A orquídea do faraó


Orquídea Sophrolaeliocattleya Tutankamen 'Pop'
Sophrolaeliocattleya Tutankamen 'Pop'

Neste momento em que o Egito Antigo está em voga, eis que me floresce, pela primeira vez aqui no apartamento, uma orquídea que em tudo assemelha-se a um tesouro digno de um faraó. Confesso que não assisto à maioria dos programas de televisão, mas fico sabendo do que acontece através da internet.

Comprei esta orquídea há muitos anos, como uma pequena muda. Seu desenvolvimento ocorreu de forma extremamente lenta. Duvidei, inclusive, de que um dia veria suas flores. Várias outras orquídeas adquiridas na mesma época, em estágio semelhante de desenvolvimento, já haviam florescido e reflorescido, por várias vezes. Esta, no entanto, somente deu as caras agora. E, devo admitir, a longa espera valeu a pena.

Esta orquídea de nome comprido, Sophrolaeliocattleya Tutankamen 'Pop', apresenta flores com um colorido espetacular. Isso graças ao ancestral Sophronitis coccinea, orquídea responsável por conferir a rara tonalidade vermelha à maioria dos híbridos escarlate disponíveis no mercado. Além do tom intenso de vermelho escuro, a textura das pétalas e sépalas também é algo impressionante. Em inglês, esta aparência costuma ser designada como waxy, por lembrar o brilho de uma superfície encerada.

O nome do cruzamento faz referência ao faraó Tutancâmon, grafia com a qual nós estamos mais acostumados. Não me perguntem o que o 'Pop' está fazendo lá no final do nome. As orquídeas híbridas costumam ser batizadas com os nomes mais estrambólicos. Conhecido como o faraó menino, Tutankamen governou durante a 18ª dinastia do Antigo Egito, tendo ascendido ao trono aos 9 anos de idade, vindo a falecer aos 18. Ficou mundialmente conhecido pelo fato de a sua tumba, no Vale dos Reis, ter sido encontrada praticamente intacta, em 1922, mais de três milênios após seu sepultamento.

Nos próximos posts, trarei outras imagens desta floração inédita, juntamente com algumas dicas de cultivo desta bela orquídea vermelha.