Sonhos e botões de uma orquídea


Orquídea Dendrobium loddigesii
Dendrobium loddigesii

Muitas vezes, arquitetamos planos e desenhamos sonhos em nossas mentes, com os olhos voltados para um futuro brilhante. No entanto, mais frequentemente do que gostaríamos, as coisas não saem exatamente como havíamos planejado.

Esta orquídea, Dendrobium loddigesii, é uma sobre a qual depositei bastante expectativa e esperança. Quando a comprei, como uma pequena muda, pus-me a imaginar como ela seria quando crescesse. Decidi que não permitiria que ela se tornasse um emaranhado de pseudobulbos secos e retorcidos, com dezenas de brotos e raízes por todos os lados. Passei anos girando a orquídea, de modo a fazer com que cada broto se organizasse de maneira harmoniosa. Sempre sonhando com a fantástica floração que um dia viria a presenciar.

Um belo dia, vejo com alegria o surgimento do primeiro botão floral desta jovem orquídea. Esperançoso, acreditei que este seria apenas o prenúncio de muitas outras florações que viriam a seguir. Pois estava enganado. Naquele ano, tive que me contentar com apenas uma flor.

No ano seguinte, após muita espera e expectativa, descobri desapontado que não haveria flor alguma. Meus planos mirabolantes mais uma vez frustrados. Como o número de pseudobulbos continuava a aumentar, ainda nutria a esperança de uma farta floração, algum dia. Este ano, caprichei no stress hídrico e acompanhei com alegria o amarelamento e queda de cada uma de suas folhinhas. Afinal, quanto mais careca e seca esta orquídea, melhor a floração.

Pois mais uma vez estava enganado. Comedida, esta orquídea resolveu dar apenas um botão floral, este da foto. Toda esta saga me fez refletir sobre a minha própria trajetória. Também sonhei com uma carreira brilhante na área acadêmica. Acreditei que um dia me tornaria um cientista importante, que descobriria a cura para alguma doença grave. Ao longo de anos de muito estudo, trabalho e luta, persegui este ideal. No entanto, como sabiamente declarava aquela famosa música, de Les Misérables, há sonhos que não podem ser. Assim como há tempestades que não podemos prever.

Da mesma forma que a vida me reservou uma outra trajetória, completamente diferente da que eu havia sonhado, não sei se melhor ou pior, esta batalhadora orquídea segue seu curso, alheia às minhas vontades e expectativas. Hoje, não traço mais planos para ela. Apenas acompanho sua evolução, agradecendo imensamente, por cada ocasião em que ela resolve me presentear com uma flor. E a vida segue.