Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Renda Portuguesa - Davallia fejeensis


Davallia fejeensis
Davallia fejeensis

Ainda que tenha a aparência mais delicada e o nome mais sofisticado, a renda portuguesa também é uma samambaia. Esta é mais uma daquelas clássicas plantas de avó, que dominaram a decoração durante a década de 1960, e passaram alguns anos ofuscadas por plantas consideradas mais modernas. De volta à cena, com força total, as samambaias estão entre as queridinhas dos adeptos das urban jungles, as florestas urbanas que os millennials estão construindo dentro de suas casas e apartamentos. Afinal, não há nada mais tropical do que uma frondosa samambaia.



A renda portuguesa pertence à família botânica Davalliaceae, a mesma da samambaia americana, Nephrolepis exaltata, e da mini samambaia havaiana, uma variedade mutante da mesma espécie, ambas já apresentadas aqui no blog. Estas plantas são exemplos de pteridófitas, plantas tão antigas que não produzem flores, frutos, nem sementes. Tanto a renda portuguesa, como as samambaias, de modo geral, multiplicam-se através de esporos, que são formados no verso das folhas e espalhados com o vento. 

Em países de língua inglesa, a renda portuguesa é conhecida como rabbit's foot fern, ou samambaia pé de coelho, devido ao aspecto felpudo de seu rizoma. Esta é uma estrutura que tem um desenvolvimento aéreo, ficando bastante visível ao redor do vaso. Juntamente com as folhas delicadamente rendadas, esta é outra característica típica da renda portuguesa.

A espécie Davallia fejeensis, juntamente com as samambaias, de modo geral, é conhecida genericamente como fern, no exterior. Trata-se de uma palavra que significa feto, em inglês. Isto se deve ao formato de suas folhas, quando estão em sua fase inicial de desenvolvimento, cuja aparência enrolada lembra a de um embrião.

Assim como as orquídeas, a renda portuguesa é uma planta de hábito epífito. Isto significa que ela vive com as raízes aderidas aos troncos das árvores, não lhes causando dano algum. A Davallia fejeensis é uma espécie originária das ilhas Fiji, apreciando o clima quente e úmido das florestas tropicais. A renda portuguesa é uma excelente planta para ser cultivada dentro de casas e apartamentos, já que está habituada à vida em ambientes sombreados, protegidos da luz direta do sol pelas copas das árvores, em seu habitat de origem.


Ainda que a renda portuguesa seja uma planta resistente e de fácil cultivo, ela tem seus dias de diva. Embora aprecie bastante luminosidade, ela não se dá bem com o sol direto, principalmente durante as horas mais quentes do dia. Em ambientes internos, a Davallia fejeensis ficará bem em um local próximo a uma janela bem iluminada. Quanto mais luz difusa puder ser fornecida à renda portuguesa, melhor será seu desenvolvimento.

Como toda samambaia que se preza, a renda portuguesa não tolera o vento. Caso as pontas de suas folhas fiquem em constante atrito com outras superfícies, como paredes ou outros vasos, elas terão seu crescimento interrompido. Sendo assim, embora aprecie ambientes com uma boa circulação de ar, é importante que a renda portuguesa seja protegida da incidência de correntes de vento.

Além do dano físico às folhas desta samambaia, o vento também causa uma diminuição nos níveis de umidade relativa do ar, em seu ambiente de cultivo. Este é outro fator que prejudica a saúde da renda portuguesa. Como o interior de casas e apartamentos costuma ser mais seco, é importante que algumas medidas sejam tomadas para corrigir esta situação, como o uso de fontes de água, aquários ou umidificadores de ar. Estes aparatos também melhoram a qualidade de vida de seres humanos e animais domésticos, além de beneficiarem as plantas.


Por ser uma planta tropical, outro fator prejudicial à renda portuguesa é o frio intenso. Durante o inverno, suas folhas costumam sofrer um amarelamento, secando e caindo, em seguida. No entanto, esta é uma etapa do seu ciclo normal de desenvolvimento. Basta podar as folhas secas e manter o vaso em um ambiente mais sombreado, com regas reduzidas. Na primavera, com a elevação das temperaturas, novas folhas surgirão a partir dos rizomas remanescentes, reconstituindo completamente a planta.

Este também é um ótimo momento para fazer a divisão e multiplicação da renda portuguesa. Basta seccionar os rizomas em diversas partes, que se transformarão em novas mudas. Os rizomas devem ficar na superfície do vaso, é importante não enterrá-los no solo. O ideal é que este procedimento seja feito antes da primavera, para que as novas brotações já ocorram em seus respectivos vasos.

A renda portuguesa é outra planta que costumava ser cultivada em vasos de xaxim. No entanto, como este material é extraído de uma espécie que se encontra sob risco de extinção, sua extração e comercialização estão proibidas. Neste sentido, existem vários substratos capazes de substituir este material cada vez mais escasso. O ideal é que o vaso para o cultivo da renda portuguesa seja de plástico, já que ele ajuda a reter a umidade do solo por mais tempo. Vasos de terracota, por serem mais porosos, tendem a secar muito rapidamente.


Um solo rico em matéria orgânica, aerado e facilmente drenável é o ideal para o cultivo da renda portuguesa. Pode-se misturar o clássico substrato para plantas epífitas, composto por casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco, comumente utilizado no cultivo de orquídeas, com uma terra vegetal bem adubada. Ambos os substratos podem ser comprados prontos, em casas que comercializam produtos para jardinagem.

As regas da renda portuguesa devem ser frequentes, sem excessos. É importante que o solo não fique muito seco, entre uma irrigação e outra. Esta é uma planta que se beneficia de leves pulverizações de água em suas folhas, principalmente quando o tempo está muito quente e seco.

Uma vez que as folhas da renda portuguesa são delicadas, elas se ressentem em relação ao contato com diversos compostos químicos, tais como defensivos, adubos e limpadores de folha. O ideal é que a planta tome um bom banho, de tempos em tempos, para que o excesso de sais minerais da adubação e os resíduos de poluição sejam retirados das folhas.

Estando o solo bem preparado, com matéria orgânica, e visto que a renda portuguesa não floresce, ela não necessita de uma adubação muito elaborada. Qualquer fórmula equilibrada para a manutenção de folhagens, do tipo NPK, é mais que suficiente para manter a planta saudável. Durante o inverno, quando a Davallia fejeensis está em seu período de dormência, não há necessidade de adubá-la.

Ainda que seja um pouco exigente, a renda portuguesa recompensa o trabalho extra com uma folhagem exuberante, de aparência incrivelmente delicada. Quando bem cultivada, torna-se o centro das atenções, sendo esta uma valiosa adição às nossas selvas de interiores.