Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos



Sergio Oyama Junior
PUBLICIDADE
Aprenda a Lucrar com Suculentas
LINKS PARCEIROS
 Curso Orquídeas sem Segredos Guia Espécies de Suculentas

Orquídeas no Apê

CURSOS PATROCINADOS

Orquídea Epidendrum peperomia


Orquídea Epidendrum peperomia
Epidendrum peperomia

Apesar de todas as orquídeas possuírem, basicamente, três pétalas e três sépalas, a diversidade de formas e tamanhos resultantes desta combinação é impressionante. Bem distante do arquétipo das clássicas orquídeas amplamente comercializadas com fins ornamentais, a estrela do artigo de hoje aproxima-se mais do universo da entomologia. O Epidendrum peperomia, também conhecido como Epidendrum porpax, apresenta pequenas mas imponentes flores com uma arquitetura que nos remete à aparência de um inseto.

Vista bem de perto, a flor desta orquídea também lembra uma rainha medieval, com direito a uma grande saia rodada, manto e um esplendor na região dorsal. O Epidendrum peperomia é uma daquelas orquídeas que, em um primeiro momento, poucos dão atenção. No entanto, um olhar mais atento revela detalhes de uma beleza exótica e ímpar. Eu, particularmente, fico impressionado com o contraste de texturas das pétalas e sépala dorsal, translúcidas, em relação ao labelo de aparência lustrosa, quase plástica.

Orquídea Epidendrum peperomia
Epidendrum peperomia

Outra característica interessante desta espécie, que fica entre as classificações informais de uma micro orquídea e uma mini orquídea, graças ao tamanho intermediário de suas flores e porte vegetativo, é a sua capacidade de formar grandes touceiras, em forma de um denso tapete. Espécimes bem cultivados cobrem rapidamente toda a superfície do vaso, produzindo um espetáculo de rara beleza, quando floresce simultaneamente.

PUBLICIDADE
Curso Online

O Epidendrum peperomia não tem uma época de floração típica. Suas flores podem surgir ao longo de todo o ano, muito embora haja uma maior probabilidade de este fenômeno ocorrer durante os meses mais quentes, durante a primavera e verão. Embora pequenas e delicadas, são flores de textura firme e de duração relativamente longa, podendo ficar até um mês com um bom aspecto.

Esta espécie de orquídea foi descrita em 1854 pelo ornitólogo e botânico alemão Heinrich Gustav Reichenbach. O Epidendrum peperomia é originário das florestas situadas em regiões de altitudes elevadas, na Colômbia e Venezuela. Trata-se de uma orquídea epífita, que não apresenta pseudobulbos, apresentando um porte vegetativo rasteiro e bastante ramificado. À medida que se desenvolve, a planta vai emitindo raízes aéreas ao longo de seus caules, que auxiliam na adesão da orquídea aos troncos das árvores.

Orquídea Epidendrum peperomia
Epidendrum peperomia

Apesar do nome científico, esta orquídea não tem relação com as clássicas peperômias, tão amplamente utilizadas na decoração de interiores, bastante em voga, atualmente. O Epidendrum peperomia, por incrível que possa parecer, é parente da imensa e resistente orquídea da praia, Epidendrum fulgens, já apresentada aqui no blog.

PUBLICIDADE

É bastante fácil perceber quando o Epidendrum peperomia vai florescer. À medida que seu caule vai se elongando, novas folhas vão sendo produzidas, a partir do ápice. Em um determinado momento, quando a orquídea atinge sua maturidade, a produção de folhas cessa. Neste momento, uma estrutura especial é produzida, a famigerada espata floral. Trata-se de uma folha modificada que funciona como um invólucro protetor ao redor dos botões florais em desenvolvimento. Como são translúcidas, as espatas revelam a presença do inquilino em seu interior.

