Entrevista com Masuji Kayasima


Orquídea Miltonia kayasimae
Miltonia kayasimae

Apesar de não pertencer à Academia Brasileira de Ciências, o orquidófilo Masuji Kayasima pode ser considerado um imortal. Afinal, este pesquisador que se dedica ao estudo das micro-orquídeas, há mais de 50 anos, empresta seu sobrenome latinizado a pelo menos cinco espécies de plantas por ele descobertas. Profundo estudioso das orquídeas e de seu habitat, o Sr. Masuji divide conosco um pouco de seu conhecimento nesta entrevista exclusiva.

O.A. Conte-nos um pouco sobre o início do Paraíso das Micro-orquídeas. Como surgiu a ideia de construí-lo?

M.K. A história é longa. Meus pais vieram do Japão, na época da Segunda Guerra Mundial, para trabalhar na lavoura de café. Após um breve período em Santos, tiveram que se mudar para Mogi das Cruzes, instalando-se no sítio em que nasci e onde vivo até hoje. Minha mãe costumava cultivar algumas orquídeas na propriedade. Como toda criança adora brincar com água, meu passatempo preferido era regar as orquídeas da minha mãe. Eu tinha 6 a 7 anos. Desde então, a paixão por estas plantas só aumentou.

Aos 14 anos, eu já possuía mais de 500 vasos de orquídeas catalogadas. Com 16 anos, apesar de muito jovem, já fazia julgamentos de orquídeas em exposições pelo interior de São Paulo. Foi um período difícil, já que os associados mais velhos não aceitavam as opiniões de alguém tão jovem.

O Paraíso das Micro-orquídeas cresceu junto com a coleção e o conhecimento. Cada árvore foi plantada com o objetivo de abrigar as orquídeas e mimetizar seu habitat natural, a Mata Atlântica. Esse trabalho vem sendo desenvolvido ao longo dos últimos 50 anos. Hoje, o local é visitado por especialistas de todo o mundo e faz parte do programa de turismo rural da região.

Paraíso das Micro-orquídeas
Paraíso das Micro-orquídeas

O.A. Como é feito o cultivo de tantas orquídeas, em uma área tão extensa? Quais são os principais cuidados e quanto do seu tempo eles tomam?

O cultivo no Paraíso das Micro-orquídeas é feito de forma totalmente orgânica, sem o uso de produtos industrializados, como adubos e defensivos. A própria natureza encarrega-se de nutrir as orquídeas. O maior trabalho consiste em regar todas as plantas, tarefa que pode ser diária, dependendo das condições climáticas. Esta atividade consome várias horas por dia.

Costumo reaproveitar todos os materiais disponíveis no sítio para o cultivo das orquídeas. As cascas de nozes macadâmia, depois de perfuradas e descartadas pelos esquilos caxinguelê, meus ajudantes, servem como pequenos vasos para as micro-orquídeas. Os ossos também podem ser usados, desde que devidamente limpos por outros ajudantes, os cachorros e as formigas, que se encarregam de retirar todo o resíduo de carne e gordura. Além de fornecer suporte para as orquídeas, os ossos são importante fonte de cálcio para as plantas. Também utilizo rolhas de cortiça, sabugos de milho e conchas de ostras.

Espalho CDs velhos pendurados pela propriedade, já que seu brilho ajuda a espantar os pássaros que insistem em desplantar as orquídeas, em busca de material para seus ninhos. Também penduro placas adesivas, nas cores azul e amarela, que se encarregam de capturar insetos sugadores e raspadores.

O.A. Fale-nos um pouco sobre as suas descobertas científicas na área da orquidofilia.

Ao longo destes anos, descobri cinco novas espécies de orquídeas, entre elas a Miltonia kayasimae, planta bastante rara encontrada na Serra do Mar e descrita em 1997. Outra descoberta importante ocorreu nas matas onde hoje encontra-se o empreendimento Riviera de São Lourenço. Uma orquídea de coloração única, a Miltonia spectabilis semi-alba 'Laura Kayasima', foi assim nomeada em homenagem à minha esposa. Há também a Rodriguezia x Kayasimae, híbrido primário natural, e a Specklinia kayasimae.

