Como cultivar orquídeas no inverno


Orquídea Cymbidium híbrido
Cymbidium híbrido

Muitos acreditam que as orquídeas entram em repouso durante o inverno, não requerendo maiores cuidados. No entanto, como trata-se de uma família muito grande e heterogênea, diferentes espécies encontram-se nos mais variados estágios de desenvolvimento, nesta estação. Algumas, de fato, estão em sono profundo, outras emitindo novos brotos, várias florescendo alegremente. Tendo isto em mente, vamos conversar neste artigo sobre os principais cuidados que devemos ter com nossas orquídeas durante o inverno.

1. Orquídeas letárgicas


Este é o grupo de plantas responsável pelo estereótipo da dormência invernal. Várias espécies dos gêneros Dendrobium e Catasetum, por exemplo, apresentam um comportamento típico durante os meses mais frios do ano. Suas folhas começam a amarelar, secar e cair. Os pseudobulbos enrugam. Para alguns, é um processo assustador. Tem-se a impressão que a orquídea está morrendo, que algo de errado está acontecendo. Mas é um fenômeno natural. A este período de repouso, os americanos dão o nome de winter rest. Nesta fase, a planta está sendo preparada para a etapa seguinte de seu ciclo, a floração. Sendo assim, alguns cuidados devem ser tomados por parte do cultivador.

2. Orquídeas com sede


O stress hídrico é o nome complicado para uma drástica diminuição na frequência das regas. Como o inverno é uma estação tipicamente fria e seca, muitas orquídeas necessitam destes sinais climáticos para que sua fisiologia inicie o processo de floração, na estação seguinte. Várias espécies do gênero Dendrobium necessitam do stress hídrico para que possam dar flores na primavera. Recomenda-se que no final do outono, entre maio e junho, já se diminua a quantidade de água fornecida. Esta seca forçada dura todo o inverno e as regas mais frequentes somente são retomadas com o surgimento dos primeiros botões florais, no início da primavera.

Aqui vale um adendo. Eu morro de pena e aflição para executar este plano. Confesso que não o faço com rigor e acabo tendo florações medíocres.

3. Orquídeas com frio


Este é outro fator importante para fazer com que determinadas orquídeas floresçam. Gêneros como Cymbidium, Dendrobium e até Phalaenopsis precisam de um período de baixas temperaturas, principalmente durante a noite, para que possam florescer em abundância. Outra característica importante do inverno é a duração mais curta do dia, com menor exposição das orquídeas à luminosidade. Em conjunto, todos estes sinais fazem com que a planta entenda que o inverno chegou e que deverá começar a se preparar para a floração, em seguida. Hoje em dia, os produtores são capazes de controlar todos estes fatores em estufas especiais, de tal modo que conseguem florações durante o ano todo.

4. Orquídeas saltitantes


Contrariando o senso comum, muitas orquídeas não estão nem aí para o inverno. Continuam crescendo vigorosamente, emitindo raízes e brotos. Muitas, como as do gênero Cymbidium, estão repletas de belíssimas hastes florais, carregadas de flores das mais diferentes cores. Aqui no apartamento, no momento, estou sendo agraciado com as florações do Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy', Oncidium ornithorhynchum, Phragmipedium Sedenii, Denphal, Gomesa crispa e Laelia alaorii, esta última hors concours, já que floresce o ano todo.

É complicado porque, no caso destas orquídeas, o cuidado deve ser outro. Devido ao processo de floração, água não pode faltar. Também não pode ser em demasia, já que tende a encharcar o substrato, com a diminuição da evaporação, típica do inverno. O frio também pode ser prejudicial, principalmente devido às correntes de ar gelado. As orquídeas mais sensíveis, quando floridas, tenho o cuidado de colocar para dentro de casa.

Talvez seja coisa da minha cabeça, mas tenho a impressão que as florações duram mais durante o inverno. Afinal, as flores de corte costumam ser armazenadas em câmaras frigoríficas para permanecerem bonitas por mais tempo, antes de chegarem ao mercado consumidor.

5. Orquídeas alimentadas


Para ser coerente com tudo o que expus acima, eu deveria dizer que as orquídeas letárgicas não precisam ser adubadas, ao passo que as saltitantes, sim. No entanto, confesso que, como cultivo todas no mesmo espaço, tenho preguiça dificuldade para fazer a separação. Mesmo o stress hídrico é difícil de ser controlado, já que acabo regando todas juntas. Por esta razão, observo que as orquídeas do gênero Dendrobium costumam florescer muito timidamente por aqui.

Em meu favor, argumento que, na natureza, as fontes de nutrientes continuam ativas durante todo o ano, alimentando as orquídeas independentemente do seu estágio de desenvolvimento ou da estação do ano.


Por boa parte da vida, temi a chegada do inverno, já que costumo sofrer com o frio. Após começar a cultivar orquídeas, aprendi a apreciar cada estação com suas particularidades, sabendo que todas trazem seus benefícios e têm sua razão de ser. Com a companhia das orquídeas, passei a ser mais contemplativo e mais feliz.