Membros do clã Oyama entram para a história




Pessoas próximas costumam brincar que estou ficando famoso, graças às orquídeas. Não é verdade e, honestamente, não é o que almejo. O que poucos sabem, contudo, é que há profissionais célebres na minha família, cujas  trajetórias de sucesso foram construídas em uma área completamente distinta da orquidofilia, o jornalismo.

A revista Veja, publicada pela Editora Abril, teve sua primeira edição lançada em 11 de setembro de 1968, sob o comando dos jornalistas Roberto Civita e Mino Carta. Meu pai, Sérgio Oyama, fez parte da equipe fundadora desta publicação, que hoje é a revista de maior circulação do país, com uma tiragem superior a um milhão de exemplares.

Às vésperas de completar meio século de existência, a Veja ganhou um livro com uma antologia de 50 entrevistas publicadas na icônica seção 'Páginas Amarelas', ao longo da história da revista. 




Salvador Dali, Tarsila do Amaral, Gabriel Garcia Márquez, Carlos Drumond de Andrade, Ayrton Senna, Bill Gates e Camille Paglia estão entre as personalidades entrevistadas pela publicação e selecionadas para compor esta coletânea intitulada 'A História é Amarela'.

Em meio a tão seleta companhia, figura uma entrevista concedida ao meu pai, o jornalista Sérgio Oyama, pelo então arcebispo de São Paulo, dom Paulo Evaristo Arns, em 1971.




Trinta anos depois, em 2001, foi a vez de outra ilustre representante do clã Oyama, atual redatora-chefe da revista Veja, Thaís Oyama, realizar uma entrevista memorável com o escritor Paulo Coelho, que também foi selecionada para fazer parte desta antologia.




Embora eu tenha o carinho e admiração de um número considerável de leitores, aqui no blog e nas redes sociais, tenho consciência de que não sou levado a sério por muitos do meio orquidófilo. Já de minha parte, embora escreva e faça entrevistas neste espaço virtual, não me levo a sério como jornalista, uma vez que esta não é minha formação.

Neste dilema, contento-me em tietar e homenagear os verdadeiros profissionais de sucesso da família Oyama, curiosamente concentrados na área jornalística. Além dos membros ilustres já citados, temos também a Patricia Oyama, diretora de redação da revista Casa e Comida, da Editora Globo, e Márcio Oyama, autor do blog 365, com passagens por importantes veículos de comunicação, tais como Grupo Estado e Editora Abril.

Ao meu pai, Sérgio Oyama, e à minha prima, Thaís Oyama, deixo meus parabéns por este feito histórico e memorável. À Fernanda Oyama, deixo meu agradecimento por ter sido a primeira a alertar-me sobre o lançamento deste livro.