Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Cacto Sianinha - Selenicereus anthonyanus


Cacto Selenicereus anthonyanus
Selenicereus anthonyanus

Nem todos os cactos são seres finos, compridos e repletos de espinhos. Também não são todas as cactáceas que adoram torrar sob o sol escaldante de áreas desérticas, como frequentemente visto nos desenhos animados. A estrela do artigo de hoje, por exemplo, Selenicereus anthonyanus, mais conhecida como cacto sianinha ou cacto zig zag, vai contra todos estes estereótipos. Trata-se de uma planta pendente, de hábito epífito, que adora sombra e não possui espinhos agressivos. Sendo assim, este é um cacto perfeito para ser cultivado dentro de casas e apartamentos.

O cacto sianinha não está sozinho nesta categoria dissonante da maioria das cactáceas que conhecemos. Aqui no blog, já apresentamos o cacto orquídea, Epiphyllum oxypetalum, o cacto macarrão, Rhipsalis baccifera, e a flor de maio, que, incrivelmente, também é um cacto, Schlumbergera truncata. Todas estas plantas pertencem à família Cactacea, apresentando, em comum, a ausência de espinhos, predileção por ambientes mais sombreados, hábito de vida epífito e aspecto pendente.

A espécie Selenicereus anthonyanus é originária do México. No passado, o cacto sianinha era classificado como Cryptocereus anthonyanus. Devido ao formato peculiar de seus caules, esta cactácea costuma ser chamada de fishbone cactus (cacto espinha de peixe) ou zig zag cactus, em países de língua inglesa.

O cacto sianinha somente foi descoberto na década de 1940, um tanto quanto tardiamente. Sua primeira floração ocorreu em 1950, nas estufas do naturalista americano Harold E. Anthony, no estado de Jersey, em 1950. O nome da espécie faz uma homenagem a este acontecimento.


Em um primeiro momento, acreditava-se que o cacto sianinha, recém-descoberto, fosse uma espécie do já conhecido gênero Epiphyllum. Somente após a floração obtida por Anthony, foi constatado tratar-se de uma grande novidade, um gênero desconhecido, até então. Por este motivo, o primeiro nome científico do cacto zig zag foi Cryptocereus anthonyanus. O nome do gênero carrega o prefixo crypto, que significa escondido.

Como os taxonomistas nunca estão satisfeitos, resolveram mudar o nome científico do cacto sianinha para Selenicereus anthonyanus, anos mais tarde. Além do formato exótico dos seus longos caules pendentes, esta planta também chama a atenção por suas flores, que são grandes e perfumadas, similares às apresentadas pelo cacto orquídea. No caso do cacto zig zag, as flores mesclam pétalas avermelhadas com outras na coloração branca, mais ao centro. Também da mesma forma que acontece com o cacto orquídea, estas florações do cacto sianinha são noturnas. Os botões florais começam o desabrochar no final da tarde, atingindo o seu ápice duranta a madrugada. É neste período que os seus agentes polinizadores, os animais de hábitos noturnos, estão mais ativos. Com o raiar do dia, as flores do cacto zig zag já começam a fenecer.

Por ser uma espécie atípica, o cacto sianinha não vive em regiões áridas ou semiáridas, sob sol pleno. O Selenicereus anthonyanus adaptou-se à vida em florestas úmidas e tropicais, vegetando com suas raízes aderidas aos troncos das árvores, iluminado sob os raios solares filtrados pelas copas das árvores. Neste tipo de ambiente, os nutrientes chegam através da água da chuva, da decomposição de folhas ou dejetos de pequenos animais, que se acumulam sobre os troncos nos quais as raízes se apoiam. Sendo assim, ao contrário dos cactos do deserto, adaptados à vida sobre um solo pobre em nutrientes, o cacto zig zag aprecia elevados níveis de matéria orgânica, em seu substrato.

Neste contexto, ao invés da clássica mistura de terra e areia, comumente utilizada no cultivo de cactos e suculentas, o ideal é cultivar o cacto sianinha em um solo mais fértil, acrescido de húmus de minhoca ou esterco curtido, entre outras opções de matérias orgânicas. Além disso, como se trata de uma planta epífita, é importante adicionar materiais particulados, como casca de pinus, carvão vegetal ou fibra de coco, comumente utilizados no cultivo de orquídeas.

Apesar de ser uma planta resistente, de fácil cultivo e rápido desenvolvimento, o cacto sianinha é conhecido por sua relutância em florescer. Ainda que goste de ambientes sombreados, o Selenicereus anthonyanus precisa de bastante luminosidade indireta para produzir suas flores. Esta é uma planta que pode, inclusive, tolerar o sol direto do início da manhã ou do final da tarde. De modo geral, quando o cacto zig zag se recusa a florescer, o motivo é a quantidade insuficiente de luz.


Outro fator que auxilia no processo de floração é a adubação. Ainda que o substrato já contenha nutrientes, sob a forma de compostos orgânicos, é interessante reforçar a fertilização com adubos mais ricos em fósforo, a letra do meio da formulação NPK. Existem adubos próprios para estimular a floração de plantas, à venda em lojas especializadas e garden centers. Esta formulação pode ser alternada com uma que apresente níveis equilibrados de nutrientes, para garantirem o desenvolvimento vegetativo do cacto zig zag.

Como uma planta tropical, originária de matas úmidas, o cacto sianinha precisa de regas mais frequentes, em comparação à maioria dos cactos e suculentas. O solo pode ficar ligeiramente úmido, sem secar completamente, entre as irrigações. No entanto, é sempre aconselhável evitar o encharcamento do substrato. Para tanto, é importante que o solo seja rapidamente drenável e que o vaso tenha furos no fundo e uma camada de pedrisco ou argila expandida, por baixo do substrato.

A multiplicação do cacto sianinha é bastante fácil e rápida. Basta cortar segmentos do caule, aguardar que as incisões sejam cicatrizadas, e plantá-los separadamente. Naturalmente, os ramos do Selenicereus anthonyanus já vão produzindo raízes aéreas, que são capazes de auxiliar a planta a escalar os troncos das árvores. Uma vez cortados, os segmentos do cacto zig zag tendem a produzir novas raízes e gerar outras plantas, com bastante tranquilidade.

Ainda que não floresça, principalmente se for cultivado dentro de casas e apartamentos, o cacto sianinha apresenta uma aparência extremamente exótica e ornamental. Trata-se de uma excelente opção de cactácea para ambientes internos, desde que apresentem níveis suficientes de luminosidade. Por ser bastante resistente e de fácil cultivo, o cacto zig zag é perfeito para quem está começando a cultivar plantas, podendo, eventualmente, recompensar o cultivador mais avançado com belas e perfumadas flores noturnas.