Guia Completo para Cuidar de Plantas dentro de Casas e Apartamentos

Início

Sergio Oyama Junior


 170.000 A 200.000 PÁGINAS VISUALIZADAS MENSALMENTE 



Orquídeas no Apê
EM ALTA
Orquídeas Amarelas   Suculenta Calandiva

Cacto Rabo de Macaco   Monstera adansonii

Figueira da Índia - Opuntia ficus-indica


Cacto Opuntia ficus-indica
Opuntia ficus-indica |

Este é um cacto cuja importância transcende o universo das plantas ornamentais. Ainda que seja belíssima, a Opuntia ficus-indica, popularmente conhecida como figueira da Índia, representa uma importante fonte de nutrientes na alimentação de diversos seres vivos, incluindo humanos. Muito além do seu importante uso paisagístico, esta cactácea do tipo palma vem sendo utilizada há séculos na culinária de populações que habitam regiões de clima árido e semiárido, no Oriente Médio e nordeste brasileiro, por exemplo.

Tanto a parte vegetativa como os frutos da figueira da Índia são comestíveis. As palmas podem ser consumidas em receitas de saladas. Também podem ser utilizadas na fabricação de conservas ou na produção de farinha. Já o figo da Índia costuma ser consumido in natura, além de ser usado na preparação de doces, compotas e geleias. Adicionalmente ao fato de fazerem parte do cardápio de diferentes culturas, a Opuntia ficus-indica, juntamente com a Opuntia cochenillifera, conhecida como palma forrageira, costumam ser utilizadas como alimento para o gado, principalmente na região nordeste do Brasil.


As palmas da figueira da Índia são tecnicamente denominadas cladódios. São caules ovais e achatados, em forma de raquete, especializados tanto no armazenamento de água como na realização da fotossíntese. Como em todos os cactos, as folhas são rudimentares, reduzidas aos espinhos, para que a perda de água por evaporação seja diminuída.

Além de sua importância econômica na alimentação, a Opuntia ficus-indica também é historicamente utilizada com fins medicinais, por diversos povos ao redor do mundo. Particularmente, costuma-se atribuir propriedades antitussígenas aos compostos vegetais extraídos deste cacto. 

Ainda que esteja plenamente adaptada às terras tupiniquins, a figueira da Índia é originária do hemisfério norte, ocorrendo nativamente em diversas regiões de clima quente e seco, ao sul dos Estados Unidos e no México. Aqui no blog, já apresentamos outros interessantes representantes do gênero Opuntia, como o famoso cacto orelha de Mickey, Opuntia microdasys, além da Opuntia monacantha e Opuntia subulata, em suas formas monstruosas, todas espécies de cactos frequentemente cultivadas com fins ornamentais.


No exterior, a Opuntia ficus-indica é conhecida como pricly pear, pera espinhosa. Mas há também quem a chame de indian fig, como aqui, dentre muitos outros apelidos. Ainda que não tenha relação alguma com as figueiras verdadeiras, do gênero Ficus, a figueira da Índia pode atingir grandes proporções, havendo exemplares com o porte de uma árvore.

Seu uso paisagístico mais comum é como cerca viva. Devido ao seu porte imponente e formas exuberantes, a Opuntia ficus-indica também é um excelente ponto focal em um jardim de inspiração desértica, do tipo rochoso, composto por outras cactáceas e demais planta suculentas. A figueira da Índia deve ser cultivada sob sol pleno, desenvolvendo-se melhor em regiões de clima quente.

Extremamente resistente e de baixa manutenção, a Opuntia ficus-indica tolera longos períodos de estiagem e é praticamente indestrutível. Seus maiores inimigos são o excesso de regas e os ataques de cochonilhas. Curiosamente, este poder de atração desta praga, em particular, é um dos atributos de importância econômica da figueira da Índia, que serve de hospedeira para a proliferação destes insetos, que são produtores do corante carmim, utilizado em diversas indústrias cosméticas e alimentícias.


Dentro de casas e apartamentos, seu cultivo é mais desafiador. É importante que o vaso com a figueira da Índia fique localizado no ponto mais ensolarado do ambiente, bem próximo a uma janela ampla. Caso ele possa ser mantido em uma área externa, como varanda ou cobertura, seu desenvolvimento será mais satisfatório. Além disso, em ambientes internos, dificilmente a Opuntia ficus-indica irá florescer e frutificar. Em locais muito sombreados, a planta cresce de forma acelerada, em busca de luz, ficando mais debilitada e suscetível ao ataque de pragas.

No jardim, esta cactácea adapta-se a qualquer tipo de solo. Em vasos, é importante fornecer uma mistura própria para o cultivo doméstico de cactos e suculentas, mais arenosa, contendo partes iguais de terra adubada e areia grossa de construção. Há quem prefira utilizar solos vendidos prontos, que são formulados especialmente para as necessidades de plantas suculentas.

O vaso da figueira da Índia deve ter furos no fundo e uma boa camada de drenagem, composta por pedrisco, argila expandida ou brita. Uma manta geotêxtil costuma ser utilizada para separar o substrato desta camada inferior, de modo que a terra e areia não escapem através dos furos. É importante prestar atenção ao tamanho do vaso. Ele não pode ser muito grande, em relação ao porte da planta, para que não retenha a umidade por um período prolongado. Além disso, as raízes da Opuntia ficus-indica não são muito volumosas, demandando menos espaço.


Como muitas cactáceas, a figueira da Índia está acostumada a solos pobres em nutrientes, de modo que apenas uma adubação leve, de manutenção, é requerida para um bom desenvolvimento da planta. Em áreas externas, a própria natureza encarrega-se de garantir sua sobrevivência. Em vasos, uma formulação do tipo NPK, própria para o cultivo de cactos, pode ser aplicada durante os meses mais quentes do ano, quando o metabolismo da planta está mais ativo.

As regas devem ser bem espaçadas, principalmente se o cacto for cultivado em vaso, dentro de casas e apartamentos. Uma nova irrigação somente deverá ser realizada quando o substrato estiver bem seco ao toque do dedo.

A propagação da Opuntia ficus-indica é bastante tranquila e pode ser realizada através de estacas ou sementes. Basta remover um cladódio da planta principal, deixar o segmento em um local arejado por alguns dias, para que o corte cicatrize, e plantá-lo em um novo vaso. Já a multiplicação por sementes é um processo mais demorado e requer bastante paciência. É importante ter em mente que nem todos os brotos germinados chegarão à idade adulta.


Além de ser extremamente exótico e ornamental, ter um exemplar de figueira da Índia em um canto ensolarado da sala traz inúmeras vantagens. Este é um cacto que costuma apresentar poucos espinhos agressivos, de modo que pode ser colocado em um local onde há circulação de pessoas, sem maiores problemas. Crianças e animais de estimação também podem conviver próximos à Opuntia ficus-indica, que não é tóxica, muito pelo contrário, como vimos anteriormente. Por fim, trata-se de uma planta que demanda pouquíssimos cuidados, sendo bastante resistente e de fácil cultivo.

Ainda que não produza flores, que são belíssimas, ou frutos, que são saborosos, a figueira da Índia é um valioso elemento decorativo, seja em ambientes internos ou externos, dada a sua versatilidade e rusticidade.