Dicas para cuidar das orquídeas no verão


Orquídea Potinara Burana Beauty 'Burana'
Potinara Burana Beauty 'Burana'

Infelizmente, tenho recebido vários relatos de pessoas consternadas com as perdas das orquídeas de suas coleções. De fato, com o calor saárico que tem assolado este verão, muitas plantas acabam não resistindo. A seguir, dou algumas orientações de como evitar ou ao menos amenizar este drama. Não sou dono da verdade, até porque costumo perder orquídeas nesta e em outras épocas do ano. Mas acredito que estas dicas de cultivo possam ser úteis para quem está começando a cuidar de orquídeas.

Embora não fiquem cobertas de suor, como nós, as orquídeas também perdem bastante água através de suas folhas. Esta hidratação precisa ser mantida, e está a cargo das raízes fazê-lo. Portanto, durante os meses mais quentes do verão, é imprescindível redobrar os cuidados com as regas e a umidade relativa do ar no ambiente de cultivo. Também é importante que o sistema radicular das orquídeas esteja saudável e bem desenvolvido.


Ainda é bastante presente o mito de que as orquídeas não podem ser regadas com muita frequência. Estas regras fixas de cultivo acabam prejudicando nossas plantas, em alguns casos. Quando o calor está excessivo, pode ser necessário regar até duas vezes por dia. Não há problema quanto a isso, desde que exista ventilação adequada para que o substrato seque até o fim do dia. O meio no qual as orquídeas estão afixadas determina a periodicidade de regas. Vandas, que possuem raízes aéreas, precisam ser regadas várias vezes ao dia. Orquídeas cultivadas em troncos, pedaços de madeira, leques ou cachepots precisam de mais regas do que aquelas cultivadas em vasos. Há substratos que secam rapidamente, como casca de pinus, e outros que retêm mais umidade, como o musgo sphagnum. Todas estas variáveis precisam ser levadas em consideração e a regra de ouro é regar apenas quando a orquídeas estiver seca.

Vários artifícios podem ser utilizados para não encharcar as orquídeas com uma rega muito abundante. Gotejadores automáticos, nebulizadores, borrifadores manuais, todos estes equipamentos facilitam a vida do cultivador de orquídeas durante o verão. Os irrigadores automáticos podem ser controlados por timer, ajustando-se a periodicidade da rega. Particularmente, eu não instalo estes sistemas pelo simples prazer de borrifar água nas orquídeas, no começo e no final do dia. É uma terapia.


De qualquer forma, é importante evitar molhar as folhas das orquídeas durante as horas mais quentes do dia, com o sol incidindo diretamente sobre as plantas. O melhor é reservar o início da manhã ou final da tarde para realizar as regas.

Outro meio de manter as orquídeas hidratadas, sem pesar a mão nas regas, é molhar o chão do ambiente de cultivo. Se ele for de terra ou pedrisco, melhor ainda. Em apartamentos, as bandejas umidificadoras ajudam bastante. Basta colocar um recipiente raso, com areia ou pedrisco e uma lâmina de água ao fundo, por baixo dos vasos. É importante tomar cuidado para não deixar a superfície da água exposta. Também é preciso evitar que a água entre em contato direto com o fundo dos vasos, o que acaba prejudicando as raízes das orquídeas. A água subirá por evaporação e alguma capilaridade, aumentando a umidade do entorno.

Nem todos podem se dar ao luxo de ter uma piscina, tanque de carpas ou fonte de água próximos às orquídeas. Eu, por exemplo, não posso. Mas são excelentes soluções para ajudar a manter a umidade relativa do ar no ambiente de cultivo. Além de ficarem bastante charmosas e decorativas, ajudam a manter as orquídeas frescas e hidratadas.


É importante lembrar que todas estas soluções não substituem aquela rega mais intensa, com mangueira, na banheira ou no box, debaixo da torneira, o que for. Somente com este fluxo constante de água, as impurezas e sais acumulados no substrato poderão ser removidos.

A pergunta mais frequente quanto ao cultivo de orquídeas é sobre a frequência das regas. Infelizmente, não há como estabelecer uma resposta padrão para esta questão. Tudo vai depender do clima de cada região, do tipo de vaso e do substrato. Mas a solução encontra-se na ponta do dedo (verde ou marrom). Todas as manhãs, dou uma vistoria básica nas orquídeas, colocando o dedo no substrato de alguns vasos, afundando levemente. Desta forma, percebo se elas precisam ou não de água. Apenas se o substrato estiver seco, rego as orquídeas. O peso do vaso também dá uma indicação da umidade que se encontra em seu interior. Quanto mais leve, mais seco o substrato estará. Com o tempo, vamos pegando prática nesta avaliação.

O mais importante aspecto do cultivo de orquídeas é não achar que devemos regar apenas uma vez por semana, com apenas um copinho de café. Ou colocar duas pedras de gelo, uma vez por semana. É necessário abolirmos as regras fixas e nos adaptarmos conforme as circunstâncias. Agora, no verão, é ainda mais importante ficarmos atentos a esta flexibilidade, que poderá salvar nossas orquídeas.