Guia completo para cultivar plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Mini samambaia havaiana


Mini samambaia havaiana
Mini samambaia havaiana

Quando pensamos em samambaias, duas coisas costumam nos vir à mente. A primeira é que se trata de uma planta vintage, daquelas que nossas mães e avós costumavam cultivar quando éramos crianças. A segunda é que são plantas grandes, frondosas e pendentes. Por este motivo, a ideia de que existe uma versão em miniatura daquelas volumosas samambaias do passado, uma mini samambaia compacta e que esteja na moda atualmente, pode causar um certo estranhamento. Neste artigo, vamos apresentar a mini samambaia havaiana, dando informações sobre sua origem e dicas de cultivo.

Se eu tivesse que escolher apenas uma única planta de estimação, a eleita seria esta simpática mini samambaia. Além de ser uma planta de pequeno porte, compacta e de fácil cultivo, requer um ambiente muito similar ao que temos em nossas casas e apartamentos. Prefere climas amenos, sem muito calor, sol direto ou ventos fortes. Como toda samambaia, precisa ser protegida daquelas rajadas que fazem o vaso rodopiar, quando suspenso. A mini samambaia não tolera vento. Se a ponta da folha em desenvolvimento sofrer atrito com a parede, para de crescer. Além disso, como toda planta tropical, aprecia ambientes com altos níveis de umidade relativa do ar.

Origem da samambaia havaiana


As samambaias, também chamadas de fetos (ferns, em inglês) são plantas pteridófitas que habitam o planeta há milhões de anos. Há registros fósseis que comprovam sua presença já no período Carbonífero, que precedeu a era dos grandes dinossauros. Por serem ancestrais das plantas que conhecemos hoje, elas não produzem flores nem sementes. Sua reprodução ocorre através de esporos, que se formam no verso de suas folhas e são espalhados com a ajuda do vento.

Estrelas na decoração e paisagismo dos anos 1960, as samambaias estão retornando com força total. Até pouco tempo atrás, eram consideradas plantas antigas, daquelas que nossas avós costumavam cultivar. No entanto, com a recente moda das urban jungles, florestas urbanas, tão apreciadas pelos millennials, as samambaias transformaram-se em um valioso coringa para converter nossos lares em pequenas selvas, neste início de século XXI. Por serem plantas baratas, volumosas e de fácil cultivo, além de nos remeterem ao clima tropical digno de uma Mata Atlântica, estes vegetais antiquíssimos estão mais em alta do que nunca.

Existem inúmeras variedades de samambaia disponíveis no mercado. As mais comumente encontradas são a americana, paulistinha, de metro e a renda francesa, apenas para citar algumas. A renda portuguesa, Davallia fejeensis, também é bastante famosa e faz parte da família das samambaias. Estas plantas, quando bem cultivadas, ficam enormes e frondosas. Muitas são mantidas em suportes suspensos, lançando suas folhas em todas as direções, que podem chegar até o chão.

Neste contexto, vem chamando a atenção do público a mini samambaia havaiana. Ao contrário de suas parentes mais exuberantes e selvagens, ela não atinge grandes proporções, permanecendo compacta e felpuda por toda a vida. Esta miniatura de samambaia fica bem em qualquer lugar dentro de casa, desde que tenha luminosidade e umidade suficientes para seu desenvolvimento. Um local próximo a uma janela com luz indireta, como um parapeito, já é apropriado para o cultivo da samambaia havaiana. É a planta ideal para os lares modernos, com pouco espaço. Além de requerer uma baixa manutenção, esta samambaia é bastante decorativa, apresentando folhas delicadamente trabalhadas.



O curioso é que a mini samambaia havaiana originou-se a partir de uma das diversas variantes existentes da samambaia americana, também conhecida como samambaia de Boston (Boston fern),  cujo nome científico é Nephrolepis exaltata. Vários cruzamentos, melhoramentos genéticos e mutações originaram esta pequena joia felpuda, bastante diferente da espécie original e que vem se tornando extremamente popular aqui no Brasil.

Para diferenciar esta forma compacta e anã da longa samambaia americana, convencionou-se chamar a mini samambaia havaiana de Nephrolepis exaltata 'Marissa'. Trata-se de uma planta pertencente à família botânica Davalliaceae. É importante não confundir esta miniatura de samambaia com o musgo tapete, do gênero Selaginella. A aparência semelhante não é mera coincidência, uma vez que samambaias e selaginelas são aparentadas.

