Guia completo para cuidar de plantas dentro de casas e apartamentos

Sergio Oyama Junior

Pilea peperomioides - A Planta do Dinheiro


Pilea peperomioides
Pilea peperomioides

Esta simpática plantinha de folhas circulares, que se parecem com pequenas panquecas penduradas nos ápices de delicadas hastes, causou furor nas redes sociais. A Pilea peperomioides, conhecida no exterior como the chinese money plant, a versão chinesa da planta do dinheiro, dominou os perfis do Instagram dedicados às houseplants, plantas de interiores. Ainda que o hype em torno desta espécie botânica já esteja passando, somente agora, nós, brasileiros, fomos contemplados com a possibilidade de adquirir uma Pilea peperomioides no mercado, coisa raríssima de ser encontrada, até há muito pouco tempo.



O interessante é que esta planta, tão cobiçada pelos millennials dedicados a transformar seus lares em urban jungles, selvas urbanas, é parente de espécies bastante comuns, aqui no Brasil, frequentemente utilizadas na decoração de ambientes internos, ou, até mesmo, vistas como pragas. É o caso da brilhantina, Pilea microphylla, e da lágrimas de bebê, Soleirolia soleirolii. Também fazem parte desta família botânica, Urticaceae, à qual pertence a Pilea peperomioides, as famosas planta alumínio, Pilea cardierei, e planta da amizade, Pilea involucrata.

O nome desta espécie do gênero Pilea faz referência à sua semelhança com representantes de outro gênero botânico, Peperomia. O sufixo oides, em latim, significa semelhante a.

Como existem várias espécies vegetais conhecidas como planta do dinheiro, a Pilea peperomioides costuma ser chamada de planta chinesa do dinheiro. Devido ao formato circular de suas folhas, também há quem a apelide de planta panqueca, tanto aqui como no exterior (pancake plant).

Ao contrário da maioria das plantas conhecidas na atualidade, que foram descobertas e classificadas séculos atrás, a Pilea peperomioides tem uma convivência recente com os ambientes urbanos. Esta espécie somente foi descoberta no início do século XX, na China, tendo sua classificação formal ocorrido décadas mais tarde, já nos anos 1980, após uma trajetória tortuosa de esquecimentos e redescobertas.


É interessante notar que a Pilea peperomioides tornou-se popular, no mundo ocidental, graças à sua rápida propagação e ao hábito de se doar mudas a parentes e amigos. Por este motivo, a planta chinesa do dinheiro também pode ser conhecida como planta da amizade, friendship plant. À medida que esta espécie se torna mais madura, começa a emitir inúmeros brotos laterais, a partir da sua base. Estas mudas podem ser destacadas e plantadas separadamente, gerando novos exemplares para serem compartilhados com entes queridos.

Como vai se tornando cada vez mais alta, fina e comprida, a Pilea peperomioides pode ser submetida a uma decapitação, da mesma forma que procedemos com várias plantas suculentas. A parte superior pode ser plantada separadamente e a base continuará a produzir novos brotos. É comum realizar o enraizamento destas estacas em água. Vale lembrar que, ao contrário de certas plantas, esta espécie não se multiplica através de folhas isoladas.

Cuidar da Pilea peperomioides é bastante tranquilo. A planta chinesa do dinheiro é uma excelente opção para quem mantém sua coleção botânica dentro de casas e apartamentos. Trata-se de uma típica planta de interiores, ainda que aprecie níveis elevados de luminosidade, sem sol direto. Qualquer local próximo a uma janela que receba bastante luz solar é suficiente para o cultivo da Pilea peperomioides. Em áreas externas, coberturas ou varandas ensolaradas, esta planta precisa ser protegida do sol pleno, sob a sombra de outras plantas mais resistentes.


Por não tolerar temperaturas muito baixas, nem geadas, a Pilea peperomioides é perfeita para ambientes internos, onde as temperaturas são mantidas constantes, ao longo de todo o ano. No entanto, neste tipo de ambiente, é preciso tomar cuidado com a falta de umidade, prejudicial a esta espécie. Ambientes com ar condicionado também são nocivos à planta chinesa do dinheiro. O ideal é que a umidade relativa do ar seja mantida em níveis elevados, com o auxílio de umidificadores de ar, fontes de água ou bandejas umidificadoras, que nada mais são do que recipientes rasos com uma camada de pedrisco, sobre a qual os vasos ficam apoiados. Uma lâmina de água se forma ao fundo, sem entrar em contato direto com as raízes da planta.

Sendo uma espécie adaptada à vida em ambientes úmidos, a Pilea peperomioides precisa de regas frequentes. É importante não deixar o solo secar completamente, entre as irrigações. No entanto, também é prudente evitar o excesso de regas, que resultem em um solo encharcado, por muito tempo.

O substrato para o cultivo da Pilea peperomioides é aquele utilizado para a maioria das plantas de interiores, aerado, bem drenável e fértil. Qualquer mistura pronta, própria para a jardinagem amadora, dará conta do recado. Como a planta gosta de umidade, convém dar preferência ao vaso de plástico, que ajuda a reter a umidade do solo por mais tempo. Os recipientes de barro, por serem mais porosos, tendem a secar mais rapidamente. Qualquer que seja o material escolhido, é importante que o vaso tenha furos no fundo e uma camada de drenagem, composta por pedrisco, brita ou argila expandida. Vale sempre lembrar que é bom evitar o uso do pratinho sob o vaso, que pode acumular água e causar a proliferação do mosquito da dengue.


Ainda que a Pilea peperomioides possa produzir flores, elas são bastante discretas, de importância ornamental secundária. Os cultivadores costumam dar preferência ao desenvolvimento da parte vegetativa. Por este motivo, não é necessário aplicar uma adubação muito rica em fósforo, voltada para a indução da floração. Qualquer fórmula básica, do tipo NPK, com níveis equilibrados destes nutrientes, será suficiente para garantir o bom desenvolvimento da planta chinesa do dinheiro.

Esta é uma espécie que requer pouca manutenção, não necessitando de podas constantes. É natural que as folhas mais antigas, próximas à base, amarelem, sequem e caiam. Muitos cultivadores, principalmente os de interiores, costumam girar suas plantas, para que seus caules não cresçam inclinados. Este é um procedimento válido para a Pilea peperomioides. No entanto, há quem relate que este hábito causa uma deformação nas folhas circulares, que perdem seu aspecto completamente plano. Outro fator que pode modificar a aparência planta das folhas da planta do dinheiro é a luminosidade insuficiente.

Ainda que o cultivo da Pilea peperomioides tenha algumas particularidades, o mais difícil, para quem mora no Brasil, ainda é encontrá-la à venda. Em um passado recente, esta era uma tarefa impossível. Felizmente, hoje já existem fornecedores desta planta, mas são pontuais e difíceis de serem encontrados. Neste cenário, só nos resta torcer para que a tradição de se presentear com esta nova planta da amizade seja propagada em terras tupiniquins.