Guia completo para cultivar plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Flor Begônia vermelha


Begônia vermelha
Begônia vermelha

A cada estação, as begônias ressurgem com flores cada vez maiores, mais vistosas e portando uma quantidade crescente de pétalas. Nem sempre foi assim. O competitivo mercado de flores, sempre exigente por novidades, vem demandando um constante trabalho de melhoramento das espécies, de modo que sua aparência evolua de forma impressionante. É o caso da begônia vermelha que ilustra este artigo, cujas flores com pétalas dobradas estão cada vez mais parecidas com rosas.

Já comentei aqui no blog que tenho uma queda por flores vermelhas. Mais especificamente, por orquídeas vermelhas. No entanto, não discrimino as flores de outras plantas. Sempre que vou a uma floricultura ou garden center, em busca de novas orquídeas ou suculentas, acabo voltando com um vaso de begônia.

Begônia vermelha
Begônia vermelha

Tenho a impressão de que, a cada visita, as flores das begônias ficam maiores, mais repolhudas e mais numerosas. Como esta é uma planta que, infelizmente, não refloresce bem aqui no apartamento, sempre acabo comprando um vaso novo. E, invariavelmente, este novo exemplar é uma begônia vermelha!

Além de lembrarem rosas, as begônias vermelhas apresentam a vantagem de virem plantadas em vasos, o que prolonga a durabilidade das flores. Além disso, há sempre a possibilidade de novos botões florais desabrocharem. Ocasionalmente, quando bem cultivada, a planta pode até florescer novamente. Já as rosas, embora muito mais exuberantes, são mais efêmeras, enquanto flores de corte.

Vejo as begônias como uma excelente opção de diversificação, frente às tradicionais violetas e calandivas que costumam enfeitar qualquer cantinho da casa.

Begônia vermelha
Begônia vermelha

O gênero Begonia, pertencente à família botânica Begoniaceae, foi assim nomeado em homenagem a um oficial do antigo regime francês, Michel Bégon, que era um conhecido apaixonado por plantas. As quase mil espécies de begônias distribuem-se originalmente por diversos países tropicais do continente americano. Do ponto de vista comercial e ornamental, existem basicamente dois tipos de begônias. 

A maioria das espécies de begônia é cultivada devido à beleza de sua folhagem. A Begonia rex, por exemplo, apresenta diferentes variedades portando folhas em tons acobreados, avermelhados, rosados, prateados ou com padrões de pintas e manchas de grande efeito ornamental. Outra begônia de folhagem majestosa é a Begonia Angel Wing, ou asa de anjo, resultante do cruzamento entre as espécies Begonia coccinea e Begonia aconitifolia.

Nestes casos, as flores são menores e mais discretas. As begônias com folhagens ornamentais são excelentes opções para quem cultiva plantas em interiores. Dentro de casas e apartamentos, nem sempre a luminosidade é suficiente para induzir a floração das plantas. Neste sentido, as folhagens atraentes das diferentes espécies e híbridos de begônia são suficientes para iluminar qualquer ambiente interno com uma explosão de cores e padronagens, que em nada deixam a dever às flores, em termos de beleza e exotismo.

Begônia vermelha com Chamaedorea elegans
Chamaedorea elegans e begônia vermelha

Já as begônias comercializadas pela beleza de suas flores, como é o caso da begônia vermelha, descendem de algumas espécies diferentes. Elas são frutos de um trabalho intensivo de melhoramento genético, através de cruzamentos sucessivos ao longo de décadas, para que o número de flores por planta aumente. Além disso, existe um direcionamento para obtenção de uma quantidade cada vez maior de pétalas. As principais espécies de begônia envolvidas neste trabalho de hibridização são a Begonia elatior, Begonia cucullata e Begonia tuberosa, que naturalmente já apresentam flores mais vistosas, em relação à Begonia rex, por exemplo.

Neste contexto, ficamos cientes de que as begônias vermelhas, ou de qualquer outra cor, que encontramos nas floriculturas, com inúmeras flores imensas e repolhudas, são de fato híbridos descendentes das várias espécies acima mencionadas.

As begônias vermelhas são frágeis demais para serem comercializadas como flores de corte. Por esta razão, acabam durando bastante, já que chegam do produtor plantadas em vasos. Frequentemente, as plantas vêm repletas de botões florais, que vão desabrochando sucessivamente ao longo das semanas.

