Orquídea Sapatinho - Floração 2014


Orquídea Phragmipedium Sedenii
Phragmipedium Sedenii

Diferentes orquídeas 'sapatinho'


É importante lembrarmos que, quando usamos o termo popular 'orquídea sapatinho', estamos nos referindo a uma grande variedade de espécies, que podem pertencer aos gêneros Paphiopedilum ou Phragmipedium, entre outros menos conhecidos. Cada qual com sua beleza particular, todas de um espetacular exotismo, estas orquídeas têm em comum este labelo modificado, em forma de saco, que confere à flor a aparência de um tamanco holandês.

Esta estrutura faz com que a orquídea sapatinho seja confundida pelos leigos com uma planta carnívora. No entanto, este é um mito. Não há nenhum líquido viscoso no interior do labelo desta orquídea, ele tem apenas a finalidade de atrair os insetos polinizadores, sem necessariamente prendê-los ou digeri-los em seu interior.

As orquídeas 'sapatinho' do gênero Paphiopdilum são originárias do sudeste asiático. Já as espécies representantes do gênero Phragmipedium são exclusivas do continente americano.


Orquídeas sapatinho são terrestres


Ao contrário da maioria das orquídeas, de hábito epífito, que cresce sobre as árvores, estas lady's slippers orchids, como são conhecidas no exterior, são terrestres, vivendo no chão das florestas. As raízes das orquídeas 'sapatinho' são modificadas e assentam-se sob a camada de folhas secas e detritos acumulados no solo. Por esta razão, também são consideradas plantas humícolas, que vivem sobre o húmus.


Orquídea Paphiopedilum Leeanum
Paphiopedilum Leeanum

Espécies mais populares


Aqui no Brasil, é muito comum encontrarmos uma orquídea sapatinho, Paphiopedilum Leeanum, cultivada na terra, como uma planta de jardim. É a típica planta que nossas mães e avós costumam ter em suas casas. Não por acaso, costuma florescer pontualmente nos meses de outono e inverno, coincidindo com a data em que comemoramos o dia das mães. Apesar de ser uma orquídea de origem asiática, este híbrido adaptou-se muito bem ao clima brasileiro e tornou-se bastante popular. Tem uma aparência exótica, cores elegantes e lembra, de fato, um tamanco holandês. É a orquídea sapatinho mais famosa do país.


Orquídea Phragmipedium Sedenii
Phragmipedium Sedenii

Esta outra simpática orquídea sapatinho, cor de rosa, por outro lado, pertence ao gênero Phragmipedium, encontrado no continente americano, e é uma das que mais fazem sucesso aqui no blog, até hoje. Lembra um sapatinho de princesa. Ao contrário do seu primo marrom, este sapatinho pink é mais raro de ser encontrado por aqui. Eu mesmo procurei bastante e levei um certo tempo para conseguir adquiri-lo.

Há alguns meses, escrevi sobre a chegada dos botões florais gêmeos e, somente agora, consegui mostrar as flores completamente abertas.

Trata-se de uma orquídea sapatinho que floresce pontualmente no início do inverno, todos os anos. Como produz flores de maneira sequencial, uma atrás da outra, continua florida até o final da primavera. Embora já a tenha fotografado bastante, não me canso de capturar a beleza de cada um destes momentos mágicos.


Dicas de Cultivo


É preciso prestar atenção para o gênero da orquídea sapatinho que desejamos cultivar. Embora tenham a aparência semelhante, são originárias de continentes distintos e possuem requerimentos de cultivo um pouco diferentes.

As orquídeas 'sapatinho' do gênero Paphiopedilum podem ser cultivadas diretamente na terra ou em substrato próprio para orquídeas, constituído por uma mistura de casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco. Há quem misture terra e substrato, para obter um componente bastante adubado e aerado, ao mesmo tempo.

Por outro lado, as espécies pertencentes ao gênero Phragmipedium necessitam de um substrato que retenha mais água. Por vegetarem às margens de rios, estas orquídeas 'sapatinho' estão acostumadas a altos níveis de umidade em suas raízes. Embora possam ser cultivadas em terra ou substrato, é interessante adicionar musgo sphagnum ao vaso, para aumentar a retenção de água e melhorar desenvolvimento das raízes.

Os níveis de luminosidade também são diferentes para o cultivo destes dois gêneros diferentes de 'sapatinhos'. O Paphiopedilum requer menos luz, podendo florescer mesmo se cultivado dentro de casas e apartamentos, desde que próximo a uma janela com boa luminosidade. Já o Phragmipedium pede mais luz, principalmente para florescer bem. Ainda assim, o sol direto deve ser evitado, principalmente nas horas mais quentes do dia.