Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Tradescantia sillamontana


Suculenta Tradescantia sillamontana
Tradescantia sillamontana

O gênero Tradescantia é mais frequentemente associado a plantas utilizadas no paisagismo como folhagens ornamentais e forrações. É o caso da Tradescantia zebrina, o popular lambari roxo, da Tradescantia pallida purpurea, a trapoeraba roxa, e da Tradescantia spathacea, o famoso abacaxi roxo, entre outras belíssimas espécies. Suas folhas trazem colorido e diversidade aos ambientes, já que frequentemente apresentam várias nuances de pink, lilás e púrpura. São conhecidas por sua resistência e facilidade de cultivo. Além disso, crescem com bastante rapidez e propagam-se prontamente, formando densas touceiras. Adoro estas plantas e pretendo fazer uma coleção de Tradescantia.


No entanto, há neste seleto grupo uma planta com uma característica única, totalmente diferente das demais espécies, a Tradescantia sillamontana. Provavelmente menos conhecida, a mais monocromática entre as representes do gênero Tradescantia, esta é uma espécie suculenta, que apresenta o curioso diferencial de ter sua superfície, folhas e caules, recoberta por pelos que lembram teias de aranha. Por esta razão, é conhecida no exterior como cobweb spiderwort. Aqui no Brasil, há quem a chame de suculenta teia de aranha. Outros nomes populares para esta espécie são veludo branco e Tradescantia lanosa.

A Tradescantia sillamontana pertence à família botânica Commelinaceae e é endêmica do estado de Nuevo León, no México. Isto significa que ela não é encontrada naturalmente em nenhum outro lugar do mundo. Por ter sido descoberta em uma montanha chamada Cerro della Silla, a espécie recebeu o nome científico sillamontana. Evidentemente, sua aparência exótica e diferenciada incentivou sua utilização como planta ornamental, no cultivo doméstico, sendo hoje difundida em coleções por todo o globo.

Suculenta Tradescantia sillamontana
Tradescantia sillamontana

A densa penugem não é um mero enfeite. Estas estruturas que recobrem a planta ajudam a protegê-la da incidência intensa dos raios solares, bem como reduzir a perda de água por evaporação. Cada pelo é denominado tricoma. Tecnicamente falando, trata-se de um apêndice da epiderme vegetal. Lembrando que a Tradescantia sillamontana, ao contrário de suas parentes, é uma suculenta, adaptada à vida em ambientes áridos. Embora mais discreta, a Tradescantia pallida purpurea, popularmente conhecida como trapoeraba roxa, também possui a folhagem coberta por tricomas. Outros casos bastante interessantes de plantas peludas são a suculenta orelha de gato, apelido carinhoso da Kalanchoe tomentosa, e suculenta patinha de urso, da espécie Cotyledon tomentosa.


Por esta razão, apesar de ser uma planta de fácil cultivo, a suculenta teia de aranha deve ser regada com cautela, evitando-se excessos. Durante este procedimento, deve-se evitar molhar as folhas, que podem apodrecer devido ao excesso de umidade. Todos os cuidados típicos recomendados para se cuidar de suculentas aplicam-se à Tradescantia sillamontana. Neste sentido, é preciso verificar o solo, com a ponta do dedo, para aferir o nível de umidade. Devemos regar a planta apenas quando a terra estiver completamente seca, independentemente da periodicidade. Para evitar o acúmulo de água, o uso do pratinho sob o vaso deve ser abolido.

O vaso para o plantio da Tradescantia sillamontana pode ser de barro ou de plástico. É importante ter em mente que o plástico retém a umidade por mais tempo. Desta forma, as regas precisam ser mais espaçadas. Em ambos os casos, os vasos precisam ter uma boa camada de drenagem no fundo, que pode ser composta por pedrisco, brita ou argila expandida. Uma manta geotêxtil por cima desta camada ajuda a reter o solo, impedindo que ele escape pelos furos durante as regas.

Observando o habitat original da Tradescantia sillamontana, de natureza árida, fica fácil inferir que o melhor substrato para o cultivo desta suculenta é aquele mais arenoso. Existem misturas próprias para o cultivo de cactos e suculentas, à venda em lojas especializadas. Alternativamente, basta misturar terra vegetal e areia grossa, em partes iguais, para formular um substrato caseiro adequado. Não é necessário adicionar muito material orgânico, como esterco curtido ou húmus de minhoca, já que esta Tradescantia está habituada a solos pobres em nutrientes.

De qualquer forma, para garantir boas florações, é interessante fazer uma adubação mais rica em fósforo, a letra P do NPK, muito embora as flores da Tradescantia sillamontana sejam consideradas de importância ornamental secundária. Eu as adoro, acho um charme.

Apesar de apreciar bastante luminosidade, é sempre bom evitar o sol direto, nas horas mais quentes do dia. Caso a Tradescantia sillamontana seja cultivada no interior de casas e apartamentos, é importante que ela fique posicionada próxima a uma janela bem iluminada. Quando há luz insuficiente, em ambientes muito sombreados, a planta dificilmente florescerá. Além disso, ela tende a ficar estiolada, situação em que seu caule cresce aceleradamente, ficando mais fino e comprido. Este comportamento é uma adaptação à falta de luminosidade. Quanto mais luz a planta receber, mais denso e compacto será seu porte.


A floração da Tradescantia sillamontana ocorre durante o verão. Neste aspecto, as flores são bem similares às encontradas nas outras espécies do gênero. São solitárias, em um belo tom magenta, portando três pétalas. O interessante é que até mesmo os botões florais são recobertos por tricomas, ficando com a característica aparência peluda de toda a planta.

Ao contrário da maioria das espécies do gênero, que possui um hábito prostrado, ficando com os caules pendentes, a Tradescantia sillamontana apresenta um porte mais ereto. Com o tempo, a planta vai ficando cada vez mais alta e comprida, principalmente quando cultivada em interiores. Neste momento, para evitar que os caules tombem, é interessante fazer uma poda. As ponteiras podem ser plantadas separadamente, gerando novas mudas. Não há necessidade de colocá-las em água para enraizarem. Alternativamente, pode-se plantá-las no mesmo vaso, causando o adensamento da touceira. A parte cortada brota novamente, continuando a crescer sem problemas. A Tradescantia sillamontana propaga-se facilmente através de estacas ou divisão de touceira. É normal que as folhas mais antigas, localizadas na parte inferior da planta, amarelem e sequem. É aconselhável retirá-las, de tempos em tempos, para evitar que se transformem em locais de abrigo para pragas como cochonilhas e pulgões.

Aqui no apartamento, costumo fazer a remoção de pragas manualmente, para evitar o uso de defensivos químicos. No entanto, até o momento, não encontrei grandes infestações nesta espécie de Tradescantia. Trata-se de uma planta bastante rústica e resistente.

Para quem aprecia espécies suculentas e felpudas, de fácil cultivo, e dispõe de um local bem iluminado, esta é uma interessante indicação. A Tradescantia sillamontana adiciona um ponto exótico de interesse à coleção, quebrando a monotonia das folhagens sempre verdes com sua aparência peluda e esbranquiçada. As minúsculas flores solitárias, em magenta, dão o toque final à composição.