Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Suculenta Senecio crassissimus


Suculenta Senecio crassissimus
Senecio crassissimus

Esta é uma planta suculenta que apresenta um design minimalista, com linhas aerodinâmicas raramente encontradas na natureza. Embora sua aparência seja discreta, na foto acima, o Senecio crassissimus pode atingir um tamanho considerável, principalmente em altura. Seu caule se desenvolve predominantemente na vertical, que é o mesmo posicionamento adotado por suas folhas suculentas. Embora seja uma planta que aprecia bastante luminosidade, sendo ideal para jardins de inspiração desértica, ainda assim é possível cultivar o Senecio crassissimus dentro de casas e apartamentos, desde que alguns cuidados sejam tomados, como veremos a seguir.



Por incrível que pareça, o gênero botânico Senecio pertence à família Asteraceae, a mesma da prosaica margarida. Aqui no blog, já apresentamos o Senecio barbertonicus e a cobiçada suculenta rosário, ou colar de pérolas, Senecio rowleyanus. Também é uma parente do Senecio crassissimus a suculenta colar de rubi, que pertence a outro gênero, Othonna capensis. Estas plantas, que já passaram aqui pelo apartamento, dão uma pequena amostra da imensa variabilidade encontrada nesta família botânica.

É comum nos depararmos com várias suculentas muito parecidas entre si. Isso acontece, frequentemente, com as diversas plantas popularmente conhecidas como rosas de pedra, geralmente pertencentes ao gênero Echeveria. Quando se trata do Senecio crassissimus, no entanto, este problema não acontece. Seu porte ereto, com as folhas em forma de remos, apontados para o alto, tornam esta planta suculenta única e inconfundível. Por causa destas características morfológicas, o Senecio crassissimus é conhecido como the vertical leaf Senecio, ou o Senecio com folha na vertical.

Outro aspecto extremamente ornamental do Senecio crassissimus é o contraste de suas folhas foscas, em um tom verde acinzentado, com as margens em um tom vívido de púrpura. O caule desta suculenta também apresenta nuances de roxo, quando a planta é cultivada sob elevados níveis de luminosidade. A aparência empoeirada das folhas é devida à presença de uma substância cerosa, denominada pruína, que recobre a superfície como um fino acabamento de pó translúcido. Quando passamos o dedo sobre as folhas, acabamos retirando esta cobertura, deixando um rastro com nossas digitais. Como a planta não é capaz de repor este acabamento de pruína, sua aparência fica prejudicada, devido ao constante manuseio de suas folhas.


A suculenta Senecio crassissimus apenas revela seu parentesco com outros membros da família Asteraceae quando floresce. Neste momento, pequenas e delicadas margaridas amarelas são produzidas, nos topos de longas hastes florais, que surgem a partir do ponto mais apical de seus caules. Outro fato curioso é que sua floração ocorre durante o outono e inverno, período no qual muitas outras plantas encontram-se em dormência.

Assim como diversas outras suculentas, apreciadas por suas características ornamentais, o Senecio crassissimus é endêmico da ilha de Madagascar, localizada a sudeste do continente africano. Outra suculenta originária desta região, já apresentada aqui no blog, é a coroa de Cristo, Euphorbia millii. Isto significa que o Senecio crassissimus não é encontrado nativamente em nenhum outro lugar do mundo. Em seu habitat de origem, esta suculenta está habituada à vida em solos arenosos, pobres em matéria orgânica, com uma intensa exposição à luz solar.

Para sobreviver em um ambiente tão árido e desafiador, o Senecio crassissimus desenvolveu uma estratégia para evitar que suas folhas fossem intensamente atingidas pela radiação solar. Neste sentido, elas se posicionam na vertical, ficando eretas, diminuindo a superfície de exposição ao sol direto. Outra adaptação, obviamente, é a natureza suculenta das folhas, que lhes confere a aparência de um propeller, as pás de uma hélice propulsora de navio. Sendo assim, o Senecio crassissimus também é conhecido no exterior como propeller plant.


A melhor forma de se cultivar o Senecio crassissimus é plantando-o em jardins rochosos, diretamente no solo de natureza arenosa, sob sol pleno. Esta é a clássica suculenta que aprecia pouca água e muito sol. No entanto, como nem sempre somos agraciados com tais condições, em nossos lares, podemos tentar seu cultivo em interiores, desde que tomemos cuidados para mimetizar o ambiente de origem desta suculenta.

O ideal, neste caso, é colocar o vaso em uma varanda ensolarada, ou em uma jardineira externa, do lado de fora das janelas de casas e apartamentos. Em ambientes internos, é importante que o Senecio crassissimus fique próximo a uma janela bastante ensolarada, preferencialmente face norte. Quando cultivado em ambientes muito sombreados, este Senecio tende a ficar estiolado, situação na qual seu caule cresce aceleradamente, ficando fino, frágil e comprido, em uma tentativa de buscar mais luminosidade.

Quando esta situação ocorre, a melhor forma de consertá-la é através de uma poda radical, também conhecida como decapitação de suculentas. Basta cortar a parte superior da planta, que cresceu demais, e plantá-la separadamente. Estas ponteiras enraízam-se com facilidade, sendo uma excelente forma de propagação do Sencio crassissimus. A parte remanescente continuará a emitir novos brotos. Após este procedimento, é importante que a planta seja transferida para um ambiente com mais luminosidade, após o seu enraizamento, para que não se torne pescoçuda, novamente.

O solo ideal para o cultivo do Senecio crassissimus é aquele arenoso, próprio para cactos e suculentas. Eu costumo comprar misturas prontas, específicas para este fim. No entanto, podemos preparar uma versão caseira, através da mistura de terra vegetal e areia grossa, em partes iguais. É importante que o vaso tenha uma boa camada de drenagem, no fundo, composta por brita, argila expandida ou qualquer outro material particulado.


As regas do Senecio crassissimus devem ser bem espaçadas. O solo deve secar completamente, entre uma irrigação e outra. O melhor método para se realizar esta aferição é colocando o dedo sobre o substrato, afundando levemente. Se estiver úmido, a rega deve ser postergada para outra ocasião. Durante o inverno, é importante tomar o cuidado de diminuir ainda mais a frequência das irrigações. Esta suculenta é extremamente resistente à seca, não suportando solos úmidos por longos períodos.

Devido à natureza árida do seu habitat de origem, o Senecio crassissimus não necessita de muita matéria orgânica em seu substrato. Além disso, as adubações não precisam ser intensas ou regulares. Qualquer fórmula de manutenção, do tipo NPK, pode ser aplicada, ocasionalmente, sem muita assiduidade.

Este é outro exemplo de planta suculenta que não é a primeira escolha para ser mantida dentro de casas e apartamentos, tema central deste blog. No entanto, existem sempre casos de pessoas que dispõem de jardineiras externas ou varandas bem iluminadas, situação nas quais o cultivo do Senecio crassissimus é perfeitamente viável. Ainda que não fique esplendoroso, em ambientes internos, vale sempre a pena tentar manter um exemplar em nossas coleções, já que se trata de uma planta bastante resistente, belíssima e de aparência única.