Guia Completo para Cuidar de Plantas dentro de Casas e Apartamentos

Início

Sergio Oyama Junior


Orquídeas no Apê
EM ALTA
Orquídeas Amarelas   Orquídea Denphal   Suculenta Kalanchoe

Epipremnum aureum   Monstera adansonii   Trapoeraba Roxa

Anthurium clarinervium


Anthurium clarinervium
| Anthurium clarinervium |

Mesmo quando não floresce, esta belíssima planta de sombra apresenta um grande diferencial em relação aos antúrios que estamos acostumados a ver. Como seu nome científico já entrega, o Anthurium clarinervium é conhecido pela presença de nervuras mais claras, em suas folhas. Estas venações, em branco ou creme, contrastam com o fundo em um tom bem fechado de verde. Trata-se de uma típica espécie de interior.

O Anthurium clarinervium é mais um representante da famosa família botânica Araceae, repleta de plantas comumente cultivadas com fins ornamentais, frequentemente utilizadas na decoração de interiores. Também fazem parte deste grupo as diferentes espécies do gênero Alocasia, cujas folhas apresentam um padrão similar de cores, embora tenham um formato menos convencional.


Já as folhas do Anthurium clarinervium possuem a aparência de um coração. Esta espécie produz flores bem mais discretas, compostas por bráctea e espádice, como toda arácea. Em comparação ao seu parente mais famoso, Anthurium andraeanum, que estamos acostumados a encontrar nas floriculturas, suas flores têm pouca importância ornamental, ficando a cargo da folhagem todo o protagonismo do Anthurium clarinervium, na ornamentação dentro de casas e apartamentos.

Esta é uma espécie botânica de origem mexicana, sendo endêmica do estado de Chiapas, ao sul do país. O Anthurium clarinervium vive em regiões quentes e úmidas, bastante sombreadas, com suas raízes frequentemente inseridas nas fendas entre as rochas, onde existe o acúmulo de água e matéria orgânica.

Por estes motivos, a espécie Anthurium clarinervium adapta-se tão bem ao cultivo em ambientes internos, onde as temperaturas são amenas e constantes, ao longo de todo o ano. Além disso, como suas folhas não toleram o sol direto, o interior de casas e apartamentos constitui-se em um abrigo perfeito para esta planta, que se desenvolve apenas com a luminosidade difusa existente em interiores.


O Anthurium clarinervium faz bastante sucesso em países do hemisfério norte, onde os invernos são mais rigorosos, e o cultivo indoors é mais difundido. Neste tipo de ambiente interno, o único problema é a falta de umidade, principalmente em cômodos que possuem aparelhos de ar condicionado ou aquecedores. Por ser uma espécie tropical, este antúrio aprecia elevados níveis de umidade relativa do ar, que fiquem em valores, preferencialmente, acima de 60%.

Para contornar este problema, vale recorrer a aparelhos umidificadores de ambiente, fontes de água, aquários ou bandejas umidificadoras. Estas são, simplesmente, recipientes rasos com uma camada de areia ou pedrisco e uma lâmina de água no fundo, sobre os quais os vasos com o Anthurium clarinervium são posicionados. É importante que eles não fiquem em contato direto com a água. A umidade sobe por capilaridade, criando um microclima mais saudável para a planta. Borrifadas com uma fina névoa de água sobre as folhas também ajudam, neste sentido.

Além de ser uma planta de sombra, o Anthurium clarinervium apresenta a vantagem de ser uma arácea de pequeno porte, ideal para ser cultivada dentro de casas e apartamentos. Como bem sabemos, diversos representantes desta família botânica podem atingir grandes proporções, inviabilizando sua permanência em cômodos pequenos.


Como acontece com todas as aráceas, as raízes do Anthurium clarinervium não toleram o excesso de umidade. Na natureza, estas estruturas têm a possibilidade de secar rapidamente, mesmo após uma chuva copiosa. No cultivo doméstico, em vasos, é preciso que o substrato seja capaz de escoar rapidamente a água das regas, para que não haja umidade excessiva em torno das raízes.

O Anthurium clarinervium pode ser cultivado em vasos de plástico ou barro, desde que tenham furos no fundo e uma camada de drenagem, composta por argila expandida, pedrisco ou qualquer outro material particulado. Sempre lembrando que o vaso de plástico retém a umidade do substrato por mais tempo, demandando uma frequência mais espaçada das regas.

Ainda assim, não é bom que o substrato fique completamente seco, esturricado, entre uma rega e outra. O Anthurium clarinervium aprecia um solo bem aerado, pouco compactado, mas que permaneça levemente úmido, nem encharcado, nem seco demais. Esta é a condição encontrada no habitat de origem desta espécie.


Misturas contendo terra vegetal, composto orgânico e substrato para epífitas, como casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco, constituem-se em bons substratos para o cultivo do Anthurium clarinervium. Cada cultivador acaba produzindo sua própria receita. O importante é que o solo seja fértil, rico em matéria orgânica, levemente ácido e rapidamente drenável. Substratos prontos para o uso, indicados para o cultivo de folhagens ornamentais, podem ser comprados em lojas de jardinagem.

O Anthurium clarinervium pode receber uma adubação leve, quase homeopática, uma vez que o substrato já contém compostos orgânicos. Como complemento, uma fórmula de manutenção, própria para folhagens, do tipo NPK, pode ser fornecida durante a primavera e verão. No outono e inverno, o fornecimento de adubo pode ser interrompido. Aqui no apartamento, costumo aplicar metade da dose recomendada pelos fabricantes.

É preciso tomar cuidado com o excesso de adubação, principalmente inorgânica, uma vez que os sais minerais contidos nos fertilizantes tendem a ficar acumulados no substrato, causando um aumento na salinidade deste material. Por osmose, a água tende a sair das raízes, desidratando a planta. Este excesso de adubo também pode causar queimaduras nas pontas das folhas do Anthurium clarinervium.


A multiplicação do Anhurium clarinervium pode ser feita através da divisão de suas touceiras. Além disso, novas mudas podem ser obtidas a partir de folhas destacadas da planta mãe, desde que elas tenham um nó em sua base, onde se concentram as gemas que irão produzir novos brotos e raízes. O ideal é colocar esta folha em um recipiente com água, até que se desenvolvam raízes suficientemente longas para o plantio na terra.

Por fim, como toda arácea, o Anthurium clarinervium produz grandes quantidades de cristais de oxalato de cálcio, em todos os seus tecidos vegetais. Esta é uma substância que pode causar intoxicações em crianças e pets, caso seja acidentalmente ingerida. Sendo assim, é fundamental cultivar esta planta em um local que lhes seja inacessível, para que acidentes não aconteçam.

Planta de sombra, de pequeno porte, e extremamente ornamental e diferenciada, a espécie Anthurium clarinervium é uma excelente opção para compor nossas urban jungles, florestas urbanas, mesmo para aqueles que dispõem de pouco espaço em suas casas e apartamentos. Infelizmente, ainda não é muito comum encontrá-lo à venda, nos garden centers que costumo frequentar. Mas a procura é recompensadora.

Publicado em: | Última atualização:





Bacharel em biologia pela Unicamp, com mestrado e doutorado em bioquímica pela Usp, escreve sobre o cultivo de orquídeas, suculentas, cactos e outras plantas dentro de casas e apartamentos.

São Paulo, SP, Brasil