Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Razões para não regar orquídeas com gelo


Regar orquídeas com gelo
Gelo nas orquídeas

Como regar orquídeas com gelo? Esta é uma questão que recebo com frequência aqui no blog. A prática surgiu há alguns anos, nos Estados Unidos, como uma forma de simplificar o cultivo de orquídeas para o público leigo. O conceito equivocado por trás deste procedimento é o de que orquídeas não gostam de água. Na verdade, a relação entre orquídeas e água é muito mais íntima do que a maioria supõe. Para os defensores deste método, regar orquídeas com gelo impede que o cultivador peque por excesso de irrigações, já que cada cubo de gelo tem uma quantidade limitada de água. Como veremos a seguir, esta nem sempre é uma boa ideia, embora haja uma exceção.

Para regar orquídeas com gelo, basta adicionar uma ou duas pedras de gelo, dependendo do tamanho do vaso, sobre o substrato, e esperar que elas derretam. É importante evitar o contato do gelo com qualquer tecido vegetal, raízes, rizoma, pseudobulbos ou folhas. 

A frequência varia conforme o clima local e a estação do ano. Embora os defensores do método preguem que basta adicionar uma ou duas pedras de gelo, uma vez por semana, nem sempre esta periodicidade é apropriada. Sempre é importante verificar o nível de umidade do substrato, com a ponta dos dedos, repetindo o processo de rega quando o material estiver completamente seco.


Esta moda de se colocar gelo nos vasos das orquídeas foi difundida por uma empresa americana, que comercializa estas plantas em grandes redes de hipermercados. Com o slogan just add ice orchids, ela enfatiza a praticidade de se regar orquídeas com gelo. A pessoa leiga, que deseja começar a cultivar orquídeas, imbuída do mito de que elas não gostam de água, leva prontamente uma para casa, já que basta adicionar um cubo de gelo, semanalmente. Não há como errar.

Seria ótimo, se fosse verdade. No entanto, toda esta praticidade tem um preço, que acaba sendo bastante elevado. O principal custo é em relação ao aprendizado, que fica prejudicado. Ao regar a orquídea com gelo, uma vez por semana, o iniciante não aprende a observar sua planta, não entende os sinais que ela envia, não evoluindo no cultivo.

O primeiro problema é que uma ou duas pedras de gelo nem sempre são suficientes para hidratar completamente o substrato, principalmente se ele for composto por casca de pinus e carvão vegetal, como a maioria das misturas comercializadas para o cultivo de orquídeas epífitas costuma conter. Ao derreter lentamente, a água liberada pelos cubos de gelo acaba percorrendo os interstícios entre o material do substrato, muitas vezes saindo pelo dreno sem, de fato, regar apropriadamente a orquídea.


Outra questão importante é que, por conter uma quantidade muito limitada de água, o gelo não é capaz de eliminar impurezas retidas no substrato. Além disso, o acúmulo de sais minerais, provenientes tanto das regas como das adubações, não é eliminado adequadamente com algumas pedras de gelo.

O ideal é que a orquídea receba água em abundância, durante as regas, que podem ocorrer debaixo de uma torneira, na pia, ou com o chuveirinho do banheiro. Para quem mora em casas com quintais, mangueiras são excelentes opções. O próprio pulverizador, preferencialmente de pressão, dá conta do recado. A água precisa atingir toda a orquídea, não somente o substrato. Desta forma, folhas e raízes tomam um banho, livrando-se de resíduos da poluição e da adubação.

Um outro ponto importante a ser considerado é quanto às baixas temperaturas que o contato dos cubos de gelo impõe às orquídeas. Todos nós sabemos dos efeitos adversos das geadas sobre as plantações. Elas ocorrem porque a água oriunda do orvalho que se forma de madrugada congela, originando uma camada de cristais de gelo sobre os tecidos vegetais. Este fenômeno causa lesões nas plantas, frequentemente levando-as à morte. Por isso, é muito importante evitar o contato do gelo com as raízes e rizomas das orquídeas, caso se insista em regá-las desta forma.


Outro forte argumento contra regar orquídeas com gelo está no fato de que elas ocorrem naturalmente em todas as regiões do planeta, com exceção das zonas polares. Neste contexto, talvez exista um único argumento que justifique o uso de gelo no cultivo de orquídeas, como veremos a seguir.

Embora a grande maioria das orquídeas seja composta por plantas tropicais e epífitas, existem muitas orquídeas em regiões de clima temperado, no hemisfério norte. É o caso da orquídea Cymbidium, de hábito terrestre, que vive em locais de clima frio e de elevadas altitudes, no continente asiático.

Devido ao clima de seus países de origem, o Cymbidium tem dificuldade para florescer aqui no Brasil, principalmente em estados localizados ao nível do mar, ou aqueles onde as temperaturas são mais elevadas. Aqui no apartamento, em São Paulo, nunca tive problemas com florações deste gênero de orquídea. No entanto, recebo com frequência relatos de pessoas que não conseguem fazer com que o Cymbidium dê flores.


Para contornar este problema, muitos cultivadores costumam adicionar pedras de gelo no vaso da orquídea Cymbidium, durante as noites de outono e inverno, para simular uma queda de temperatura. Alternativamente, há quem regue a orquídea com água gelada. Estes procedimentos visam induzir a floração, que geralmente ocorre durante o inverno, no caso deste gênero de orquídea.

Como nunca precisei recorrer a este método, não posso atestar sua eficácia. No entanto, costumo ler relatos de pessoas que obtiveram florações de orquídeas Cymbidium em locais de clima quente, adicionando pedras de gelo em seus vasos. Portanto, vale a pena uma tentativa. Lembrando que outros fatores essenciais para uma boa floração desta orquídea são adubação e luminosidade. Aqui no apartamento, somente obtive flores de Cymbidium quando passei a cultivar esta orquídea sob sol pleno, em uma varanda face oeste.

Resumidamente, sob condições normais de temperatura e pressão, devemos evitar regar as orquídeas com gelo. Também é importante evitarmos a todo custo o contato do gelo com os tecidos vegetais, para não criarmos uma situação de geada artificial, colocando em risco a vida da orquídea. Em casos específicos, no entanto, vale a pena tentar simular um inverno mais rigoroso, através da adição de gelo no vaso da orquídea Cymbidium. Vai que cola...