Guia Completo para Cuidar de Plantas dentro de Casas e Apartamentos

Início

Sergio Oyama Junior


Orquídeas no Apê
Orquídeas no Apê

Orquídea Epidendrum radicans


Orquídea Epidendrum radicans
| Epidendrum radicans |

Esta é uma típica orquídea terrestre, como muitas já apresentadas, aqui no blog. Suas principais características são a extrema resistência e facilidade de cultivo. Ao contrário de suas primas epífitas, o Epidendrum radicans aprecia o sol pleno e pode ser plantado diretamente no solo, como uma planta comum de jardim. Suas flores alaranjadas surgem nos topos de longas hastes, como fulgurantes bolas de fogo.

Em um primeiro momento, é muito comum que a orquídea Epidendrum radicans seja confundida com muitas outras espécies do gênero, que apresentam morfologias semelhantes. Trata-se de um conjunto de plantas popularmente conhecidas como orquídeas crucifixo, devido ao formato característico de suas flores. Dentro da família botânica Orchidaceae, estes representantes fazem parte da seção Schistochila.


Um exemplo de orquídea crucifixo bastante comum, aqui no Brasil, é o Epidendrum fulgens, que costuma receber diversos nomes populares, tais como orquídea da praia ou orquídea de chão. A principal diferença, em relação ao Epidendrum radicans, é que suas flores não sofrem o processo de ressupinação, ficando invertidas, com o labelo voltado para cima e a sépala dorsal apontada para baixo. É esta a razão por trás da curiosa aparência de suas flores, em forma de cruz.

Já no caso do Epidendrum radicans, como podemos observar na foto de abertura deste artigo, o processo de ressupinação ocorre normalmente, de modo que, durante o desabrochar do botão floral, há um giro de 180º da estrutura, o que faz com que o labelo termine voltado para baixo, em sua posição habitual, entre as orquidáceas. Este é um movimento importante porque, via de regra, esta pétala modificada tem a função de atuar como uma plataforma para o pouso de insetos voadores polinizadores, direcionando-os aos órgãos reprodutores da flor.

Outras espécies dentro do gênero Epidendrum, que também apresentam características semelhantes às do Epidendrum radicans, são o Epidendrum secundum, Epidendrum ibaguense e Epidendrum cinnabarinum, entre outros. São todas orquídeas terrestres, resistentes ao sol direto, de ocorrência bastante frequente, na natureza.


A orquídea Epidendrum radicans é originária de diversos países da América Central, tais como México, Honduras e Panamá, podendo também ser encontrada no norte da América do Sul, em regiões da Venezuela e Colômbia. Trata-se de uma planta bastante comum, que costuma ser vista às margens das estradas, nestas localidades.

Ao contrário da sua parente próxima, Epidendrum fulgens, que costuma ser encontrada no litoral, a orquídea Epidendrum radicans é típica de regiões localizadas em altitudes mais elevadas. Outro aspecto importante, que as diferencia, é a presença de raízes ao longo dos caules em forma de cana, no caso do Epidendrum radicans. Em latim, o nome desta espécie significa 'que produz raízes'. Nas demais espécies do gênero Epidendrum, a emissão de raízes se concentra na base da planta.

No exterior, o Epidendrum radicans é popularmente conhecido como reed stem Epidendrum, fire star orchid ou ground rooting Epidendrum, apelidos que fazem referência às aparências do caule, flores e raízes desta planta. No Brasil, esta orquídea é frequentemente chamada de estrela de fogo ou pássaro de fogo, em função da coloração flamejante de suas florações.


A inflorescência do tipo umbrela da orquídea Epidendrum radicans costuma surgir entre o final do outono e início da primavera. No entanto, na maioria das localidades de clima mais quente, as florações podem durar meses, ao longo de todo o ano. Isso acontece porque os botões florais desabrocham de forma sequencial, de modo que há sempre novas flores surgindo.

Para que isso ocorra, é fundamental que o Epidendrum radicans seja cultivado em um local que receba bastante luminosidade, com várias horas de sol direto por dia. Esta é uma planta ideal para formar grandes maciços, em canteiros no jardim, uma vez que se trata de uma orquídea que entouceira facilmente. Também fica linda em grandes vasos, desde que sejam feitos de um material mais pesado, como o concreto. A planta tende a ficar bastante alta, e corre o risco de tombar, caso não esteja apoiada em uma base firme.

Em apartamentos, também é possível cultivar a orquídea Epidendrum radicans, desde que ela esteja em uma varanda bem ensolarada. Coberturas também são perfeitas para esta planta. Em ambientes internos, é possível mantê-la, desde que bem próxima a uma janela face norte. Neste caso, no entanto, será mais desafiador fazê-la florescer. Também é preciso levar em conta o fato de este Epidendrum atingir grandes dimensões, principalmente na vertical, com o passar do tempo.


A grande vantagem do Epidendrum radicans é que ele não necessita de um substrato específico para o cultivo de orquídeas. Basta plantá-lo em terra vegetal, sem maiores complicações. A inclusão de compostos orgânicos no solo ajudará a planta a se desenvolver com mais vigor. De qualquer modo, é sempre aconselhável garantir que o vaso tenha uma boa drenagem e que a terra não fique úmida por muito tempo.

As regas podem ser frequentes, já que esta é uma orquídea típica de regiões de clima quente. A planta se desenvolve com vigor e rapidez, o que consome bastante água e nutrientes, principalmente durante a primavera e verão. Como o solo já é rico em matéria orgânica, apenas uma adubação de manutenção, do tipo NPK, com macro e micronutrientes, pode ser aplicada. Caso o intuito seja favorecer a floração, uma fórmula específica, mais rica em fósforo, pode ser fornecida.

A multiplicação do Epidendrum radicans é bastante tranquila, já que a planta emite novos brotos, a partir da base, com bastante frequência. Além disso, também são produzidos kekis, brotações laterais que surgem ao longo dos caules em forma de cana. É preciso aguardar um tempo, até que estes bebês se desenvolvam e tenham raízes longas o suficiente, para somente então serem plantados no solo. Eles podem ser utilizados para formar novas plantas ou para encorpar a touceira mãe.

Embora seja considerada mato, em algumas regiões, esta orquídea apresenta um grande potencial paisagístico, principalmente em áreas externas. Por ser extremamente resistente e de fácil cultivo, é ideal para quem está começando a se interessar por esta família botânica. Em pouco tempo, o cultivador será recompensado com frondosas touceiras, capazes de produzir generosas florações, ao longo de todo o ano.

Publicado em: | Última atualização:





Bacharel em biologia pela Unicamp, com mestrado e doutorado em bioquímica pela Usp, escreve sobre o cultivo de orquídeas, suculentas, cactos e outras plantas dentro de casas e apartamentos.

São Paulo, SP, Brasil