Durante o período em que a begônia estiver florida, alguns cuidados devem ser tomados para que as flores durem mais. O vaso deve ficar em um ambiente protegido da luz solar direta, de ventos fortes e da chuva. O excesso de luminosidade pode queimar as folhas da begônia vermelha, ao passo que o vento constante tende a desidratá-las. Durante as regas, é bom evitar que as folhas e flores sejam molhadas. O excesso de umidade favorece a proliferação de fungos e bactérias, que podem arruinar a aparência da begônia vermelha. O fungo Botrytis cinerea, particularmente, é conhecido por causar manchas amarronzadas nas flores. Portanto, na hora de regar, apenas o solo deve ser molhado.


A begônia vermelha pode ser mantida no mesmo vaso plástico no qual ela vem do produtor. Para melhorar a aparência do conjunto, basta colocá-lo no interior de cachepots decorativos. No entanto, é importante retirar o vaso no momento da rega, esperar a água escoar bem, para somente então colocá-lo de volta no cachepot, que não costuma ter furos de drenagem no fundo. Da mesma forma, é bom evitar a utilização do pratinho sob o vaso da begônia, que tende a acumular água e pode atrair mosquitos da dengue. Além disso, o excesso de umidade em torno das raízes pode acabar fazendo com que elas apodreçam. Quanto melhor a parte vegetativa da begônia vermelha for cuidada, maior será a duração de suas flores.

Após o término da floração, um cuidado extra deve ser tomado. A begônia deve ser transferida para um local com mais luminosidade, preferencialmente uma área externa, como uma varanda. Alternativamente, ela pode ser colocada bem próxima a uma janela que receba bastante luz. Em ambos os casos, o importante é que a begônia vermelha não seja exposta à luz solar direta. Trata-se de uma planta acostumada a uma luminosidade mais difusa. A luz indireta é um dos principais fatores que vão influenciar na estimulação de novas florações.

Outro fator bastante importante para que a begônia vermelha volte a florescer é a adubação. Existem fórmulas de adubos químicos, do tipo NPK, à venda em lojas especializadas, que são destinados a induzir a floração das plantas. São formulações com um maior teor de fósforo, o P da sigla. Apenas exemplificando, um adubo do tipo 10-30-10 seria apropriado para esta finalidade. Os números não são importantes, e sim a proporção relativa dos componentes.

Existe ainda a possibilidade de utilizar adubos orgânicos. Existem inúmeras opções, tais como torta de mamona, esterco curtido, húmus de minhoca e farinha de osso. Pessoalmente, costumo evitar este material porque cultivo as plantas dentro do apartamento. Todo adubo orgânico precisa sofrer uma decomposição, a fim de liberar os elementos químicos necessários à nutrição das plantas. Durante este processo, é comum que odores desagradáveis sejam exalados. Além disso, insetos dos mais variados tipos são atraídos, o que não é muito conveniente em ambientes internos.


No entanto, como nem tudo é perfeito, as próximas florações, que ocorrem em nossos ambientes domésticos, deixam muito a desejar em termos de exuberância e beleza. Geralmente, quando conseguimos fazer nossas begônias reflorescerem, obtemos flores menores, em menor quantidade. Isto ocorre porque estamos muito distantes das condições ideais que os produtores oferecem, em termos de luminosidade, ventilação e umidade relativa do ar, parâmetros muito bem controlados nas estufas comerciais.

Portanto, o mais provável é que, a despeito de todos os nossos cuidados, a begônia vá ficando cada vez mais mirrada e produzindo cada vez menos flores, até que acabamos comprando outra. Isto é muito frequente nos casos em que as plantas são cultivadas em apartamento. Ainda assim, tendo em vista o baixo preço das begônias floridas que encontramos no mercado, considero que sempre vale a pena termos alguns vasos em casa. Trazem beleza e alegria ao ambiente, durando mais do que as flores de corte.

Além disso, há sempre a possibilidade de montarmos uma bela coleção de begônias que não precisam florescer para ficarem bonitas. São imensas as opções de folhagens ornamentais, de begônias dos mais diferentes tamanhos, formatos e cores. Para quem cultiva plantas dentro de casa, estas begônias são uma companhia indispensável.