Guia Completo para Cuidar de Plantas dentro de Casas e Apartamentos

Início

Sergio Oyama Junior


CONHECER | ADMIRAR | PRESERVAR

 170.000 A 200.000 PÁGINAS VISUALIZADAS MENSALMENTE 



Orquídeas no Apê
EM ALTA
Orquídeas Amarelas   Orquídea Denphal   Suculenta Kalanchoe

Epipremnum aureum   Monstera adansonii   Trapoeraba Roxa

Cacto Capuz de Monge - Astrophytum ornatum


Cacto Astrophytum ornatum
| Astrophytum ornatum |

Este é mais um belíssimo exemplo de escultura viva, dentro da família Cactaceae. Tão ornamentais são suas formas, que existem diversas variedades da espécie Astrophytum ornatum, cujo nome popular é cacto capuz de monge. Menos frequentemente, esta planta também pode ser apelidada de cacto chapéu de bispo. É importante não confundi-lo com o cacto coroa de frade, que pertence a outro gênero, dentro da mesma família, botânica e eclesiástica.

Em países de língua inglesa, os mesmos nomes populares se aplicam, com as respectivas traduções. Neste contexto, os termos mais utilizados, em relação ao Astrophytum ornatum, são monk's hood cactus ou bishop's cap cactus. Quando observado de cima, o caule do cacto capuz de monge apresenta a interessante formação de uma estrela, cujo número de pontas pode variar, entre cinco a dez. Por esta razão, eventualmente, a espécie pode ser apelidada de star cactus. Este é o significado do nome do gênero, Astrophytum, que significa planta estrela, em latim. A origem do nome está nas palavras gregas astron, estrela, e phyton, planta.


Dentro do gênero Astrophytum, a espécie ornatum é a que se desenvolve com maior facilidade. Além disso, o cacto capuz de monge é o representante que atinge os maiores tamanhos, quando comparado aos seus parentes. Durante a fase juvenil, esta cactácea apresenta uma forma globular ou globosa, como podemos observar na foto de abertura deste artigo. Contudo, trata-se de um cacto colunar, que vai se tornando cada vez mais alto, até atingir uma estatura que pode ultrapassar um metro.

A espécie Astrophytum ornatum é endêmica do México, ocorrendo nativamente em regiões de clima semidesértico, de altitudes elevadas, com uma predominância nos estados de Querétaro, Hidalgo e San Luis Potosí, onde diversas outras espécies de cactos e suculentas de interesse ornamental são encontradas.

O caule do cacto capuz de monge é coberto por pequenos flocos brancos, com aparência lanosa, que conferem à planta uma proteção extra contra a radiação solar intensa, em seu habitat de origem. Esta é uma característica bastante ornamental da espécie Astrophytum ornatum, podendo haver uma grande variação na distribuição destas estruturas, resultando em padrões e estampas diferentes.


As flores do cacto chapéu de bispo são grandes, na coloração amarelo canário, e surgem tipicamente durante os meses do verão. Dentro de casas e apartamentos, contudo, é mais difícil que estas estruturas sejam produzidas, uma vez que o Astrophytum ornatum necessita de uma luminosidade intensa, composta por várias horas diárias de sol pleno, para poder florescer. Além disso, apenas plantas maduras são capazes de dar flores, situação que pode levar mais de uma década de cultivo para ser atingida.

Ainda assim, é perfeitamente possível manter a parte vegetativa do cacto capuz de monge saudável, em ambientes internos. Basta que o vaso fique posicionado bem próximo a uma janela bastante ensolarada, preferencialmente face norte. Quanto mais sol direto a planta puder receber, mais rápido será o seu desenvolvimento. Evidentemente, coberturas, sacadas e jardineiras externas, desde que expostas a uma luminosidade abundante, também são ótimas opções de locais para o cultivo do cacto chapéu de bispo.

Em ambientes onde há circulação de pessoas, em casas e apartamentos, é preciso tomar cuidado com os espinhos do Astrophytum ornatum, que são bastante longos e de natureza mais agressiva. Esta é uma planta que precisa ficar longe do alcance de crianças e pets.


Ao contrário de muitas outras cactáceas, que se ramificam e produzem brotos a partir da base da planta mãe, o cacto capuz de monge costuma crescer de forma solitária. Dentro do gênero, a espécie Astrophytum ornatum é considerada a de mais fácil cultivo. Basicamente, tudo o que o chapéu de bispo precisa é de sol e pouca água.

Portanto, o melhor solo para o cultivo desta cactácea é aquele arenoso, bem aerado, capaz de escoar rapidamente a água das regas. Uma mistura de terra vegetal e areia grossa de construção pode ser utilizada como substrato. Alternativamente, existem formulações próprias para o cultivo de cactos e suculentas, prontas para o uso, à venda em lojas de jardinagem.

As regas do cacto capuz de monge devem ser bem espaçadas, como ocorre com todas as plantas desta família botânica. Uma nova irrigação só deve ser realizada quando o solo estiver completamente seco ao toque e o vaso bem leve. Ainda que se desenvolva melhor quando plantado diretamente no solo, em áreas externas, o Astrophytum ornatum pode ser cultivado em vasos, desde que estes tenham furos no fundo e uma boa camada de drenagem, composta por argila expandida ou cacos de telha. Caso o material escolhido seja o plástico, convém lembrar de aumentar o intervalo entre as regas.


A adubação do Astrophytum ornatum deve ocorrer apenas durante os meses mais quentes do ano, quando o metabolismo da planta encontra-se ativo. Não é necessário adubar no inverno. Uma fórmula de manutenção, específica para cactos e suculentas, do tipo NPK, pode ser fornecida durante este período. É importante salientar que o cacto capuz de monge está habituado a solos pouco férteis, em seu habitat de origem. O excesso de nitrogênio na adubação produz plantas mais altas, estioladas, e vulneráveis ao ataque de pragas.

Como o cacto capuz de monge não costuma produzir novos brotos, sua propagação restringe-se aos métodos envolvendo sementes. Neste caso, é preciso ter bastante paciência, até que as plântulas resultantes do processo de semeadura transformem-se em indivíduos adultos.

Para quem aprecia cactos esculturais, de aparência dramática, e não se importa com eventuais espetadas, o Astrophytum ornatum e suas diferentes variedades constituem-se em excelentes escolhas. Aqui no Brasil, infelizmente, a maior dificuldade talvez seja o fato de esta espécie ainda ser pouco popularizada. Consequentemente, é mais difícil encontrar exemplares para aquisição, no comércio local. A dica é sempre procurar pelo cacto capuz de monge em produtores especializados, como cactários, onde a procedência das plantas é conhecida e sua identificação confiável.

Publicado em: | Última atualização:





Bacharel em biologia pela Unicamp, com mestrado e doutorado em bioquímica pela Usp, escreve sobre o cultivo de orquídeas, suculentas, cactos e outras plantas dentro de casas e apartamentos.

São Paulo, SP, Brasil