Orquídea Epidendrum peperomia
Epidendrum peperomia

O Epidendrum peperomia pode ser cultivado em pedaços de madeira, troncos ou cascas de árvores, como a maioria das orquídeas epífitas. Neste caso, a umidade relativa do ar no ambiente de cultivo deve ser elevada, ficando em níveis superiores aos 60%. Dentro de casas e apartamentos, ou em localidades de clima muito quente e seco, convém optar pelo cultivo em vasos. Neste caso, o ideal é optar pelo vaso de plástico, que possui a capacidade de reter a umidade no substrato por um período mais prolongado.

O substrato clássico para o cultivo de orquídeas epífitas, composto por casca de pinus, carvão vegetal e fibra de coco, pode ser utilizado no caso do Epidendrum peperomia. Também nesta situação, a umidade no ambiente deve ser elevada, já que o material tende a secar mais rapidamente. A utilização de musgo sphagnum é recomendada para aqueles que têm problemas com ambientes muito secos, como costuma ocorrer em interiores. Neste caso, também vale a pena recorrer às bandejas umidificadoras, compostas por uma camada de pedrisco, areia ou argila expandida, com uma lâmina de água no fundo. É importante que a água não fique em contato permanente com o fundo do vaso.

LINKS PARCEIROS
Como Cuidar de OrquídeasEspécies de Suculentas

A frequência das regas da orquídea Epidendrum peperomia vai variar conforme o material no qual ela está plantada. Caso esteja montada em um pedaço de madeira, por exemplo, as irrigações devem ser mais frequentes. Quando a orquídea está acondicionada em um vaso com substrato, deve-se aguardar até que o material esteja bem seco, para somente então regar novamente. O peso do vaso ajuda a ter uma noção do nível de umidade do substrato no interior do vaso. Quanto mais leve estiver o recipiente, mais seco estará o substrato.

A luminosidade ideal para o cultivo do Epidendrum peperomia é aquela abundante, mas difusa, indireta. Locais muito sombreados podem impedir que a orquídea floresça. Esta espécie tolera algum sol direto no início da manhã ou no final da tarde. Nas horas mais quentes do dia, o ideal é que a planta seja protegida por uma tela de sombreamento. Dentro de casas e apartamentos, basta posicionar a orquídea em um local próximo a uma janela com bastante luminosidade, sem sol direto.

Por ser mais prática, costumo recorrer à adubação inorgânica, do tipo NPK, aqui no apartamento. Alterno fórmulas para manutenção, com níveis equilibrados destes macronutrientes, com adubos de floração, mais ricos em fósforo. Realizo as aplicações semanalmente, utilizando metade da dose recomendada pelo fabricante. No tocante à adubação, é sempre melhor aderir ao famoso lema do 'menos é mais'. No caso de o Epidendrum peperomia ser cultivado em musgo sphagnum, uma atenção redobrada deve ser dada ao acúmulo de sais minerais resultantes da adubação. É importante que o vaso seja lavado debaixo de bastante água corrente, para retirar o excesso destas substâncias, prejudiciais ao desenvolvimento das raízes.

PUBLICIDADE

Uma vez que a orquídea Epidendrum peperomia se ramifica com rapidez, formando grandes tapetes sobre qualquer superfície, é bastante tranquilo multiplicá-la, através da simples divisão das touceiras. Um bom parâmetro para sabermos quando é hora de replantar esta orquídea é quando ela começa a querer escapar do vaso, emitindo novas raízes e ramos para fora do recipiente. Neste momento, podemos aproveitar para renovar o substrato e transferir o Epidendrum peperomia para um vaso maior ou realizar a divisão da touceira, multiplicando a planta. 

Ainda que não seja grande, exuberante e colorida, como as clássicas orquídeas que encontramos nas floriculturas, esta é uma espécie bastante apreciada pelos colecionadores, graças ao exotismo de suas flores, sua facilidade de cultivo, rapidez no desenvolvimento e generosas florações.

PUBLICIDADE
Curso Online




Compartilhe com quem ama plantas: