Uma orquídea de floração precoce e frequente


Laelia alaorii x Laelia sincorana
Laelia alaorii x Laelia sincorana

Durante o desenvolvimento das orquídeas, principalmente aquelas pertencentes à grande aliança Cattleya, que inclui os gêneros Brassavola, Laelia, Sophronitis e seus híbridos, a espata é a estrutura mais aguardada quando procuramos por um sinal de floração. No entanto, do seu surgimento até as flores propriamente ditas, há um longo caminho a ser percorrido. Muitas vezes, ela chega a secar e só vai revelar botões florais muitos meses depois. Quando revela.

No caso desta simpática mini-orquídea híbrida, resultante do cruzamento entre Laelia alaorii e Laelia sincorana, as coisas são incrivelmente mais rápidas e fáceis. Nem bem o novo broto acabou de se desenvolver e já podemos vislumbrar uma incipiente folha gordinha, ainda fechada, no ápice do pseudobulbo. Aqui no apartamento, todos os anos, três vezes por ano, invariavelmente tem surgido uma surpresa de dentro desta folha, como ilustra a imagem acima.

Nada de espera, nem expectativa, nem mesmo espata. A folha desta orquídea abre-se e já revela precoces botões florais. No começo, costumava surgir apenas um. Com o passar do tempo, e comprovando a teoria de que as florações melhoram com a maturidade da planta, os botões começaram a vir sempre em dupla. Já mostrei várias florações desta orquídea no blog, mas não deixo de me entusiasmar a cada novo evento. Desta vez, gostei particularmente do modo quase dramático como eles saíram do casulo. A luz indireta e o fundo preto ajudaram na composição da cena. Prometo voltar em breve, com o desabrochar desta generosa dupla!