Guia completo para cultivar plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Graptoveria 'Fantome'


Graptoveria 'Fantome'
Graptoveria 'Fantome'

Esta é uma planta suculenta frequentemente encontrada em cultivo nas coleções dos aficionados. Trata-se de um híbrido bastante resistente, fácil de cuidar e que requer pouca manutenção. Raramente é atacado por pragas e multiplica-se com bastante facilidade. Sua propagação pode ocorrer espontaneamente, através do surgimento de novos brotos a partir do caule da planta mãe, ou pelo plantio de folhas destacadas da matriz, que brotam rapidamente e geram novos indivíduos. Todas estas características, aliadas à beleza da Graptoveria 'Fantome', fazem desta suculenta uma excelente opção para quem é apaixonado pelo cultivo destas simpáticas plantas gorduchas.

A suculenta Graptoveria 'Fantome' é um híbrido intergenérico, termo técnico utilizado para designar uma planta que é fruto do cruzamento entre representantes de gêneros diferentes. O nome Graptoveria, por exemplo, refere-se a um híbrido entre Graptopetalum e Echeveria. Já o termo Graptosedum é utilizado para designar um descendente de Graptopetalum e Sedum. Um Graptosedum famoso é o 'Francesco Baldi'. É o mesmo caso que ocorre com as orquídeas híbridas. Uma Laeliocattleya, por exemplo, é fruto do cruzamento entre Laelia e Cattleya.


No caso da Graptoveria 'Fantome', tema do artigo de hoje, o cruzamento envolve o Graptopetalum paraguayense, popularmente conhecido como planta fantasma, e a Echeveria elegans. A palavra francesa fantôme significa fantasma. De fato, o híbrido herdou a aparência fantasmagórica do Graptopetalum paraguayense porque também é recoberto por uma fina camada de pó translúcido, cujo nome técnico é pruína. Trata-se de uma substância cerosa que dá um acabamento empoeirado à superfície das folhas de várias suculentas. É o mesmo material que recobre os cachos de uva.

Suculentas que possuem esta camada de pruína, que acaba tornando-se bastante ornamental, precisam ser manuseadas com cuidado. Isso porque suas folhas ficam impregnadas de impressões digitais, ao menor toque. Qualquer contato com outra superfície acaba deixando rastros nas superfícies das folhas suculentas, o que causa um efeito desagradável. Infelizmente, a pruína retirada não é mais reposta pela suculenta.

Graças à influência da Echeveria elegans, a Graptoveria 'Fantome' possui uma coloração mais azulada, que pode variar bastante conforme os níveis de luminosidade no ambiente de cultivo. As duas suculentas são bastante parecidas, havendo uma certa confusão quanto à correta identificação de cada uma delas. Neste sentido, a melhor forma de diferenciá-las é através da observação de suas florações.

Graptoveria 'Fantome'
Graptoveria 'Fantome'

As suculentas do gênero Echeveria costumam produzir inflorescências compostas por flores em forma de sino. Elas são mais fechadas. Apenas como referência, podemos observar a floração da Echeveria shaviana, que já foi mostrada aqui no blog. Já as representantes do gênero Graptopetalum apresentam flores em um formato estrelado, em suas inflorescências. Esta característica é passada ao híbrido Graptoveria 'Fantome'. Portanto, em caso de dúvida, basta observarmos as florações da suculenta em questão. Se as flores tiverem forma de estrela, muito provavelmente trata-se da Graptoveria 'Fantome'. Caso tenham a forma de sino, é capaz que estejamos diante da Echeveria elegans.


Como já mencionamos, o cultivo da Graptoveria 'Fantome' é bastante tranquilo. Como toda suculenta, ela aprecia bastante luminosidade, podendo ser mantida sob sol pleno. Quanto mais luz a suculenta receber, mais compacta e simétrica ficará sua roseta. Sua coloração também tenderá a adquirir nuances em púrpura, sob níveis ótimos de luminosidade. Já quanto cultivada à meia sombra, a Graptoveria 'Fantome' acaba ficando mais esverdeada. Além disso, a tendência ao estiolamento é grande. Este é um processo em que o caule da planta cresce aceleradamente, em busca de luz, fazendo com que a suculenta fique 'pescoçuda'.

Caso este estiolamento ocorra com a Graptoveria 'Fantome', uma boa medida corretiva é efetuar uma poda drástica, em que a parte superior da suculenta é decapitada e plantada em um novo vaso. O caule remanescente irá produzir novos brotos, que poderão ser separados para a formação de novas mudas. Alternativamente, pode-se deixar o conjunto intacto, que também produzirá uma bela e escultural suculenta ramificada.

Além da luz, outro cuidado a ser tomado no cultivo da Graptoveria 'Fantome' é quanto às regas. É importante que o substrato seque bem, entre uma rega e outra. Não há um intervalo padrão entre estas regas, o período varia muito dependendo do tipo de vaso e do clima local. A melhor maneira de se saber quando é hora de regar é aferindo a umidade da terra com a ponta do dedo. Além disso, vasos com a terra seca ficam consideravelmente mais leves.


O material do vaso pode ser de barro ou de plástico. O importante é que a frequência das regas seja ajustada de acordo. O vaso de barro, por ser mais poroso, permite que o substrato seque mais rapidamente. Já o de plástico tende a reter a umidade por mais tempo. Em ambos os casos, é bom evitar o uso de pratinho embaixo, para que a água das regas não fique acumulada. Além disso, é importante que o vaso possua uma boa camada de drenagem no fundo, que pode ser composta por brita, argila expandida ou qualquer outro tipo de pedrisco.

O solo ideal para o cultivo da Graptoveria 'Fantome', levando-se em consideração seus progenitores, é aquele mais arenoso. Para não errar, existem misturas próprias para o cultivo de cactos e suculentas à venda em casas especializadas. Quem quiser fazer seu próprio substrato pode unir terra vegetal e areia grossa, em partes iguais. Não há necessidade de adicionar grandes quantidades de material orgânico, já que as suculentas estão habituadas a solos pobres em nutrientes. O importante é que o substrato fique bem drenável e que tenha a oportunidade de secar bem, entre uma rega e outra.

Broto de Graptoveria 'Fantome' no berçário
Broto de Graptoveria 'Fantome' no berçário

A propagação da Graptoveria 'Fantome' é bastante tranquila. Além dos brotos espontâneos, podemos destacar algumas folhas saudáveis, mais próximas à base da planta mãe, e acondicioná-las em um berçário de suculentas. Em poucas semanas, minúsculas raízes e novos brotos começarão a se formar, a partir das extremidades destacadas das folhas. O desenvolvimento destes brotos, apesar de ser visível a cada dia, é relativamente lento, já que são necessários alguns anos até que a muda se torne uma planta suculenta completamente adulta. Ainda assim, vale a pena executar o processo, já que é uma oportunidade única de vermos o crescimento de uma planta suculenta desde o seu início, que dificilmente ocorre a partir de sementes, no ambiente de cultivo doméstico.