Dicas para preservar orquídeas no gelo


Orquídea Cymbidium híbrido
Cymbidium híbrido

Dando continuidade à série de artigos sobre orquídeas congeladas, hoje trago mais uma composição com flores da orquídea Cymbidium, juntamente com algumas informações sobre como obter blocos cristalinos de gelo com flores preservadas em seu interior.

Poucos se atentam a este detalhe, mas o gelo servido em bares e restaurantes é diferente daquele que produzimos em nossos congeladores. Obtidas através de equipamentos sofisticados, as pedras de gelo 'profissionais' são completamente límpidas e translúcidas. Felizmente, há métodos caseiros para reproduzir em parte estes admiráveis blocos gelados.

O nosso gelo é opaco porque, durante o processo de sua formação, as partículas dos gases dissolvidos na água ficam aprisionadas em meio aos cristais. Através de uma técnica especial de congelamento, é possível contornar parcialmente este problema.

Utilizando um recipiente cujas paredes laterais e o fundo sejam protegidas por um material térmico (jornal, isopor, lã de vidro), tendo apenas a parte superior aberta, o processo de congelamento ocorrerá lentamente, de cima para baixo, concentrando todas as bolhas e a turbidez no fundo do bloco de gelo, que será a última região a ser congelada.

Para ficar mais claro, dou a seguir exemplos bem simples, com materiais acessíveis para montar este experimento. Podemos utilizar uma vasilha plástica de sorvete, sem tampa, com as laterais e o fundo cobertas por várias camadas de jornal ou qualquer outro material isolante, como o isopor. Alguns baldes de gelo costumam ter uma proteção térmica, sendo também úteis para este fim. Outra boa opção é aquele copo de macarrão instantâneo, cujo material já tem uma capacidade de isolamento térmico. Para reforçar, basta envolvê-lo em jornal ou lã de vidro, por exemplo.

O resultado será um bloco de gelo com a parte superior cristalina e o fundo opaco. Por isso, é importante imobilizar a flor na parte translúcida. Devido à composição dos tecidos vegetais, as flores têm a tendência de flutuar. Para afundá-las levemente, de modo que fiquem parcialmente submersas, tenho utilizado 'âncoras', que podem ser obtidas com qualquer peça pequena e pesada, como uma rosca ou um parafuso, presa por um fio ou arame ao pecíolo, o 'cabinho' da flor. O resultado será algo semelhante ao da foto abaixo:


Orquídea Potinara Love Dressy
Potinara Love Dressy

Por fim, podemos desbastar a parte inferior, mais turva, para ficarmos apenas com uma secção completamente translúcida, com a flor centralizada. Manter a peça inteira ou com diferentes níveis de bolhas, imperfeições e turbidez também conferem ao resultado final um aspecto interessante. Abaixo, mostro um experimento que, a princípio, deu errado. Ao invés de se concentrar no fundo do bloco, os gases espalharam-se por todos os lados. Depois, observando com calma os detalhes da peça de gelo, com suas imperfeições, acabei achando o efeito belíssimo.


Orquídea Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy'
Oncidium Twinkle 'Yellow Fantasy'

Resumindo, não há uma receita pronta para congelar orquídeas. A cada experimento, temos uma nova surpresa. Devo ressaltar que obtive resultados horrorosos, alguns até desastrosos. Após quase desistir, acabei encontrando alguns métodos que produziram imagens satisfatórias, algumas inclusive obtidas acidentalmente. Portanto, a beleza do processo está na tentativa e na surpresa de cada congelamento. Acho que vale a pena tentar!