A mini samambaia cresce?


Ela vai crescer? É a pergunta que mais recebo em relação à mini samambaia. As folhas desta planta permanecem compactas durante todo o ciclo de vida, não crescendo em comprimento. O tamanho não costuma ultrapassar aquele observado nas fotos que ilustram este artigo. A planta é geneticamente miniaturizada, de modo que apenas desenvolve novas folhas, à medida que perde as mais antigas.

Assim como acontece com todas as samambaias, o crescimento ocorre na horizontal, com o adensamento da touceira e desenvolvimento do rizoma. De tempos em tempos, pode ser interessante desenvasá-la e fazer a divisão da planta, de modo a fornecer mais espaço às raízes. Nesta ocasião, as folhas mais antigas e secas podem ser removidas e novas mudas podem ser produzidas através da separação da touceira. Logo após o replante, é importante manter a mini samambaia em um local bem sombreado, protegido do sol, com bastante umidade ambiente. Estas condições vão ajudar na recuperação da planta.

Sempre fui apaixonado por esta miniatura de samambaia. Embora seja popularmente conhecida como samambaia havaiana, ela é originária de várias localidades de clima tropical ao redor do mundo, em diferentes continentes. Em comum, estes habitats costumam fornecer elevados níveis de umidade ambiente às plantas que neles se desenvolvem.

A mini samambaia permanecerá compacta, com sua aparência escultural e felpuda, sendo extremamente dócil e companheira, visto que pode ir para qualquer lugar. A minha vive bela e feliz perto da janela do quarto, que também é um home office e arremedo de estufa de cultivo. Tudo o que faço é regá-la quando sinto o vaso leve.

Mini samambaia havaiana
Mini samambaia havaiana

Como cuidar da mini samambaia


A mini samambaia havaiana aprecia um solo rico em matéria orgânica. Há muito tempo, era costume se cultivar samambaias em xaxim. Hoje em dia, esta prática não é mais aceitável, já que a planta que produz o xaxim encontra-se sob risco de extinção. Por lei, a extração e comercialização de xaxim encontra-se proibida. Atualmente, estão disponíveis no mercado diferentes substratos e misturas de materiais alternativos, incluindo a fibra de coco, nos quais podemos cultivar a mini samambaia havaiana. Geralmente, ela ficará muito bem no vaso em que vem do produtor. Uma mistura de terra vegetal e substrato para plantas epífitas, com casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco pode produzir um bom substrato para o cultivo da samambaia havaiana.

Como o vaso de barro seca muito rapidamente, ele não costuma ser apropriado para o cultivo das samambaias em geral. O vaso de plástico apresenta a vantagem de ser leve, poder ser pendurado em qualquer lugar, além de reter a umidade do substrato por mais tempo. Eu gosto deste material porque costumo aferir o peso do vaso como uma indicação do nível de umidade em seu interior. Um vaso leve é um indicativo de que o substrato já secou e pode ser regado novamente. Este procedimento evita que reguemos a mini samambaia em excesso.



A adubação pode ser química ou orgânica, dependendo da preferência do cultivador. Particularmente, gosto da adubação química, do tipo NPK, por ser inodora e bastante prática. Adubos orgânicos necessitam ser decompostos para a liberação dos nutrientes às raízes da planta. Durante este processo, é comum que o material exale odores desagradáveis, além de atrair insetos. Quando a mini samambaia é cultivada dentro de casa, estes adubos podem causar problemas.

Como é bastante antiga, a samambaia havaiana não produz flores nem sementes. Sendo assim, não necessita de uma adubação muito sofisticada nem intensa. Qualquer fórmula para jardinagem amadora, aplicada a cada quinze dias, dará conta do recado. Existem no mercado formulações próprias para a manutenção de folhagens. É sempre bom salientar que o excesso de adubação, seja de qual tipo for, pode fazer mal à mini samambaia. Um sinal de que há sais acumulados no solo é que as pontas das folhas ficam queimadas. Por este motivo, é importante sempre regar a planta em abundância, até que a água escorra bem a partir do fundo do vaso, de modo a eliminar materiais em decomposição e excesso de sais minerais da adubação.

