Cattleya bicolor desabrochando


Orquídea Cattleya bicolor
Cattleya bicolor

Confesso que fiquei agradavelmente surpreso com a quantidade de comentários referentes à última postagem aqui no blog, bem como com o teor das mensagens de apoio e incentivo que recebi no decorrer deste pequeno recesso.

Foi em consideração aos leitores e amigos que acompanham este trabalho que decidi continuar a publicar artigos neste espaço, que para mim é um lar virtual, a despeito da situação não muito favorável das Orquídeas no Apê. Against all odds, uma ou outra orquídea insiste em florescer aqui na varanda, ensinando-me que nenhum esforço é em vão e que a alegria está em trilhar e persistir na trajetória, muito mais do que viver o êxito da chegada.

Para comemorarmos juntos esta retomada, trouxe hoje a imagem do desabrochar da orquídea Cattleya bicolor, cuja primeira floração apresentei aqui há exatamente um ano. Desta feita, vivi momentos de apreensão ao observar a espata vazia, estacionada e começando a secar. Cheguei a temer que não veria flores neste ano. Contrariando meu pessimismo, dois saudáveis botões florais começaram a crescer e emergiram lentamente do interior desta estrutura aparentemente em decadência. 

Encontrei, neste fenômeno, uma metáfora perfeita para a situação que vivo no momento. Apesar de ver tantas orquídeas doentes, morrendo ou simplesmente estáticas como múmias, em meio ao sol inclemente, ventanias e tempestades de granizo, percebo que a natureza segue altaneira seu curso, alheia às adversidades, e mostrando-nos o quão pouco sabemos sobre os mistérios da vida.