Orquídeas no Apê
Orquídeas no Apê
Orquídeas no Apê

Orquídea Pingo de Ouro


Orquídea Oncidium Twinkle
| Oncidium Twinkle |

Os orquidófilos mais empedernidos costumam ficar horrorizados com os nomes populares frequentemente atribuídos às mais diversas espécies de orquídeas. Com efeito, esta prática costuma resultar em ambiguidades e imprecisões, uma vez que a mesma planta pode receber apelidos diferentes. No entanto, trata-se de uma forma lúdica de divulgar a vasta diversidade existente nesta família botânica.

No caso da orquídea pingo de ouro, em destaque no artigo de hoje, o problema é que uma vasta gama de espécies e híbridos, particularmente pertencentes ao gênero Oncidium, acaba recebendo esta mesma alcunha, a despeito de seus diferentes nomes científicos.


Neste contexto, a espécie mais comumente chamada de orquídea pingo de ouro corresponde ao Oncidium flexuosum, bastante encontrada nas matas brasileiras. Seu pronunciado labelo, em um tom bem vivo de amarelo, confere à flor a aparência de uma bailarina. Em conjunto, estas estruturas, dispostas ao longo de hastes florais de grandes dimensões, proporcionam ao conjunto da obra o aspecto de uma chuva de ouro.

Orquídea  Oncidium flexuosum
Oncidium flexuosum

Esta orquídea amarela é uma das progenitoras de um híbrido bastante famoso, de aparência similar, chamado Oncidium Aloha 'Iwanaga'. Desenvolvido no Havaí, a partir de diversos cruzamentos seletivos envolvendo outras espécies, este é outro Oncidium comumente chamado de orquídea pingo de ouro. Este talvez seja o híbrido mais comumente encontrado no mercado, tanto em elegantes floriculturas como em feiras e supermercados.


A confusão começa neste ponto. Ambas as orquídeas, a espécie original e o híbrido, são bastante similares e, ainda por cima, recebem o mesmo apelido. No entanto, tratam-se de organismos completamente diferentes, sendo uma espécie da flora brasileira, e outro um híbrido complexo, desenvolvido no exterior, amplamente comercializado no mercado mundial.

Orquídea Oncidium Aloha 'Iwanaga'
Oncidium Aloha 'Iwanaga'

É possível notar que esta é uma orquídea pingo de ouro turbinada, com o labelo maior, mais vistoso. Além disso, em função do vigor híbrido, esta acaba sendo uma planta de mais fácil cultivo, capaz de se adaptar a diferentes condições climáticas. Trata-se, portanto, de uma escolha ideal para quem cultiva suas orquídeas dentro de casas e apartamentos.

Outra espécie que entra na composição do Oncidium Aloha, que também é frequentemente chamada de orquídea pingo de ouro, é o Oncidium sphacelatum.


Originária do México e de diversos países da América Central, esta espécie apresenta uma aparência mais discreta, quando olhamos cada flor, individualmente. No entanto, a exuberância de suas hastes florais, bastante generosas, justifica plenamente seus nomes populares, orquídea pingo de ouro ou orquídea chuva de ouro.

Orquídea Oncidium sphacelatum
Oncidium sphacelatum

Apresentando flores bem mais diminutas, densamente imbricadas em longas hastes florais, também temos o Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy', um híbrido primário que faz bastante sucesso junto aos colecionadores. Esta é a orquídea representada na foto de abertura deste artigo. O tom de amarelo de suas florações é mais fechado, tendendo ao amarelo gema, mais próximo ao dourado do que nos exemplos anteriores. Sendo assim, este é outro legítimo representante da família de orquídeas 'pingo de ouro'.


Por fim, com flores ainda menores, exibindo uma tonalidade muito mais dourada, uma espécie menos conhecida do público em geral, Lophiaris pumila, anteriormente conhecida como Oncidium pumilum. Suas inflorescências são incrivelmente densas, repletas de minúsculas flores que são a mais fiel tradução do termo pingo de ouro.

Orquídea Oncidium pumilum
Oncidium pumilum

Como se não bastasse tanta beleza e delicadeza, esta orquídea pingo de ouro ainda exala um intenso perfume adocicado, que lembra o mel. Trata-se de uma estratégia para atrair os agentes polinizadores de suas flores.

Estes são apenas alguns exemplos de espécies e híbridos de orquídeas conhecidas como pingo de ouro. Como característica comum, todas compartilham o hábito epífito de vida, uma vez que suas raízes estão adaptadas à vida aérea, aderidas aos troncos das árvores.


Sendo assim, a orquídea pingo de ouro não pode ser plantada diretamente na terra, requerendo um substrato especial para o cultivo de plantas epífitas, geralmente composto por uma mistura de casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco. Alguns cultivadores têm sucesso com a utilização da casca de macadâmia.

Além disso, todos os exemplos de orquídeas pingo de ouro, acima citados, desenvolvem-se muito bem em placas de madeira, com ranhuras, cachepots vazados, cascas de árvores, como a peroba, entre outros materiais comumente utilizados como suporte para plantas epífitas.

A luminosidade deve ser intensa, porém indireta ou filtrada. A situação ideal para o cultivo da orquídea pingo de ouro é aquela em que os raios solares são atenuados por uma tela de sombreamento, capaz de reter 50% da luminosidade incidente. Dentro de casas e apartamentos, a planta deve ficar posicionada em um local que não receba sol direto, mas que tenha bastante luz, idealmente próximo a uma janela face norte.


A orquídea pingo de ouro pode ser adubada semanalmente, alternando-se fórmulas de manutenção e floração, do tipo NPK, especialmente desenhadas para a nutrição de orquídeas, com macro e micronutrientes. É importante utilizar metade da dose recomendada pelo fabricante, para que o excesso de sais provenientes da fertilização não cause queimaduras nas raízes.

Deve-se tomar bastante cuidado quanto às regas da orquídea pingo de ouro. Como a maioria pertence ao gênero Oncidium, estas plantas não toleram o excesso de umidade em torno de suas raízes. É importante aguardar até que o substrato esteja bem seco, para somente então efetuar uma nova irrigação.

Fazer mudas da orquídea pingo de ouro é bastante fácil e tranquilo. Como se tratam de espécies de crescimento simpodial, que vão emitindo novos pseudobulbos, um à frente do outro, as touceiras são formadas em pouco tempo. Durante o processo de divisão, é importante que cada segmento tenha, ao menos, três pseudobulbos. Estas estruturas irão fornecer água e nutrientes para o desenvolvimento de uma nova frente de crescimento, que se originará a partir de gemas adormecidas.


Sendo que existem diversas plantas similares, que são chamadas de orquídea pingo de ouro, é importante que o cultivador obtenha o nome científico da espécie ou híbrido, junto ao vendedor ou fornecedor. Somente desta forma, será possível cultivar o exemplar adquirido da melhor forma, respeitando as condições climáticas de seu habitat original.

Independentemente da espécie escolhida, ter uma orquídea pingo de ouro na coleção é garantia certa de fartas e generosas florações, que podem surgir nas mais diferentes estações do ano. As cascatas de flores amarelas, perfumadas ou não, costumam se transformar no ponto de destaque de qualquer orquidário.

Publicado em: | Última atualização:





Bacharel em biologia pela Unicamp, com mestrado e doutorado em bioquímica pela Usp, escreve sobre o cultivo de orquídeas, suculentas, cactos e outras plantas dentro de casas e apartamentos.

São Paulo, SP, Brasil