Orquídea Cymbidium - Haste floral ou novo broto?


Orquídea Cymbidium híbrida
Cymbidium híbrido

As orquídeas do gênero Cymbidium que encontramos no mercado brasileiro são, em sua grande maioria, híbridos resultantes do cruzamento entre 52 espécies asiáticas. Existem orquídeas Cymbidium dos mais diferentes tamanhos, com flores de diversos coloridos, que nascem em hastes eretas ou pendentes.

O Cymbidium é conhecido no exterior como the boat orchid, devido ao formato do labelo de suas flores. O nome é derivado do termo cymba, palavra latinizada do grego kumbe, que significa barco. Trata-se de uma orquídea típica de regiões de elevadas altitudes, apreciando climas frios. Cultivadas há séculos pelos chineses, as orquídeas Cymbidium tornaram-se populares na Europa durante a Era Vitoriana.


Haste floral de orquídea Cymbidium
Cymbidium híbrido
Cultivo esta orquídea híbrida do gênero Cymbidium, da foto acima, há vários anos, sem nunca ter visto uma floração sequer. Toda vez que eu observava um novo brotinho nascendo, próximo à base da planta mãe, meu coração enchia-se de esperança. Será que desta vez virá uma haste floral? Nunca vinha. A criatura soltava mais um broto, que desenvolvia folhas e mais folhas.

Uma vez que consegui reverter esta situação, fazendo com que a orquídea finalmente desse flor, decidi escrever este artigo para auxiliar quem passe pelo mesmo problema. A seguir, algumas dicas de como fazer com que sua orquídea Cymbidium floresça.

1. Como fazer o Cymbidium florescer


Esta é uma orquídea que as pessoas parecem ter dificuldade em fazer florescer, a julgar pelas perguntas e relatos que costumo receber. No meu caso, confesso, havia desistido completamente desta planta. Como a orquídea estava ocupando muito espaço, o pobre Cymbidium foi relegado a uma área menos nobre da varanda, exposta ao sol direto da tarde. Devido à orientação oeste do apartamento, a insolação é abundante e escaldante, neste horário.

Foi o que bastou para que dois novos brotos, desta vez mais rechonchudos, começassem a crescer. Diferentes dos anteriores, que eram delgados, estes pareciam conter algo dentro. Além disso, exibiam aquelas típicas gotículas que costumamos encontrar em hastes e botões florais.

Desta forma, acidentalmente, acabei descobrindo que esta orquídea necessita de bastante luminosidade, inclusive sol direto, para que possa florescer, na estação apropriada. Outro artigo sobre a importância da luz na floração pode ser lido no link abaixo:

2. Origem do Cymbidium e época de floração


Outra dica importante para diferenciar broto de haste floral é a época em que eles nascem. Nas orquídeas do gênero Cymbidium, geralmente, novos brotos surgem durante a primavera e verão, ao passo que as hastes começam a despontar no outono, para florescerem no inverno.

Também é bom lembrar que novos brotos podem surgir em outras épocas do ano. No entanto, hastes e flores somente desenvolvem-se durante o outono e o inverno, induzidos pela queda de temperatura típica destas estações. Isto ocorre porque a orquídea Cymbidium é nativa de países asiáticos como China, Indonésia e Japão. Sua ocorrência se dá principalmente em locais de clima temperado e altitudes elevadas. Ela foi descrita em 1799 por Olof Swartz e seus híbridos espalharam-se pelo mundo todo, popularizados por seu alto valor ornamental.

Devido à sua origem, é mais difícil cultivar Cymbidium em regiões de clima quente. Fazer esta orquídea florescer, então, pode tornar-se um desafio quase impossível. Além disso, esta é uma orquídea que dificilmente dará flores se cultivada dentro de casas ou apartamentos. É uma planta para jardins e áreas externas. Diferentemente da maioria das orquídeas epífitas, que vivem sobre as árvores, o Cymbidium é predominantemente terrestre. É fácil reconhecer o vaso apropriado para o plantio desta orquídea, que é mais estreito e alto, sempre de plástico preto.


Orquídea Cymbidium híbrida
Cymbidium híbrido

3. Dicas para forçar o Cymbidium a dar flores


Devo salientar que nunca tentei este método. No entanto, costumo ler a dica de regar a orquídea Cymbidium com água gelada, no começo do outono. Há quem aconselhe a colocar algumas pedras de gelo no vaso, preferencialmente à noite. Desta forma, tenta-se simular a queda de temperatura típica da transição do verão para o outono, ausente nas regiões de climas com temperaturas mais elevadas. Aqui em São Paulo, o Cymbidium costuma florescer sem a utilização deste recurso, embora com alguma dificuldade.




Outra dica importante, que eu costumo utilizar, é fornecer uma adubação adequada à orquídea. Existem formulações específicas para este tipo de planta. Também há no mercado adubos desenvolvidos para ajudar na floração de orquídeas. São fertilizantes com uma composição mais rica em fósforo. Eu aplico a cada quinze dias, alternando com o adubo de manutenção. Mais detalhes sobre adubação de orquídeas encontram-se no link abaixo:





Outras dicas, especificamente para aqueles que cultivam em apartamento, não necessariamente Cymbidium, podem ser lidas no artigo abaixo:



Esta orquídea Cymbidium é reminiscente de uma época em que eu comprava plantas sem ter noção de suas necessidades de cultivo ou de sua identificação. Foi um presente para a minha mãe e foi-me vendida como um mini Cymbidium. Apesar deste início torto, um golpe de sorte fez com que pudéssemos vir a contemplar suas flores.


Patrocinado: