Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Figueira Lira - Ficus lyrata


Ficus lyrata
Ficus lyrata

Ela é a queridinha do momento. Quando se fala em houseplants, plantas de interiores, nada é mais exuberante e espetacular do que a figueira lira, cujo nome científico é Ficus lyrata. Graças às redes sociais e à moda das urban jungles, florestas urbanas, esta árvore tornou-se o sonho de consumo dos millennials. Dentre as espécies de Ficus utilizadas na decoração de ambientes internos, a figueira lira é a que apresenta as maiores folhas, que possuem um elegante formato sinuoso, extremamente ornamental. Trata-se, sem dúvida, de uma obra de arte viva.



Há algum tempo, durante uma visita a um garden center, em São Paulo, observei um casal jovem andando de um lado para outro, como se estivesse avidamente à procura de algo. Depois de algum tempo, e após a orientação dos vendedores, deparo-me com o rapaz saindo apressado e feliz, com uma enorme Ficus lyrata nos braços. O que me chamou a atenção, neste caso, é que ele parecia mais interessado na planta do que a menina.

A figueira lira é o tipo da planta de interiores capaz de roubar a cena de todas as companheiras de ambiente. Com suas folhas imensas e onduladas, seu tronco fino e reto, que pode atingir os tetos dos cômodos mais amplos, com facilidade, a Ficus lyrata somente encontra concorrência em outras espécies do gênero, como a Ficus elastica e Ficus benjamina.

Embora existam figueiras centenárias, no Brasil, o gênero botânico Ficus é composto, em sua maioria, por espécies exóticas, originárias de diversas regiões tropicais e subtropicais, principalmente no continente asiático. Trata-se de um gênero bastante populoso, pertencente à família botânica Moraceae. A Ficus benjamina é nativa da Malásia, ao passo que a Ficus elastica vem da Índia. Aqui em São Paulo, existe uma figueira famosa, localizada no coração dos Jardins, bastante antiga. Para que a árvore fosse preservada, um restaurante foi construído ao seu redor, mantendo toda a estrutura vegetal como parte da ambientação. Neste caso, a espécie é a Ficus benghalensis, também nativa da Índia.


Já a figueira lira, Ficus lyrata, é originária da África, ocorrendo predominantemente na costa ocidental do continente, em países como Serra Leoa e República dos Camarões. O nome da espécie, lyrata, faz alusão ao formado de lira que as suas folhas apresentam. Alternativamente, esta árvore também pode ser chamada de figueira violino. Justamente por este motivo, no exterior, a figueira lira é conhecida como fiddle leaf fig, termo que pode ser traduzido como figueira com folha em forma de violino.

Como todas as espécies do gênero, a figueira lira pode causar problemas em calçadas, muros e construções próximas, devido à natureza agressiva de suas raízes, quando a árvore atinge sua maturidade. Por este motivo, a espécie Ficus lyrata, assim como a maioria das figueiras, não é a mais recomendada para o plantio em áreas urbanas. Ela fica belíssima e imponente em áreas abertas, como parques e fazendas.

É, contudo, na decoração de interiores que a figueira lira mostra todo o seu esplendor. Evidentemente, neste tipo de ambiente, em vasos grandes, são mantidos os exemplares mais jovens. Ao contrário da maioria das árvores, que necessita de sol pleno para seu desenvolvimento, a Ficus lyrata contenta-se com um ambiente de meia sombra ou luz difusa. Sob estas circunstâncias, no entanto, seu crescimento é mais lento, o que é uma vantagem, em ambientes internos. Não é raro encontrarmos exemplares de figueira lira com as copas roçando o teto, mesmo em construções com o pé direito alto.


Para que isto não aconteça, o ideal é que a figueira lira seja podada, periodicamente. Da mesma forma que se cultiva um bonsai, este procedimento vai manter a árvore com um tamanho sob controle, dentro de casas e apartamentos. Neste tipo de ambiente, é importante que a Ficus lyrata receba bastante luminosidade, ficando próxima a uma janela ensolarada. Caso ela possa receber algumas horas de sol direto por dia, preferencialmente no início da manhã ou no final da tarde, seu desenvolvimento será mais acelerado. Esta é uma planta ideal para ser mantida em varandas e coberturas, locais que recebem bastante luminosidade. No entanto, é aconselhável proteger a figueira lira do sol direto, nas horas mais quentes do dia, já que suas folhas podem sofrer queimaduras.

Também em ambientes internos, é importante que a figueira lira tenha seu vaso rotacionado, de tempos em tempos, para que seu caule não cresça de forma inclinada, em direção à fonte de luz. Para que o processo de fotossíntese seja otimizado, em um ambiente mais sombreado, o ideal é que as folhas da Ficus lyrata sofram uma limpeza periódica, com um pano úmido, para que o excesso de poeira seja eliminado. Como são muito grandes e largas, é comum que as folhas da figueira lira fiquem bastante empoeiradas, em pouco tempo.

O vaso para o plantio da Ficus lyrata deve ter furos no fundo e uma boa camada de drenagem, composta por argila expandida, cacos de telha ou qualquer outro material particulado. Uma manta geotêxtil pode ser posicionada por cima desta camada, para evitar que o solo e as raízes avancem sobre os furos de drenagem.


A figueira lira aprecia um solo rico em matéria orgânica, desde que seja bem aerado e facilmente drenável. Qualquer substrato próprio para o cultivo de plantas ornamentais, à venda em lojas especializadas em jardinagem, é adequado para o plantio da Ficus lyrata.

O cultivo da figueira lira não é dos mais fáceis, principalmente no que se refere à frequência das regas. Se faltar água, as folhas começam a apresentar as bordas queimadas, secas. Com o tempo, elas amarelam e caem. Por outro lado, o excesso de água pode levar ao apodrecimento de suas raízes, o que também resultará em consequências na saúde e aparência das folhas. O ideal é que a Ficus lyrata seja regada de forma moderada, de maneira que o solo tenha tempo de secar razoavelmente, entre uma irrigação e outra.

Por ser uma planta tropical, a figueira lira não se dá bem com temperaturas muito baixas. É por este motivo que a Ficus lyrata se adapta tão bem aos ambientes internos, onde as temperaturas são amenas ao longo de todo o ano. Outros fatores que podem prejudicar o desenvolvimento desta planta são as correntes de vento e o uso do ar condicionado.

Como dificilmente irá produzir flores e frutos, a adubação da figueira lira pode ser básica, apenas como manutenção. Qualquer formulação do tipo NPK, com níveis equilibrados destes nutrientes, é suficiente para garantir um bom desenvolvimento da Ficus lyrata. Além disso, vale lembrar que o solo já é enriquecido com matéria orgânica. De tempos em tempos, este material pode ser renovado, o que resultará em um melhor crescimento da figueira lira.

Por fim, vale alertar que as folhas da Ficus lyrata são tóxicas, caso sejam ingeridas acidentalmente por crianças ou animais domésticos. A figueira lira pode ter lá suas exigências de diva, mas recompensa o cultivador com um porte imponente e exuberante, dificilmente superado por outras plantas de interiores.