Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Lanterna Chinesa - Abutilon striatum


Abutilon striatum
Abutilon striatum

É impressionante a semelhança desta flor, lanterna chinesa, com aquelas clássicas luminárias feitas de papel, típicas de diversas culturas orientais. A lanterna chinesa, também conhecida como lanterna japonesa, é uma flor produzida por um arbusto, cujo nome científico é Abutilon striatum. Ao contrário da maioria das plantas apresentadas aqui no blog, que costumam ser cultivadas dentro de casas e apartamentos, a lanterna chinesa é mais apropriada para áreas externas, desenvolvendo-se melhor sob sol pleno. Ainda assim, é possível cultivá-la em apartamentos, em sacadas e coberturas ensolaradas.



Apesar do apelido, a lanterna chinesa é produzida por uma espécie tipicamente tropical, originária do continente americano. As diferentes espécies do gênero Abutilon fazem parte da família Malvaceae, a mesma do hibisco (Hibiscus) e do baobá (Adansonia digitata). O Abutilon striatum pode ser encontrado no Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Em território brasileiro, a lanterna chinesa faz parte da vegetação da Mata Atlântica.

Bastante cultivada no exterior, devido às características ornamentais de suas flores, a lanterna chinesa é conhecida como red vein indian mallow, algo como a malva indiana de veios vermelhos. Mas também há quem chame esta planta de chinese lantern, assim como no Brasil.

Quando bem cultivado, um exemplar de lanterna chinesa fica repleto de delicadas flores pendentes,  alaranjadas com veios vermelhos, balançando como brincos ao vento. Suas florações podem acontecer ao longo de todo o ano, mas concentram-se nos meses mais quentes do ano, durante a primavera e verão. A flor da lanterna chinesa é conhecida por atrair beija-flores e borboletas. É muita beleza e delicadeza para uma planta só. Ainda que algumas pessoas conheçam a lanterna chinesa como brinco de princesa, o mais comum é que este apelido seja atribuído às fúcsias, do gênero botânico Fuchsia.


As folhas da lanterna chinesa, Abutilon striatum, são recortadas, lembrando as do bordo (gênero botânico Acer), conhecido no exterior como maple tree. Por esta razão, em países de língua inglesa, a lanterna chinesa também pode ser chamada de red vein flowering maple.

Este é um arbusto que pode atingir grandes proporções, chegando aos 4 metros de altura. No entanto, no cultivo doméstico, é mais comum encontrarmos exemplares de menor porte. A lanterna chinesa é uma planta bastante versátil, podendo ser cultivada em jardins, plantada diretamente na terra, ou em vasos. Devido à natureza flexível de seus longos ramos, esta planta pode ser cultivada sob a forma pendente, em vasos suspensos, ou em treliças, como uma trepadeira. A lanterna chinesa fica perfeita em varandas de apartamento, ajudando na composição de jardins verticais.

Além de belíssima, a flor da lanterna chinesa é comestível, de modo que ela pode ser considerada uma representante do grupo das PANC (plantas alimentícias não convencionais). Além da espécie Abutilon striatum, nome científico da lanterna chinesa, outros membros do gênero Abutilon produzem flores comestíveis. Elas podem ser consumidas cruas ou cozidas, sendo comumente utilizadas em saladas e na decoração de bolos. Durante o preparo dos pratos com a flor da lanterna chinesa, é aconselhável retirar os estames, para evitar problemas em pessoas alérgicas ao pólen. É importante fazer uma boa higienização de flores coletadas de plantas cultivadas em áreas urbanas, já que elas costumam ficar impregnadas com resíduos de poluição.

Não por acaso, a espécie Abutilon striatum, da lanterna chinesa, é parente dos diversos tipos de hibiscos, do gênero Hibiscus, cujas flores também são comestíveis. As flores e frutos de Hibiscus costumam ser utilizadas na culinária japonesa, em conservas. Além disso, o famoso chá de hibisco é produzido com as pétalas das flores desta planta.


A lanterna chinesa é uma planta bastante rústica e resistente. Nativa da Mata Atlântica, ela está habituada a solos férteis, ricos em matéria orgânica, mantidos sempre levemente úmidos. O Abutilon striatum aprecia elevados níveis de umidade relativa do ar, como ocorre nas florestas tropicais, que constituem seu habitat de origem.

Por isso, é importante que a lanterna chinesa seja regada com frequência, principalmente se cultivada em vasos. Jardineiras localizadas na parte externa das janelas de apartamentos, bem como varandas de andares mais altos, costumam ser atingidas por ventos constantes, o que retira a umidade do ambiente. Portanto, o cuidado com a frequência das regas deve ser redobrado, nestes ambientes de cultivo. O solo precisa estar levemente úmido, constantemente, sem encharcamentos.

Uma vez que a espécie Abutilon striatum ocorre em uma vasta região, que abrange o sul da América do Sul, até o Uruguai, a lanterna chinesa pode tolerar temperaturas mais baixas. Em regiões de climas muito quentes, é aconselhável proteger a planta do sol intenso, incidente nas horas mais quentes do dia. Esta é uma planta que não irá se desenvolver muito bem dentro de casas e apartamentos, devido à falta de luminosidade. Sob estas condições de cultivo, é mais difícil que suas florações ocorram, sendo elas o principal atrativo da lanterna chinesa.

Para garantir que o Abutilon striatum fique repleto de flores com o formato de lanternas chinesas, é importante adubar este arbusto com uma formulação mais rica em fósforo. Existem fertilizantes específicos para a estimulação da floração, do tipo NPK, com uma concentração maior do elemento químico P (fósforo). Para uma maior praticidade, a lanterna chinesa pode ser plantada com um solo no qual este adubo já é misturado, sob a forma de grânulos de liberação lenta.


A lanterna chinesa pode ser facilmente propagada através do método de estaquia. Basta cortar alguns ramos da planta, preferencialmente aqueles que apresentem um menor grau de lignificação, sendo mais macios, e plantá-los em um outro vaso. Uma substância enraizadora pode ser utilizada, para acelerar o desenvolvimento da nova muda. Para aumentar as chances de sucesso, este procedimento deve ser feito no início da primavera, com a elevação das temperaturas, aproveitando o metabolismo mais acelerado da planta. Durante esta fase inicial de desenvolvimento da lanterna chinesa, é importante que a muda fique em um local mais sombreado, protegido do sol direto, e seja regada com mais frequência.

Ainda que não seja a escolha ideal para ambientes internos, a lanterna chinesa dá um show de versatilidade, seja no jardim, em floreiras externas, ou em sacadas e coberturas de apartamentos. Trata-se de uma ótima opção ornamental para valorizar a flora nativa brasileira.