Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Ciclame - Cyclamen persicum


Cyclamen persicum
Cyclamen persicum

As flores do ciclame, também conhecido como ciclame da Pérsia, ou ainda ciclâmen, lembram-me pequenos agrupamentos de borboletas pousadas nos ápices das hastes. Poucos reparam no detalhe de que as pétalas ficam em um posicionamento invertido, em comparação à maioria das flores que conhecemos. As estruturas reprodutoras da flor, como o pistilo e os estames, ficam voltados para baixo. As cinco pétalas dobram-se para cima, esvoaçantes. Eu considero a flor do ciclame uma das mais esculturais e abstratas. Além disso, suas folhagens também são belíssimas, apresentando diferentes cores e estampas.



As espécies selvagens, que deram origem aos ciclames que encontramos atualmente nas floriculturas, habitam nativamente algumas ilhas do Mediterrâneo, predominantemente as ilhas gregas de Creta, Chipre e Rodes. No entanto, diversas espécies de ciclame podem também ser encontradas em regiões da Turquia e do Irã, que fizeram parte do Império Persa. Por este motivo, a principal espécie responsável pela produção dos híbridos comerciais disponíveis no mercado é o Cyclamen persicum, nome científico atribuído ao ciclame da Pérsia.

Por ser originário de uma espécie típica de climas temperados, encontrada em países do hemisfério norte, o ciclame não aprecia altas temperaturas. Por isso, trata-se de uma planta ideal para ser cultivada dentro de casas e apartamentos, uma típica planta de interiores. Além disso, como o Cyclamen persicum costuma florescer durante o inverno, trata-se de uma excelente opção para alegrar a casa com flores, nos meses mais frios do ano, quando a maioria das plantas floríferas está em seu período de dormência. No caso do ciclame, sua floração coincide com os feriados de final de ano, no hemisfério norte.

De acordo com a linguagem das flores, utilizada durante a Inglaterra da Era Vitoriana, a flor do ciclame significava resignação. Esta era uma flor para ser presenteada durante as despedidas, ao menos no contexto cultural daquela época. Também era uma flor com um significado especial para as pessoas que estavam se aposentado. As flores do ciclame podem ser encontradas em uma grande variedade de colorações, inclusive mescladas. As mais comumente encontradas no mercado são as variedades híbridas portando flores brancas, rosadas, vermelhas ou com padrões mesclados entre estas cores. As bordas das pétalas podem ser lisas ou onduladas. Além disso, há versões em miniatura de ciclame, que são uma aquisição irresistível para quem mora em apartamentos.


Além da beleza e diversidade das flores, as folhagens do ciclame não ficam atrás, em matéria de importância ornamental. As folhas do ciclame têm um formato de coração, com uma textura suculenta, podendo apresentar diferentes estampas que mesclam tons de verde e prata.

O ciclame é outra planta frequentemente injustiçada. Embora seja perene, muitas pessoas a tratam como uma planta anual, descartando-a após o término da floração. De fato, as folhas amarelam, murcham e secam, desaparecendo. Parece que o ciclame morreu, mas ele está apenas dormente. Neste ocasião, o importante é cortar completamente todas as folhas e flores secas, impedindo que este material fique acumulado e seja consumido por fungos e bactérias. Por se tratar de uma planta bulbosa, com tubérculos subterrâneos, capazes de armazenar água e nutrientes durante um longo período, o ciclame tem a a capacidade de rebrotar e produzir novas folhas e flores, quando as condições climáticas voltarem a se tornar favoráveis.

Este mesmo fenômeno é observado no cultivo das tulipas, bem como em algumas orquídeas terrestres, do gênero Orchis, por exemplo. Trata-se de uma estratégia adaptativa para garantir a sobrevivência da planta durante vários anos, passando por estações adversas ao seu desenvolvimento e floração.


Neste contexto, o ciclo de vida do Cyclamen persicum é completamente oposto ao da maioria das plantas ornamentais. Como sua floração ocorre durante o inverno, a planta encontra-se em dormência nos meses mais quentes do ano, primavera e verão, quando as demais flores estão em seu apogeu. Um fato curioso é que, se o ciclame for cultivado em locais onde as temperaturas são muito elevadas, ele pode entrar em dormência precocemente, ficando inclusive sem florescer. Trata-se de uma planta apropriada para ambientes mais amenos, geralmente aqueles encontrados dentro de casas e apartamentos, em cidades do sul e sudeste do Brasil.

