Decoração Virtual, Orquídeas Onipresentes


Fazendo a ryka

Uma de minhas distrações favoritas é conceber ambientes virtuais com fotos de orquídeas. No maravilhoso mundo do Photoshop, tudo é possível. Claro que estou atrás, a anos-luz de distância, dos arquitetos e decoradores que utilizam programas sofisticados, de modelagem em 3D, específicos para este fim. Sou apenas um curioso.

Sempre foi um sonho meu ver as fotos das orquídeas que cultivo, fotografo e publico nas mídias digitais, serem transpostas para o mundo real. Cheguei a fazer propostas de parceria neste sentido, mas fui solenemente ignorado. Algo que me acontece com certa recorrência.

No entanto, em determinados momentos da trajetória virtual deste blog, tive a felicidade de ver este sonho realizado. Em 2013, as três imagens abaixo fizeram parte de um ambiente exposto na Mostra de Paisagismo e Jardinagem da tradicional Expoflora, em Holambra.


Quadros da coleção de Hiroko e Takashi Matsumoto

Logo após o evento, as fotos foram adquiridas por Hiroko e Takashi Matsumoto, juntamente com outras doze imagens selecionadas das orquídeas apresentadas no blog. Esta coletânea de quinze quadros, por sua vez, fez parte da Exposição da Sociedade Bandeirante de Orquídeas, em outubro de 2013.


Decorando com fotos de orquídeas

Dois anos depois, novamente por iniciativa da presidente da SBO, Leili Odete Campos Izumida, inúmeras outras imagens das Orquídeas no Apê foram apresentadas na conceituada exposição da sociedade, desta vez sob a forma de banners verticais.


Fotos apresentadas na Exposição da Sociedade Bandeirante de Orquídeas

Mais do que um afago no ego, estas aparições das minhas orquídeas no mundo real propiciam-me uma sensação de que as fotografias serão perpetuadas, as memórias de cada orquídea florida não desaparecerão com um bug computacional.

É reconfortante saber que, após anos de cultivo, aquela pequena muda, que passou por tantos percalços na minha mão, foi capaz de se desenvolver, florescer e, acima de tudo, levar um sopro de vida e natureza ao lar de uma pessoa, eternizada sob a forma de um quadro.