Orquídea Miltonia spectabilis semi-alba 'Laura Kayasima'
Miltonia spectabilis semi-alba 'Laura Kayasima'

O.A. Sua propriedade está aberta a visitantes? Que atividades podem ser realizadas lá?

Sim, o Paraíso das Micro-orquídeas recebe visitas, desde que agendadas. Costumamos receber grupos de 15 a 25 pessoas. O melhor dia para visitação costuma ser aos sábados. São oferecidos cursos de cultivo de orquídeas, com uma parte teórica e uma visita guiada pela propriedade. Os visitantes podem ainda tomar um café da manhã cercados por micro-orquídeas, beija-flores e esquilos.

Masuji Kayasima e as micro-orquídeas
Masuji Kayasima e as micro-orquídeas

O.A. Gostaria que nos falasse sobre seu projeto de escrever um livro sobre as micro-orquídeas. Existem patrocinadores interessados?

O livro sobre as micro-orquídeas vem despertando o interesse de várias pessoas e empresas, mas, até o momento, nada foi formalizado. Possuo um acervo de mais de 10 mil fotos de micro-orquídeas da Mata Atlântica, além de ilustrações botânicas de minha autoria. A quantidade de imagens inseridas no livro é o que vai determinar o custo de impressão e seu preço. Continuo aberto a propostas e à disposição de patrocinadores interessados em apoiar esta obra, que seria única no mundo.

O.A. Esta entrevista e minha visita ao Paraíso das Micro-orquídeas somente foram possíveis graças à intermediação da família Kawauchi, a quem sou muito grato. Primas queridas que eu só vim a conhecer depois de adulto, Dirce, Megumi e Elize Kawauchi são amigas de longa data do Sr. Masuji, a quem gentilmente me apresentaram.

Desde o primeiro artigo publicado sobre sua coleção de micro-orquídeas, considerada a maior do mundo, venho recebendo aqui no blog inúmeros pedidos de pessoas interessadas em adquirir plantas, fazer cursos ou visitar a propriedade. Portanto, deixo de antemão os dados para contato com o Sr. Masuji Kayasima, a quem agradeço imensamente pela disposição e generosidade em conceder esta entrevista.

Paraíso das Micro-orquídeas
Estrada Mogi-Salesópolis, km 5
Mogi das Cruzes - SP
Tels: (11) 4792-8726 / 4761-3186

26 comentários:

  1. Adorei a entrevista!...Eu havia visto há algum tempo uma reportagem,acho que na Globo,mas eles falaram muito pouco sobre o lugar e o trabalho do Sr Masuji.
    Foi muito bom também ter o endereço do local!..e o telefone!
    Excelente reportagem Sergio!...
    Suely Ceruci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suely! É verdade, lembro-me de uma matéria no Globo Repórter sobre o Sr. Masuji. De fato, o lugar é fascinante, difícil descrever em palavras. Vale a pena visitar e conhecer melhor!

      Que bom saber que gostou da entrevista, Suely! Sou sempre muito grato pela sua visita e interesse! Muito obrigado por todo o apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Olá Sérgio!
    Parabéns por esta entrevista deliciosa e muito informativa e obrigado por nos dar a conhecer mais um dos "mundos" fascinantes da orquidofilia no Brasil. Mesmo virtualmente, é um privilégio poder conhecer locais como esse e poder disfrutar da experiência de pessoas como o Sr. Masuji, que tanto nos enriquecem.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Américo! Que ótimo receber sua visita e saber que gostou da entrevista! Sua opinião é sempre muito importante para mim. Também aprendo bastante com conceituados orquidófilos de Portugal, como você!

      Muito obrigado pelo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Muito bom,coloca outras iguais,isso faz muito bem a alma.


    Abraçoooooos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nina! Tudo bem? Fico muito feliz por saber que está gostando das entrevistas. Prometo que vou tentar colocar outras deste tipo!

      Muito obrigado pela visita!

      Bjos e tudo de bom!

