Guia Completo para Cuidar de Plantas dentro de Casas e Apartamentos

Início

Sergio Oyama Junior


Orquídeas no Apê
Orquídeas no Apê

Lírio do Zéfiro - Zephiranthes sp


Zephiranthes grandiflora
| Zephiranthes grandiflora |

Esta é uma delicada planta ornamental que atende por diversos nomes, populares e científicos, todos repletos de significados. Diferentes espécies pertencentes ao gênero botânico Zephirantes são comumente chamadas de lírios do vento. Em países de língua inglesa, esta planta recebe os apelidos rain lily ou rain flower, lírio da chuva ou flor da chuva. Por fim, outro termo popular bastante utilizado, aqui no Brasil, é lírio do Zéfiro. A seguir, conheceremos as razões para cada um destes nomes.

A primeira curiosidade é que, apesar dos apelidos, as espécies de Zephirantes não são lírios verdadeiros, uma vez que não pertencem à família botânica Liliaceae. O lírio do Zéfiro é, na realidade, uma planta bulbosa, parente da amarílis e do narciso, fazendo parte da família Amaryllidaceae.


O nome científico do gênero Zephirantes surgiu a partir da latinização das palavras gregas Zephyrus, a divindade associada ao vento do oeste, segundo a mitologia grega, e anthos, que significa flor. Por este motivo, podemos encontrar Zephyr lily como nome popular desta planta, em outros países, assim como utilizamos lírio do Zéfiro, por aqui.

Esta também é a razão pela qual muitos se referem às diferentes espécies e cultivares de Zephirantes como lírios do vento. No entanto, o apelido lírio da chuva é o mais significativo, já que esta planta costuma florescer durante as estações mais chuvosas do ano, tipicamente durante o verão e início do outono. A característica ornamental mais interessante relacionada ao lírio do Zéfiro é o fato de ele produzir várias flores, simultaneamente, apenas alguns dias após uma chuva intensa.

Embora as flores do lírio do vento durem apenas um ou dois dias, isoladamente, grandes touceiras podem permanecer floridas por bastante tempo, graças às florações que ocorrem de forma sequencial. As cores e fragrâncias variam conforme as espécies e híbridos, mas geralmente apresentam diferentes tonalidades entre o branco e o amarelo, havendo também espécies com as flores rosadas, como a Zephirantes grandiflora. Já a Zephirantes citrina, como o nome sugere, produz flores amarelas. Também há o lírio do Zéfiro branco, cuja espécie mais representativa é a Zephirantes candida.


Neste gênero botânico, as flores sempre apresentam três sépalas, três pétalas e seis estames, as estruturas que carregam o pólen. O lírio do Zéfiro é conhecido por suas flores delicadas, com um formato levemente afunilado na base. Nem todas são perfumadas, sendo que esta característica depende da espécie e híbrido em questão. Ao que tudo indica, a dificuldade de se obter variedades perfumadas é o fato de este ser um traço recessivo, nos cruzamentos.

Para que floresçam na estação correta, os bulbos do lírio do vento devem ser plantados durante o outono. O solo ideal para o plantio da Zephirantes é aquele fértil, rico em matéria orgânica, de natureza mais ácida, levemente arenoso. O material deve ser bem drenável, pouco compactado. Existem diversos substratos prontos para o cultivo de plantas floríferas, em lojas de jardinagem. Estes solos podem ser misturados a compostos orgânicos, como esterco curtido ou húmus de minhoca, em partes iguais.

Mesmo antes de brotarem, os bulbos de lírio do Zéfiro precisam ser regados moderadamente. Esta é uma planta que não tolera grandes períodos de estiagem. No entanto, é importante que a terra não fique demasiadamente encharcada. Quando plantado em vasos, o lírio do vento precisa ter uma boa camada de drenagem no fundo, que pode ser composta por argila expandida ou cacos de telha. Por cima deste material, uma manta geotêxtil, ou mesmo um filtro de café reutilizado, ajuda a reter o solo, impedindo que o material se perca pelos furos do vaso, durante as regas.


A condição ideal para que o lírio do Zéfiro floresça é o sol pleno. No entanto, a planta precisa ser protegida do sol mais intenso, nas horas mais quentes do dia. Dentro de casas e apartamentos, é importante que o vaso fique bem próximo a uma janela ampla e ensolarada. Coberturas, sacadas e jardineiras externas, que recebam bastante luz solar, também são locais apropriados para o cultivo do lírio do vento.

É importante lembrar que, em ambientes internos, o lírio do Zéfiro não se beneficiará da forte chuva, que é o fator desencadeador de suas florações. Portanto, para simular esta situação, basta regar a planta abundantemente, durante as estações tipicamente mais chuvosas do ano, no final da primavera e ao longo de todo o verão. Após as regas intensas, é importante que todo o excesso de água escoe bem pelos furos no fundo do vaso, de modo que não fiquem acumuladas por muito tempo. Este é um fator que pode causar o apodrecimento das raízes, graças à proliferação de fungos e bactérias.

Após o término da floração, não é preciso cortar a folhagem, que tem o aspecto de um capim. As folhas continuarão a realizar fotossíntese, fortalecendo os bulbos para uma nova floração, no ano seguinte. Com o tempo, naturalmente, estas estruturas vão amarelando e secando, até que a planta entre em um período de dormência.


Nesta fase da vida do lírio do Zéfiro, não é necessário desenterrar o bulbo e guardá-lo em outro local, como fazemos com outras plantas bulbosas. Ele pode ficar no solo, mas as regas devem ser reduzidas, durante o inverno. Na época apropriada, uma nova planta surgirá e mais uma floração será produzida.

De modo geral, as espécies de Zephirantes não necessitam de uma adubação complementar, uma vez que o solo já é rico em nutrientes, fornecidos pelos compostos orgânicos, e os bulbos armazenam todos os elementos necessários para que a planta se desenvolva e floresça. Caso o cultivador deseje, pode reforçar a adubação orgânica com um fertilizante de manutenção, do tipo NPK, durante os meses de crescimento vegetativo do lírio do vento.

Por fim, muito embora o lírio do Zéfiro tenha sido utilizado, por diversas culturas, como planta medicinal, seus efeitos terapêuticos ainda não foram comprovados. Além disso, suas estruturas vegetais são ricas em alcaloides, compostos químicos que podem ser tóxicos, caso ingeridos. Sendo assim, convém manter a planta fora do alcance de crianças pequenas e pets.

Eu, particularmente, adoro a ideia de comprar bulbos em lojas de jardinagem. São como pacotes de presentes, que se abrem espontaneamente, meses depois. Para quem está acostumado a cultivar amarílis, os cuidados com o lírio do Zéfiro são muito parecidos. Vale a pena tentar.

Este artigo sobre o lírio do Zéfiro foi uma sugestão de um leitor do blog, que acompanha e incentiva este trabalho com suas mensagens. Ao Alexandre, meu muito obrigado pela importante participação!

Publicado em: | Última atualização:





Bacharel em biologia pela Unicamp, com mestrado e doutorado em bioquímica pela Usp, escreve sobre o cultivo de orquídeas, suculentas, cactos e outras plantas dentro de casas e apartamentos.

São Paulo, SP, Brasil