Enquanto estiverem floridos, os ciclames devem ficar em locais sombreados, protegidos do sol. Quanto menores forem as temperaturas, durante este período, maior será a durabilidade das florações. Como elas ocorrem no inverno, é importante prestar atenção para manter o ciclame longe de lareiras e aquecedores.

Algumas dicas podem ajudar a manter as flores do ciclame bonitas por mais tempo. Frutas maduras, tais como banana e mamão, costumam exalar um gás chamado etileno. Ele é o responsável por acelerar a maturação de frutos, mas também atua sobre flores. De tal modo que é bom evitar que as flores do ciclame fiquem próximas a frutos em processo de amadurecimento. O gás por elas exalado pode acelerar o envelhecimento das flores.


Outro cuidado importante, no caso do ciclame, é evitar molhar as flores e folhas, durante as regas. Caso fiquem úmidas por muito tempo, estas estruturas tendem a ser atacadas por fungos e bactérias. Embora não seja fatal, este ataque causará danos à aparência destas estruturas vegetais. É a mesma situação que ocorre com a begônia e a flor da fortuna, por exemplo, que possuem folhas de natureza mais suculenta. As orquídeas também ficam com as flores seriamente danificadas, se molhadas com frequência.

Aliás, o esquema de regas do ciclame é um capítulo à parte, totalmente diferente do que estamos acostumados em relação ao cultivo da maioria das plantas de interiores. O ciclame deve ser regado de forma similar às violetas. O ideal é evitar derramar a água por cima da planta, molhando as folhas e flores. É preferível que a rega ocorra por baixo, colocando o vaso em um pratinho com água. Ela vai subir por capilaridade, umidificando o solo e as raízes de maneira gradual.

O importante é que, uma vez que o substrato esteja bem úmido, deve-se retirar o vaso de cima do pratinho e descartar a água remanescente. Preferivelmente, deve-se deixar o vaso sem o pratinho em baixo, para que não haja um acúmulo residual de água.

Durante a fase em que a planta está em crescimento vegetativo, as regas podem ser mais frequentes, de modo a deixar o solo sempre levemente úmido, nunca encharcado. Quando as flores se vão, e a planta entra em dormência, é preciso ter muito cuidado para não regar em excesso. Neste período, deve-se proceder da mesma forma como se rega cactos e suculentas, deixando que o substrato seque completamente, entre uma irrigação e outra.


O Cyclamen persicum é uma planta que aprecia níveis elevados de umidade relativa do ar. Quando cultivado dentro de casas e apartamentos, geralmente, ele enfrenta ambientes muito secos. Uma solução para este problema é utilizar umidificadores de ar. Alternativamente, pode-se colocar os vasos de ciclame sobre bandejas umidificadoras, que contêm uma camada de areia, brita ou argila expandida, com uma lâmina de água no fundo. Ela não entra em contato direto com as raízes, mas proporciona umidade ao ambiente em torno dos vasos. O agrupamento de vários vasos também ajuda a evitar a perda de água por evaporação. No entanto, é importante que eles não fiquem muito encostados, uns nos outros, uma vez que esta condição dificulta a circulação de ar entre as plantas e favorece o desenvolvimento de pragas.

O solo para o cultivo do ciclame é aquele de uso geral, comumente encontrado em lojas especializadas e garden centers, que são misturas próprias para o cultivo da maioria das plantas ornamentais que costumamos ter em casa. Um substrato próprio para o cultivo de violetas é bastante indicado para o cultivo do ciclame. De qualquer forma, o importante é que o vaso, seja ele de plástico ou de barro, tenha uma boa camada de drenagem no fundo, composta por brita, pedrisco ou argila expandida.

A adubação do ciclame deve ser feita de acordo com o seu ciclo de vida. Durante a fase de crescimento e desenvolvimento das folhas, um adubo de manutenção, do tipo NPK, com níveis equilibrados destes nutrientes, é mais do que suficiente. Pode-se aplicar a metade da dose recomendada pelo fabricante, quinzenalmente. No período que antecede a floração, pode-se aplicar um adubo mais rico em fósforo, para estimular o processo. Já durante a dormência do ciclame, a adubação pode ser suspensa.

O momento correto para retomar as regas e a adubação do ciclame é quando a planta começa a acordar do seu sono da beleza, momento que é sinalizado pelo nascimento de novos brotos. A partir de então, um novo ciclo se inicia, culminando em uma bela e renovada floração, no inverno.