Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Como mudar orquídea de vaso


Orquídea Laelia alaorii
Laelia alaorii

Trocar uma orquídea de vaso pode parecer um processo simples e trivial, mas alguns cuidados devem ser tomados. Um replante mal feito pode prejudicar o desenvolvimento da orquídea, atrasar sua floração e até mesmo levá-la à morte. De maneira geral, o ideal é que efetuemos o menor número possível de intervenções ao longo do cultivo de uma orquídea, de modo que seu crescimento não seja prejudicado. Como costumam dizer, muito ajuda quem não atrapalha. Mais importante do que como mudar a orquídea de vaso, as questões às quais devemos nos atentar são quando e por que fazermos esta mudança.

Por que perturbar a orquídea


No início, eu tinha este impulso de ficar trocando a orquídea de vaso e substrato a todo momento, sempre achando que poderia melhorar seu cultivo. Vaso de barro, vaso de plástico, cultivo em carvão, brita, macadâmia, semi-hidroponia, até mesmo cultivo de orquídeas em água, as possibilidades são infinitas. A todo momento, chega algum especialista afirmando que um método é melhor do que o que você já está utilizando. No entanto, o fato é que, a cada perturbação deste porte, as raízes são danificadas, a orquídea fica estressada e a floração seguinte é comprometida. Portanto, a primeira regra é que devemos intervir apenas quando há um forte motivo para tal. Mudar a orquídea de vaso ou substrato tem suas consequências.

Neste sentido, o renomado orquidófilo Denitiro Watanabe, autor de vários livros sobre o cultivo de orquídeas e um dos entrevistados deste blog, afirma que uma orquídea somente dará uma boa floração após estar completamente aclimatada ao novo vaso. Segundo ele, este processo ocorre aproximadamente quatro anos após o replantio. Portanto, quanto menos perturbarmos as orquídeas, mais e melhores flores teremos. Este parece ser o segredo por trás das magníficas touceiras que encontramos em exposições de orquídeas.


Quando replantar uma orquídea


Como nada em orquidofilia é definitivo, há opiniões diferentes sobre o mesmo assunto. Segundo o especialista Antonio Yoshio Sano, outro de nossos ilustres entrevistados, a maioria dos iniciantes resolve replantar a orquídea apenas quando percebe que ela está com algum problema. Neste momento, no entanto, a situação já é crítica demais. O ideal, segundo este orquidófilo, é que o cultivador se antecipe ao decaimento da planta, ocasionado pela deterioração do substrato, e o troque antecipadamente, a cada um ano e meio, aproximadamente.

Um outro parâmetro que pode nos ajudar a decidir quando devemos mudar uma orquídea de vaso é o fator espacial. No caso das orquídeas de crescimento chamado simpodial (aquelas que emitem um pseudobulbo à frente do outro, 'caminhando' pelo vaso), chega um momento em que elas começam a querer sair do recipiente, como ilustrado na foto acima. Além da questão estética, as raízes que começam a se desenvolver para fora do vaso, completamente aéreas, podem se ressecar e morrer, por falta de umidade. Outro problema é que elas se adaptam ao modo de vida aéreo e, quando voltam a ser enterradas no substrato, geralmente morrem por não estarem mais adequadas àquela condição.

Outra informação importante para decidirmos o melhor momento de replantar nossas orquídeas é a fase de seu desenvolvimento. O ideal é esperarmos que elas comecem a emitir novas raízes e novos brotos. Desta forma, a recuperação será mais rápida após o transplante. Na maioria dos casos, estas novas brotações costumam ocorrer durante a primavera e o verão, nos meses mais quentes do ano. No frio, época em que várias orquídeas estão em dormência, é bom evitar mudá-las de vaso.

Por fim, sempre há aquelas situações catastróficas nas quais não temos escolha. Quedas e infestações por pragas são eventos que nos levam a precisar trocar o vaso das orquídeas na correria. Por este motivo, é importante estarmos atento aos sinais que as orquídeas nos enviam, através de seu aspecto vegetativo. Uma folha amarelando, um pseudobulbo murchando, todos estes fenômenos atípicos podem indicar que há algum problema com as raízes das orquídeas. Caso elas estejam comprometidas, atacadas por fungos ou bactérias, em decorrência do excesso de regas, o ideal é que a orquídea seja mudada de vaso. 


Como mudar a orquídea


Neste procedimento, talvez a maior dificuldade seja desprender as raízes da orquídea, que se aderem fortemente ao substrato e às laterais internas do vaso. A dica é deixar o vaso sob água corrente, por alguns minutos. Também vale submergi-lo em um balde com água. Desta forma, as raízes tornam-se mais maleáveis e desprendem-se com mais facilidade.

É importante limpar bem a orquídea, removendo todo o substrato antigo. Em casos de podridão das raízes, é essencial que todo o material em decomposição seja eliminado e bem lavado, sob água corrente. Caso haja pseudobulbos muito antigos, sem folhas e ressecados, pode ser uma boa hora para removê-los. Ao invés de descartá-los, pode-se tentar fazer novas mudas a partir destes backbulbs.

Também há quem aproveite o momento da mudança da orquídea de vaso para dividi-la. Neste caso, é importante atentarmos para o fato de que as orquídeas de crescimento simpodial precisam ter ao menos três pseudobulbos em cada segmento, para que possam sobreviver à divisão e continuar seu desenvolvimento. A parte da frente continuará emitindo novos brotos. Já a parte de trás precisará despertar gemas adormecidas para que uma nova frente de crescimento seja formada.


Na hora de escolher a nova casa da orquídea, é bom evitar a tentação de plantá-la em um vaso grande demais. Nestes casos, devido à grande quantidade de substrato, a secagem é mais lenta, o que pode levar ao apodrecimento das raízes, que ficam úmidas por muito tempo. Ao mudar uma orquídea de vaso, é importante que se deixe apenas dois dedos de espaço entre a frente da orquídea e a borda do vaso. Desta forma, ela não ficará perdida no meio do vaso e suas raízes terão a oportunidade de fixá-la mais rapidamente.

Além disso, é muito importante auxiliar a fixação da orquídea ao vaso e substrato através do uso de tutores de madeira ou arame. Caso ela fique solta, balançando, suas raízes jamais conseguirão se desenvolver adequadamente. Os tutores funcionam como raízes artificiais e provisórias, até que a planta se fixe a contento.

Após o replante, é interessante aplicar um enraizador à orquídea, o que ajudará na sua recuperação. Também é bom evitar adubar, até que as novas raízes cresçam e a planta se estabilize. O local da orquídea replantada deve ser um pouco mais sombreado, de modo a evitar sua desidratação durante este período crítico.




Assim que a orquídea estiver aclimatada em seu novo vaso, emitindo novas raízes e brotos, os cuidados normais podem ser retomados. Para um guia mais detalhado sobre como cuidar de orquídeas, principalmente em apartamentos, deixo a indicação do artigo abaixo: