Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Como Propagar Jiboia


Jiboia - Epipremnum aureum
Epipremnum aureum

Plantas nunca são demais. Para quem aprecia um clima tropical, de selva urbana, dentro de casas e apartamentos, o ideal é dispor do maior número possível de exemplares, seja de uma ou de várias espécies de plantas. No artigo de hoje, vamos aprender como fazer mudas de jiboia, cujo nome científico é Epipremnum aureum. No exterior, ela é bastante conhecida como golden pothos. Por ser bastante adaptável a diferentes níveis de luminosidade, desenvolvendo-se bem em ambientes de sombra, a jiboia é uma das principais recomendações para quem deseja cultivar plantas em interiores.

A jiboia apresenta a vantagem de ser uma planta de fácil cultivo, bastante resistente, além de ser extremamente ornamental. Podemos encontrá-la sob uma grande gama de variedades, com coloridos e padronagens diferentes em suas folhas.

Embora seja bastante popular no Brasil, podendo ser encontrada em toda parte, até mesmo nas ruas e calçadas, a planta jiboia é exótica, originária de países localizados no sudeste asiático e Oceania. Trata-se de uma espécie pertencente à família Araceae, a mesma de conhecidas plantas de interiores, tais como as Alocasias, o lírio da paz, Spathiphyllum wallisii, e o antúrio, Anthurium andraeanum.

Como raramente floresce no cultivo doméstico, não é comum a multiplicação da jiboia através de sementes. Por outro lado, é bastante simples fazer mudas de jiboia a partir do método de estaquia, como veremos mais adiante.


A planta jiboia é uma famigerada trepadeira, capaz de se enrolar nos troncos das árvores, cobrindo-os completamente. É graças a este hábito de crescimento que a espécie Epipremnum aureum recebeu seu apelido carinhoso. No cultivo doméstico, um único ramo da planta pode atingir grandes comprimentos, crescendo e alongando-se indefinidamente. Á medida que se desenvolve, a jiboia vai emitindo novas raízes, ao longo de seu caule, o que a auxilia na fixação às superfícies sobre as quais a planta avança.

Jiboia - Epipremnum aureum
Epipremnum aureum

Uma vez que a jiboia não se ramifica com facilidade, estes caules longos podem se tornar um problema, em termos estéticos e de praticidade no manuseio da planta. Para aqueles que preferem um vaso mais compacto e encorpado, a técnica apresentada a seguir serve para, além de propagar a jiboia, promover um adensamento da sua touceira.

No entanto, para que a multiplicação da jiboia seja bem-sucedida, alguns cuidados devem ser tomados. Ao contrário da peperômia filodendro, Peperomia scandens, que pode originar uma nova planta a partir de uma simples folha, da mesma forma que acontece com as suculentas, a planta jiboia precisa ser propagada de uma forma mais cuidadosa. Uma folha isolada desta espécie não irá brotar novamente. É preciso que cada segmento possua uma gema saudável, que se encontra no ponto de conexão entre a folha e o caule, bem na base do pecíolo.

Parece complicado, mas é bastante simples. Para propagar a jiboia, basta selecionar um ramo que esteja comprido demais e seccioná-lo em vários segmentos, de modo que cada um contenha ao menos uma folha e uma gema. Como um bônus, cada parte cortada já virá com uma pequena raiz despontando, como podemos observar na imagem abaixo.

Jiboia - Epipremnum aureum
Epipremnum aureum

Para que a multiplicação da jiboia seja um sucesso, basta fazer os cortes com um pequeno espaçamento, preservando as gemas na base de cada folha. A partir desta etapa, temos duas possibilidades. Os segmentos podem ser colocados em água, durante alguns dias, para que possam desenvolver novas raízes, ou podem ser plantados diretamente na terra, desde que se tenha bastante cuidado com as regas, mantendo o solo bem úmido, na fase inicial do cultivo.


No caso de algumas plantas mais delicadas, eu costumo manter as estacas enraizando em água, para que não se desidratem. No entanto, no caso da jiboia, que é bastante resistente, eu faço o plantio dos segmentos diretamente na terra. Neste caso, os pedaços remanescentes do caule, em ambos os lados, ajudam na fixação das folhas, que devem ficar na vertical, sem contato direto com o solo, para que não apodreçam. O mesmo vale para o caso do enraizamento em água. Apenas a gema e as raízes devem ficar submersas, não as folhas. Neste caso, também é importante trocar a água periodicamente, para que não apodreça. Além disso, convém encontrar um meio de cobrir o recipiente, de modo que o sistema não se transforme em um criadouro para o mosquito da dengue.

Jiboia - Epipremnum aureum
Epipremnum aureum

Para quem tem problemas com o baixo nível de umidade relativa do ar, comum em ambientes internos, vale a pena fazer o plantio das estacas em musgo sphagnum, o mesmo utilizado no cultivo de orquídeas. Este é um material capaz de reter grandes volumes de água, mantendo a umidade necessária ao desenvolvimento das novas raízes da jiboia. Cada folha plantada irá desenvolver uma nova planta. Este método é ideal para quem quer um vaso mais cheio, inclusive para aqueles que pretendem cultivar a jiboia sob a forma pendente. No exemplo da imagem acima, se tudo der certo, dez novos ramos brotarão destas folhas, produzindo uma touceira mais densa e harmoniosa.


No caso da propagação diretamente na terra, é importante que o vaso seja montado da forma correta, com um bom sistema de drenagem. Além de ter furos no fundo, é interessante que ele seja feito de plástico, material que retém a umidade por mais tempo. Uma camada de pedrisco, argila expandida ou brita ajuda a escoar a água, impedindo que os furos sejam entupidos pelas raízes da jiboia. Por cima desta camada, pode-se posicionar uma manta geotêxtil, que irá impedir que a terra escape através dos furos.

Nesta etapa inicial do cultivo das estacas, é importante que o vaso seja colocado em um local mais sombreado, protegido do vento e do sol direto. Estes fatores irão acelerar a transpiração da jiboia, fazendo com que as folhas se desidratem. Após o plantio, é aconselhável realizar uma rega generosa, até que a água comece a escoar pelos furos no fundo do vaso. A terra deve ser mantida sempre úmida, mas não encharcada.

Após o enraizamento das estacas, e o surgimento dos primeiros brotos, uma adubação do tipo NPK, em que os níveis de nitrogênio sejam proporcionalmente maiores (por exemplo, 30-10-10), pode ser aplicada no vaso, para efetuar uma estimulação do crescimento das novas mudas de jiboia.

Tomados estes pequenos cuidados, a multiplicação da jiboia será um sucesso garantido. Trata-se de um processo bastante tranquilo, que pode ser efetuado a qualquer momento. Em regiões de inverno muito rigoroso, no entanto, convém aguardar o início da primavera e o aumento das temperaturas para se iniciar o processo de propagação.

Como uma última observação, nada impede que se mantenha a planta jiboia sem divisões. Seus longos ramos pendentes irão tomar conta do ambiente e ficarão extremamente ornamentais, da mesma forma. Há ainda a possibilidade do cultivo da jiboia como trepadeira, simulando seu modo de vida no habitat de origem. Para tanto, basta colocar um tutor no centro do vaso, que pode ser feito de madeira ou fibra de coco. Trata-se de uma espécie de totem, que vai possibilitar a fixação das raízes da jiboia e o seu crescimento vertical. Quanto mais alto for este tutor, mais a planta irá se desenvolver, o que pode ser notado pelo aumento gradativo no tamanho de suas folhas. Um espetáculo para os olhos.



Compartilhe com quem ama plantas: