As orquídeas celebram a diferença


Mix de Orquídeas no Apê
Mix de Orquídeas no Apê

Sempre que me pergunto o porquê de cultivar orquídeas, vem-me à mente a enorme diversidade de cores, formas e aromas desta grande família botânica. Mesmo dentro de uma determinada espécie de orquídea, encontramos uma grande variação cromática. Isso sem falar dos híbridos, que são capazes de produzir milhares de descendentes completamente diferentes uns dos outros, todos irmãos, frutos da união de apenas duas orquidáceas.

O interessante é que nós, humanos, temos uma histórica dificuldade em lidar com as diferenças. Tudo o que foge das normas ditadas por determinada sociedade transforma-se em motivo de chacota e discriminação. Até mesmo no caso do cultivo de orquídeas, a tendência é classificar e normatizar tudo, milimetricamente. Dentre as milhares formas e cores que a natureza cria, o homem teima em selecionar meia dúzia de plantas que considera perfeitas, raras e, consequentemente, valiosas. 

A obsessão pelo normal, pelo padrão e igual, faz com que os cultivadores elejam uma orquídea considerada perfeita e fabrique clones desta planta, produzindo milhões de cópias geneticamente idênticas à matriz. Ironicamente, esta técnica, denominada propagação por meristema, acaba por banalizar a beleza única da planta original. Por outro lado, é graças a esta tecnologia de ponta que todos nós podemos ter um exemplar de determinadas orquídeas de rara beleza em nossos orquidários.

Com este paradoxo em mente, decidi reunir as meninas floridas aqui do apartamento para uma selfie. Mentira, fui eu que tirei a foto e não apareço nela, por motivos óbvios. Coincidentemente, as quatro orquídeas em flor, no momento, apresentam formas e tamanhos bastante variados, de modo a ilustrar perfeitamente a reflexão que tento passar neste artigo. Mesmo dentro de um mesmo cacho de flores, como a inflorescência do Dendrobium victoria-reginae, acima à esquerda, vemos uma variação nas cores das flores. Embaixo, da esquerda para a direita, temos Laelia longipes (seus outros nomes encontram-se no link), Masdevallia infracta alba e Phragmipedium Sedenii. Mesmo sem premeditar, as orquídeas parecem ter combinado os vestidos para saírem na foto, com as cores coordenadas e um certo ton sur ton.

Todo este falatório orquidófilo é, na verdade, para expressar minha inconformidade com o fato de que nós, que nos consideramos seres racionais, temos tanto problema em aceitar o diferente. Quem dera fôssemos um pouco mais como as orquídeas que, embora diferentes e exóticas, não se agridem e nem se matam por esta questão. Ao contrário, convivem pacificamente, uma exaltando a beleza da outra.