O aspecto mais importante no cultivo da mini samambaia havaiana é a manutenção do correto nível de umidade relativa do ar. Isto não quer dizer que o vaso deva ser encharcado, nem regado com muita frequência. Deve-se evitar apenas que ele fique completamente seco, por muito tempo. A samambaia havaiana, como todas as suas parentes, aprecia uma fina borrifada de água em suas folhas, de tempos em tempos.

A ocorrência de pragas, como cochonilhas e pulgões, não é muito comum na mini samambaia. De qualquer forma, é sempre bom inspecioná-la periodicamente. Estes parasitas costumam chegar às plantas através do vento, além de serem trazidas por outros insetos vetores, como formigas.



Samambaia havaiana secando


Caso sua mini samambaia esteja secando ou morrendo, algumas condições de temperatura e pressão devem ser verificadas. É importante que ela não esteja tomando sol direto, pois esta radiação excessiva provoca queimaduras nas folhas. Algumas poucas horas de sol no comecinho da manhã podem ser toleradas e são até benéficas à maioria das plantas. Da mesma forma, o sol ameno do final da tarde é inofensivo à planta.

A samambaia havaiana, assim como suas parentes, não tolera vento, que rouba umidade do ambiente em torno da planta, desidratando-a. Além disso, o roçar das pontas das folhas contra a parede faz com que elas queimem e parem de crescer. Também é necessário verificar se o ambiente em que a samambaia está não é muito seco. Um termo higrômetro pode ajudar bastante, neste quesito. Caso os níveis de umidade relativa do ar estejam muito baixos, o que é comum no interior de casas, apartamentos e escritórios, convém utilizar uma fonte de água nas proximidades, com o intuito de aliviar os sintomas da seca sobre a mini samambaia. Uma bandeja umidificadora, frequentemente utilizada no cultivo de orquídeas em interiores, é outro item que ajuda bastante a manter a planta hidratada.

O ideal é evitar cultivar a samambaia havaiana em ambientes com ar condicionado, por esta questão do ar muito seco. Uma solução para casos como este é a utilização de umidificadores de ar, que corrigem a umidade relativa do ar, trazendo-a para níveis mais adequados, não somente para o cultivo de plantas, mas também para a saúde humana. Durante invernos muito secos, nas grandes cidades, há quem recomende o uso de bacias com água e toalhas molhadas, no interior do quarto, para ajudar a elevar a umidade no ambiente.

Caso esteja tudo certo externamente, e a samambaia havaiana continue secando, convém retirar a planta do vaso e verificar o estado de suas raízes. Pode ser necessário remover o substrato antigo, dar uma boa lavada nas raízes e plantar a mini samambaia em um novo vaso, com terra preparada adequadamente e com dreno no fundo. O ideal é usar uma mistura de substrato para plantas epífitas, geralmente composto por casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco, com terra vegetal adubada.  Uma camada generosa de pedrisco, brita ou argila expandida no fundo do vaso ajuda na drenagem. Por cima deste material, convém colocar um pedaço de manta geotêxtil, para evitar que a terra e as raízes escapem e misturem-se ao pedrisco.



Em resumo, para evitar que a mini samambaia seque ou morra, o principal cuidado a ser tomado é não regar em excesso. Por outro lado, é importante evitar que o solo permaneça seco por muito tempo. Mais do que as regas, a umidade relativa do ar no ambiente de cultivo é o fator crucial para um bom desenvolvimento deste tipo de planta.

Considerações finais


Por estar sempre presente no ambiente doméstico, existe o risco de que a mini samambaia havaiana seja ingerida acidentalmente, seja por animais ou crianças pequenas. Algumas plantas pteridófitas possuem substâncias tóxicas aos mamíferos, mas este não é o caso da samambaia havaiana. Ainda assim, claro que é sempre conveniente tentarmos evitar que estes incidentes de ingestão ocorram. Mas não há relatos de que a mini samambaia seja venenosa.

Tomadas estas devidas precauções, a mini samambaia havaiana viverá por anos a fio, emitindo novas folhas compactas e felpudas, tornando-se uma verdadeira escultura em forma de planta. É natural que as folhas mais antigas, próximas à base, venham a amarelar e secar. Podem ser podadas, para que novos brotos em forma de feto surjam e cresçam.

Infelizmente, por ainda não ser muito difundida no cultivo, percebo uma certa dificuldade de encontrar a samambaia havaiana nas floras e garden centers que costumo visitar. No entanto, a procura é recompensadora. Vale a pena ter esta miniatura de samambaia em casa, a estrela dos pequenos lares modernos!