      Excluir
  4. Que beleza de matéria! Obrigada por dividir este momento conosco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia! Para mim é um prazer e uma alegria poder compartilhar estas informações! Que bom que gostou, muito obrigado pelo comentário e interesse!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Bom dia Sérgio!
    Lendo agora eu lembrei do vídeo que já tinha assistido no Jornal Hoje se não me engano e revi na tua postagem anterior.
    Deves ter ido paraíso mesmo!!!
    Eu acho que nunca vi ao vivo um verdadeira micro orquídea, as das floriculturas são maiores.
    Maravilhosa entrevista. Seu Masuji tão dedicado merecia ter sua obra Publicada, com certeza faria pelo mundo inteiro. A luta não é fácil!

    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana! É verdade, o Sr. Masuji já apareceu em alguns documentários exibidos pela Globo e afiliadas. De fato, o local é espetacular, vale a pena conhecer.

      Infelizmente, as micro orquídeas não são facilmente encontradas no mercado. É uma pena! Quem sabe o livro ajude a popularizar estas pequenas joias!

      Fico muito feliz por saber que gostou da entrevista, Ana! Muito obrigado pela visita e pelo interesse!

      Um grande abraço!

      Excluir
  6. Puxa que fantástico, hein! Ter um sobrenome seu atribuído a uma orquídea deve ser o ápice para quem lida com essas plantas! Obrigado pelas informações, boa noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalon! Pois é, não posso imaginar honra maior do que esta. Espero que o livro possa ser publicado, ele merece. Que bom, imagine, eu que agradeço a você pela visita e interesse!

      Uma ótima noite e um grande abraço!

      Excluir
  7. Obrigado por compartilhar.
    Quero morar perto do sítio dele rsrsrsr.
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bete! Já pensou? Seria ótimo!

      Imagine, eu que agradeço a você pela visita e interesse!

      Um grande abraço!

      Excluir
  8. Realmente: é um paraíso! Pretendo ir lá!

    abraços,
    www.hortaladecasa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jaqueline, que bom! Vá sim, vale a pena!

      Muito obrigado pela visita!

      Um grande abraço!

      Excluir
  9. Bela entrevista. Espero ser um grande pesquisador como ele um dia..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vinícius! Que bom, tenho certeza de que você será um grande pesquisador. Quando puder, faça uma visita ao Sr. Masuji!

      Muito obrigado pela visita e um grande abraço!

      Excluir
  10. Olá Sergio! Que entrevista maravilhosa, parabéns! Adorei conhecer seu blog, vou visitá- lo sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Clau, tudo bem? Que ótimo saber que gostou! Muito obrigado pela visita e pela consideração!

      Um grande abraço!

      Excluir
  11. Que trabalho lindo,Sérgio! Também amei a entrevista e fiquei com muita vontade de conhecer este pequeno paraíso das micro-orquídeas! E que exemplo lindo de vida, de dedicação, de trabalho e amor à natureza... Essas estórias emocionam o coração da gente e nos enche de esperança em saber que existem ainda tantas pessoas boas e especiais que estudam,cuidam e respeitam a natureza...Parabéns para o senhor Masuji Kayasima e para você pelo lindo post!
    Tudo de bom e o meu grande abraço!!!
    Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Teresa! Fiquei muito contente por saber que gostou da entrevista, que bom! De fato, o trabalho do Sr. Masuji é um exemplo de amor e dedicação à natureza.

      Muito obrigado pela sua visita e interesse!

      Um grande abraço e tudo de bom, uma ótima semana!

      Excluir
  12. que maravilha de entrevista,parabéns...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Regis, tudo bem? Que bom que gostou, muito obrigado pela visita!

      Um grande abraço!

      Excluir
  13. Parabéns por sua entrevista, Sérgio!
    Estou torcendo para ver a publicação do livro do Sr. Masuji, seja em papel ou digital.
    Abraços.
    Ricardo Augusto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Ricardo? Que alegria ler seu comentário! Também torço bastante para que este projeto seja realizado. Muito obrigado pela visita e apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir