Guia Completo para Cuidar de Plantas dentro de Casas e Apartamentos

Início

Sergio Oyama Junior


Orquídeas no Apê
EM ALTA
Orquídeas Amarelas   Orquídea Denphal   Suculenta Kalanchoe

Epipremnum aureum   Monstera adansonii   Trapoeraba Roxa

Pitaya Amarela - Hylocereus megalanthus


Cacto Hylocereus megalanthus
| Hylocereus megalanthus |

Muito antes de Colombo chegar às Américas, as diversas civilizações que habitavam uma vasta região deste continente, que atualmente compreende o México, América Central e norte da América do Sul, já conheciam e consumiam um fruto saboroso, de aparência exótica, chamado de pitahaya, pitaya ou pitaia. No idioma falado por estes povos pré-colombianos, o termo significa fruto escamoso.

Consequentemente, a pitaya recebeu o apelido de dragon fruit, em países de língua inglesa. No Brasil, o nome popular mais utilizado é pitaia. Trata-se de um fruto produzido por diversas espécies de cactáceas, de hábito epífito e pendente, cultivadas em vários países de clima tropical e subtropical, ao redor do mundo. De modo geral, acabam sendo genericamente chamados de pitayas os frutos produzidos por diferentes cactos do gênero Hylocereus.


Aqui no blog, já apresentamos a espécie Hylocereus undatus, que produz uma pitaya vermelha, cuja polpa é branca, com sementes pretas. No artigo de hoje, vamos falar sobre a pitaya amarela, que é originária de outra espécie do mesmo gênero, Hylocereus megalanthus. Este fruto é comumente conhecido como pitaia amarela colombiana, em português, pitaya amarilla, em espanhol, e yellow pitaya ou yellow dragon fruit, em inglês.

A pitaya amarela também pode ser encontrada sob o nome científico Selenicereus megalanthus, que é uma sinonímia para o termo mais utilizado, Hylocereus megalanthus. O fruto produzido por esta espécie possui a casca amarela e a polpa branca. Ao contrário da variedade vermelha, que possui apenas escamas, a pitaia amarela apresenta diversos espinhos ao seu redor, longos e mais agressivos.

O nome da espécie, megalanthus, é uma latinização de duas palavras gregas que significam flor grande. De fato, a pitaya amarela é originária do processo de polinização das flores produzidas pelo Hylocereus megalanthus, que são brancas, de tamanho avantajado, figurando entre as maiores florações produzidas por cactáceas.


Como acontece com diversas outras espécies da família, as florações do cacto Hylocereus megalanthus acontecem durante a noite, apresentando uma curta duração. Para que a pitaya amarela seja produzida, estas estruturas precisam ser polinizadas. No entanto, o interessante é que elas não dependem exclusivamente dos agentes polinizadores, geralmente insetos de hábito noturno ou morcegos. Além da ação destes animais, esta cactácea pode sofrer um processo de autopolinização espontânea, frutificando por conta própria.

Embora seja conhecida no Brasil como pitaia amarela colombiana, esta cactácea também é originária de diversos outros países localizados ao norte da América do Sul, tais como Venezuela, Equador e Peru. A espécie Hylocereus megalanthus desenvolve-se sob a forma epífita, aderida aos troncos das árvores, em florestas tropicais, quentes e úmidas.

Por este motivo, e apesar de ser um cacto, a pitaya amarela não precisa ser plantada em um substrato específico para esta família botânica, geralmente arenoso e pobre em matéria orgânica. Trata-se de uma planta de crescimento acelerado, que se desenvolve em solos férteis, que podem conter uma grande variedade de elementos, tais como terra vegetal, húmus de minhoca, esterco curtido, areia grossa, casca de pinus, carvão vegetal ou fibra de coco.


O importante é que o substrato permita uma boa circulação de ar ao redor das raízes epífitas da pitaya amarela. O material precisa ser pouco compactado, bem aerado e facilmente drenável. O vaso de plástico é mais recomendado, neste caso, por garantir que o solo fique úmido por um período mais prolongado. Além disso, por ser mais leve, ele pode ser pendurado com maior facilidade e segurança. Lembrando que o Hylocereus megalanthus é um cacto epífito, de floresta, que apresenta um crescimento pendente, ficando perfeito em vasos suspensos.

Embora seja mundialmente conhecida por ser um fruto comestível, a pitaya amarela também pode ser cultivada como planta ornamental. Seus caules formam grandes e volumosas touceiras, apresentando a vantagem de tolerarem ambientes de meia sombra, dentro de casas e apartamentos.

A pitaya amarela precisa de bastante luminosidade para se desenvolver e florescer, mas não requer sol direto, necessariamente. A planta pode ser mantida em um local próximo a uma janela ensolarada, podendo receber algumas horas de sol pleno no início da manhã ou final da tarde. Em coberturas, varandas e jardineiras externas, contudo, as chances de floração são maiores.


Para que a floração da pitaya amarela seja estimulada, é necessário fornecer um adubo mais rico em fósforo. Existem formulações específicas para este fim, à venda em lojas de jardinagem. Este fertilizante pode ser intercalado com uma fórmula básica de manutenção, com níveis equilibrados de NPK. Sendo que o substrato já contém matéria orgânica, a adubação mineral torna-se apenas complementar. É sempre bom evitar o excesso de nutrientes, que tendem a se acumular no substrato, aumentando sua salinidade e prejudicando as raízes.

As regas do cacto Hylocereus megalanthus não precisam ser tão espaçadas quanto as requeridas pelas cactáceas de ambientes mais secos. O solo pode ser mantido sempre levemente úmido, sem que fique encharcado. Embora seja uma planta tropical, esta cactácea tolera bem os ambientes com níveis mais reduzidos de umidade relativa do ar, frequentemente encontrados dentro de casas e apartamentos. Esta é outra vantagem para o seu uso como planta ornamental, neste tipo de ambiente.

A multiplicação da pitaya amarela é bastante simples e rápida. Qualquer segmento cortado da planta principal irá se enraizar e produzir uma nova muda. No entanto, antes de colocar esta estaca na terra, é necessário esperar algumas horas, até que o corte fique cicatrizado. Este procedimento evita a contaminação do segmento por fungos e bactérias presentes no solo.


Os caules da pitaya amarela também podem ser utilizados na produção de enxertos, frequentemente servindo como cavalos para outras cactáceas de desenvolvimento mais lento, tais como o cacto amarelo ou cacto cérebro. Diversas outras espécies de Hylocereus costumam ser usadas neste processo.

Por fim, visto que se trata de uma planta que produz frutos comestíveis, a pitaya amarela pode ser cultivada em locais acessíveis a crianças e animais de estimação, sem que haja o risco de acidentes com a ingestão da planta. Apenas é preciso tomar cuidado com os espinhos, principalmente aqueles que recobrem o fruto.

Como podemos ver, da pitaya amarela, tudo se aproveita. Seu aspecto vegetativo já é bastante ornamental, além de servir como sustentação para o cultivo de outras espécies. Adicionalmente, suas florações são enormes, brancas e belíssimas. Por fim, o fruto é exótico e saboroso. Em resumo, o Hylocereus megalanthus é uma espécie que não pode faltar nas coleções dos apreciadores desta família botânica.

Publicado em: | Última atualização:





Bacharel em biologia pela Unicamp, com mestrado e doutorado em bioquímica pela Usp, escreve sobre o cultivo de orquídeas, suculentas, cactos e outras plantas dentro de casas e apartamentos.

São Paulo, SP, Brasil