Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Suculenta Haworthia limifolia


Suculenta Haworthia limifolia
Haworthia limifolia

O diversificado universo das plantas suculentas engloba um grande número de famílias botânicas, gêneros, espécies e híbridos. De tal sorte que, frequentemente, deparamo-nos com formas exóticas que, invariavelmente, remetem-nos a algum personagem ou objeto. É o caso da suculenta orelha de Shrek ou do cacto castelo de fada. Um pouco menos glamourosa, a suculenta Haworthia limifolia, tema do artigo de hoje, apresenta folhas extremamente rígidas, com um relevo ondulado que lembra a superfície de uma tábua de lavar roupas. Ainda assim, trata-se de uma planta extremamente escultural e delicada.

Originária do continente africano, a Haworthia limifolia é encontrada em países como Moçambique e África do Sul. Como tudo o que se refere à nomenclatura botânica é confuso, atualmente há quem classifique este gênero como Haworthiopsis. Trata-se de uma planta suculenta adaptada à vida em ambientes áridos, com temperaturas elevadas e pouca disponibilidade de água. Como ocorre com todos os cactos e suculentas, suas folhas apresentam características morfológicas diferenciadas, que lhe conferem a capacidade de armazenamento de água, ficando com a aparência túrgida. Dentre as suculentas que tenho na coleção, as representantes do gênero Haworthia são as que possuem as folhas mais rígidas.

No exterior, a Hawothia limifolia é conhecida como fairy washboard, em alusão ao aspecto exótico de suas folhas, que lembram as ondulações de uma tábua de lavar roupas. Devido ao tamanho diminuto e ao porte delicado da planta, acabou apelidada de tábua de lavar roupas das fadas. Em latim, o nome científico desta espécie faz alusão à aparência da lima (limifolia, folha em forma de lima), aquela ferramenta de metal utilizada para aparar arestas e uniformizar superfícies.


Estas curiosas folhas triangulares e pontiagudas, bem rígidas, crescem de maneira espiralada, formando uma bela roseta, bastante ornamental. A aparência é a de um catavento. A coloração típica é de um verde mais fechado, embora existam raras formas variegatas, que mesclam o verde com o amarelo. Exemplares de Haworthia limifolia com este padrão de cores podem atingir grandes cifras no mercado. Geralmente, somente são encontrados nas mãos de colecionadores.

Algumas vezes, observo pessoas referindo-se à Haworthia limifolia como suculenta rabo de tatu. No entanto, este apelido é mais frequentemente utilizado para denominar outra planta, de outro gênero, a Aloe aristata. Nomes populares apresentam este inconveniente, nem sempre são precisos, podendo ser usados para designar diferentes espécies, dependendo da cultura local.

O gênero Haworthia é bastante próximo aos gêneros botânicos Aloe e Gasteria. Tanto que existe a possibilidade de se fazer cruzamentos entre estes três gêneros, resultando em descendentes viáveis. São os chamados híbridos intergenéricos. Aqui no blog, já falamos sobre a Aloe juvenna. No entanto, a parente mais famosa da Haworthia limifolia é a Aloe vera, a popular babosa, bastante presente no cultivo doméstico em várias partes do mundo. Aqui no Brasil, ela é bastante cultivada devido às suas propriedades terapêuticas.


De modo geral, quando falamos em cultivo de plantas suculentas, logo imaginamos que elas necessitam de locais bem ensolarados. No entanto, há exceções. As Haworthias, por exemplo, são plantas suculentas ideais para o cultivo em interiores. Juntamente com as espécies do gênero Gasteria, são exemplos de suculentas que podem ser cultivadas em ambientes mais sombreados.

Neste sentido, a Haworthia limifolia é bastante resistente e de fácil cultivo. Por não exigir luminosidade muito intensa e não precisar ser regada com frequência, é uma suculenta considerada de baixa manutenção. Na natureza, ela vive sob a sombra de outras plantas, parcialmente enterradas ou protegidas nas fendas entre as rochas. Portanto, não gosta de sol direto, principalmente nas horas mais quentes do dia. Um local próximo a uma janela capaz de fornecer uma luminosidade indireta é mais do que suficiente para o cultivo desta suculenta.

O vaso ideal para o cultivo da Haworthia limifolia é o de barro. Por ser mais poroso, ele permite que o substrato seque mais rapidamente. No entanto, o mais comum é que a suculenta venha plantada em vasinhos de plástico, da forma como chegam do produtor. Eu costumo mantê-la neste vaso, que retém mais a umidade, para evitar o stress de um replante. Neste caso, o importante é ajustar a frequência das regas, que devem ser mais espaçadas. A Haworthia limifolia não tolera solos encharcados por muito tempo, podendo morrer muito rapidamente, devido à contaminação por fungos e bactérias.


Por este motivo, é de suma importância que, independentemente do material utilizado para a confecção do vaso, evitemos o uso do pratinho embaixo, para que não haja o acúmulo da água das regas. Além disso, o vaso precisa ter uma boa camada de drenagem, composta por pedrisco, brita ou argila expandida. É essencial que o vaso possua furos no fundo. Muitos cedem à tentação e plantam a Haworthia limifolia em recipientes fofos, como xícaras, bules ou cachepots sem furos. Embora o conjunto fique uma graça, o cultivo é prejudicado, já que o risco de regar em excesso é grande. Não há como estimar a quantidade de água acumulada no fundo, nestas condições.

Quando cultivada dentro de casas e apartamentos, em ambientes mais sombreados, dificilmente a Haworthia limifolia produzirá flores. Muitos cultivadores de suculentas preferem evitar que suas plantas floresçam, já que o apelo ornamental maior está nas folhas. Neste contexto, a adubação não precisa ser muito elaborada. Até porque, em seu habitat de origem, a planta está adaptada a solos arenosos e pobres em nutrientes provenientes de matéria orgânica.

O solo ideal para o cultivo da Haworthia limifolia é aquele mais arenoso, composto por uma mistura de terra vegetal e areia grossa, em partes iguais. Para quem deseja praticidade, já há substratos próprios para o cultivo de cactos e suculentas, à venda em casas especializadas.


Outra vantagem da Haworthia limifolia, para os cultivadores em apartamentos e interiores, é que a planta não atinge grandes proporções. A roseta se mantém compacta, atingindo no máximo dez centímetros de diâmetro. O ritmo de crescimento desta suculenta é bastante lento. Novas folhas são produzidas a partir do centro da roseta, que vai aumentando em altura, através do empilhamento das estruturas mais antigas.

O único porém é que, ao contrário do que acontece com muitas suculentas, as folhas destacadas da Haworthia limifolia não produzirão novos brotos, se colocadas em um berçário. No caso desta espécie, a propagação se dá principalmente através da emissão de novos brotos, a partir da base da planta mãe. Com o tempo, a planta vai formando clusters, touceiras que podem ser posteriormente divididas, gerando novas suculentas.

Em resumo, a Haworthia limifolia é uma bela adição à coleção de todo apreciador de plantas suculentas, sendo de fácil cultivo e pouco exigente quanto à luminosidade. Na minha opinião, uma suculenta companheira para a vida toda.

Outra belíssima espécie escultural, de porte mais compacto e suculento, já apresentada aqui no blog, é a Haworthia retusa. Ainda neste gênero de suculentas, vale a pena mencionar a Haworthia coarctata, que apresenta um aspecto mais vertical, igualmente ornamental.