagismo. São plantas cujas folhas apresentam adaptações que possibilitam o armazenamento de água. 

A planta suculenta de hoje, Sedum moranense, é nativa do México. O hemisfério norte concentra grande parte dos países de origem deste exótico gênero botânico. Esta espécie moranense, particularmente, forma delicadas moitas de caules eretos, repletos de minúsculas folhas carnosas, densamente imbricadas.

Estas características anatômicas, aliadas à grande tolerância do Sedum moranense ao sol direto e à falta de água, tornam esta espécie uma excelente candidata à sua utilização como forração nos projetos paisagísticos. Em seu habitat natural, ela é frequentemente encontrada vegetando sobre rochas. No exterior, várias espécies do gênero Sedum costumam ser popularmente chamadas de stonecrops. Apesar disso, esta suculenta também fica linda em vasos, podendo ser cultivada dentro de casas e apartamentos, desde que próxima a uma janela bem ensolarada.


Sedum moranense
Sedum moranense

Esta é uma planta que ganhei dos meus pais, como presente de aniversário. A escolha da espécie foi feita pelo meu pai. Sou muito grato a eles pelo carinho com que apoiam este projeto, sempre incentivando o cultivo das mais diferentes famílias botânicas aqui no apartamento. Como prometido, vou gradualmente apresentando as várias suculentas que ganhei de presente ao longo dos próximos artigos. A planta de hoje foi, sem dúvida, uma valiosa adição à minha coleção!


Suculentas, Presente Especial


Suculentas Echeverias, Kalanchoe, Graptopetalum
Echeverias, Kalanchoe, Graptopetalum

Devo confessar que, já há alguns bons anos, não vejo muita graça em comemorar meu aniversário. Com o passar do tempo, os contras vão se avolumando em detrimento dos prós, de modo que a data, outrora especial, costuma ser por mim solenemente ignorada.

No entanto, desde que comecei a cultivar orquídeas, costumo receber belíssimos exemplares desta planta, nesta época do ano. Dentre as pessoas que sempre se lembram de mim, estão o casal Hiroko e Takashi Matsumoto. Ao longo dos anos, estes presentes foram compondo boa parte da minha coleção de orquídeas. 

Neste ano, foi diferente. Pela primeira vez, ganhei deles uma caixa repleta de belíssimas e enormes plantas suculentas, as estrelas do momento. Uma delas, inclusive, portava uma longa inflorescência, carregada de minúsculas flores brancas estreladas, com longos estames, de uma delicadeza única.

Nos próximos artigos, oportunamente, vou apresentar cada uma com mais detalhes, todas devidamente identificadas. Apesar da minha apatia diante do fato de ficar ainda mais velho, receber presentes como este, em forma de plantas especiais, sempre faz meu coração bater mais rápido. À Hiroko e ao Takashi, deixo meu muito obrigado pelo carinho!