A orquídea com aroma de coco - Maxillaria tenuifolia


Orquídea Maxillaria tenuifolia
Maxillaria tenuifolia

Esta é uma orquídea cuja floração eu aguardava há alguns anos. Não tanto pela aparência, que eu acabei descobrindo ser belíssima, mas muito pelo curioso perfume que suas flores exalam. Famosa no exterior, onde é conhecida como the coconut orchid, a Maxillaria tenuifolia, de fato, produz uma floração delicadamente perfumada, com um aroma que lembra o coco queimado.

Trata-se de uma orquídea típica do continente americano, mais precisamente de países localizados na América Central, tais como México, Nicarágua, Honduras e Costa Rica. A Maxillaria tenuifolia foi descoberta pelo botânico alemão Karl Theodore Hartweg e descrita por Lindley em 1837. Atualmente, encontra-se espalhada por coleções de orquidófilos do mundo todo, sendo bastante apreciada por sua folhagem ornamental e suas flores perfumadas.

A parte vegetativa desta orquídea é bastante curiosa. Seus pseudobulbos têm um formato elíptico, que lembra uma bola de futebol americano lateralmente achatada. Os botânicos especialistas em anatomia vegetal desejarão me matar, após esta descrição porca.


Orquídea Maxillaria tenuifolia
Maxillaria tenuifolia

As folhas desta orquídea são finas e elongadas, com a aparência de capim. As flores surgem a partir da base dos pseudobulbos, sempre solitárias. Suas pétalas não se abrem completamente e apresentam um colorido intenso, que pode variar do ferrugem alaranjado ao vinho escuro, passando por diferentes tons de vermelho. O labelo pintalgado é um charme à parte. Além, é claro, do característico perfume de coco que suas flores exalam, notadamente durante os meses da primavera.

A Maxillaria tenuifolia é uma orquídea que aprecia bastante umidade. Quando cultivada em ambientes muito secos, suas folhas finas começam a apresentar as pontas queimadas e os pseudobulbos tendem a murchar. Por este motivo, cultivo meu exemplar em vaso de plástico e musgo sphagnum, como quase todas as outras orquídeas aqui no apartamento.

Como muitas das orquídeas em minha coleção, esta coconut orchid foi um presente dos meus tios Hiroko e Takashi Matsumoto. Ela chegou até mim em novembro de 2014, há dois anos, já adulta. Cresceu bastante neste período, mas não havia florescido, até então. Há poucos dias, presenciei com alegria o surgimento do primeiro e único botão floral. Já estou acostumado, tudo por aqui é mais lento e comedido. Mas não posso reclamar, afinal, esta tão aguardada orquídea conseguiu sobreviver aos meus cuidados e às intempéries da sacada dos ventos uivantes.


Patrocinado: