Orquídeas aditivadas


Micro-orquídea Sophronitis cernua
Sophronitis cernua

O cultivo de orquídeas pode ser um hobby para alguns, um meio de vida para outros ou uma área da ciência para todos. No entanto, muito frequentemente, esta atividade acaba envolta em uma série de misticismos, crenças e polêmicas. Através das experiências individuais, cada cultivador vai estabelecendo suas verdades. 

No artigo de hoje, gostaria de listar algumas substâncias comumente utilizadas pelo orquidófilo amador, das mais banais às exóticas. Elas podem ser encontradas nos mais insuspeitos cômodos da casa. Não discuto a eficácia de cada método, que seria de difícil comprovação. Ao longo do artigo, faço menção aos nomes comerciais de alguns produtos, não para fazer publicidade, mas para deixar a lista mais interessante.

1. No banheiro


Ao fazermos cortes nas orquídeas, criamos áreas expostas que podem servir de porta de entrada para micro-organismos patogênicos. Para selar o corte, alguns orquidófilos utilizam pasta de dentes. Outros fazem uso do famoso antisséptico bucal, Listerine.

Para manchas suspeitas nas folhas, que podem ter origem fúngica ou bacteriana, alguns cultivadores lançam mão do Pinho Sol. A proporção varia, mas geralmente uma tampinha do desinfetante é diluída em um litro de água. A mistura é então borrifada sobre as orquídeas afetadas.

2. Na cozinha


Também no caso de cortes em orquídeas, muitos utilizam a canela em pó, como antisséptico e cicatrizante. Há quem faça uma pasta, misturando a substância com um pouco de vaselina. 

Para as pragas mais frequentes em orquídeas, das mais variadas origens, uma dupla costuma ser frequentemente utilizada: o alho e a cebola. Existem, na internet, diferentes receitas que levam estes dois ingredientes. Como eu nunca fiz, não poderia indicar uma em especial. De todo modo, obtém-se uma calda que, após filtrada e diluída em água, é borrifada sobre as plantas doentes.

Outro produto tão caseiro quanto polêmico é o Ajinomoto. Existem relatos de pessoas que usam formulações à base desta substância, juntamente com adubo e vitamina B1, para turbinar o crescimento e floração das orquídeas. O princípio ativo deste conhecido tempero é o glutamato monossódico, cujo uso também é controverso na culinária.

3. Na área de serviço


Talvez o mais polivalente produto utilizado pelos orquidófilos seja a água sanitária. Eu uso frequentemente, nas bandejas sob os vasos de orquídeas, para matar eventuais larvas do mosquito da dengue. Também costumo borrifar uma solução, contendo uma colher de sopa diluída em um litro de água, em todas as plantas. Percebo que este procedimento ajuda a controlar diversas pragas, como formigas, pulgões e cochonilhas. No entanto, não as erradica completamente. Também acredito que seja um bom aliado na prevenção de ataques por fungos e bactérias.

Outro procedimento que gera uma certa controvérsia é o uso da água de descarte da máquina de lavar roupas. Alguns orquidófilos recomendam a utilização desta água ensaboada para combater pragas, principalmente as causadas por insetos de carapaça. Eu não poderia testemunhar a favor da eficácia deste método.

4. Na farmácia


Aqui, os orquidófilos fazem a festa. O mais famoso produto das prateleiras de farmácias, usado em prol das orquídeas, é a vitamina B1 ou tiamina. É grande o número de pessoas que relata um crescimento acelerado das raízes de suas orquídeas, quando este produto é utilizado. As formulações variam. Eu utilizei Beneroc Júnior, 10 gotas em um litro de água, durante muito tempo. Confesso que, no meu cultivo em particular, não observei uma diferença significativa no desenvolvimento das raízes.

No caso de doenças causadas por bactérias, em orquídeas, alguns cultivadores utilizam a pomada Nebacetin, aplicada diretamente nas lesões. Os componentes ativos deste medicamento são a bacitracina e a neomicina, substâncias que inibem o crescimento das bactérias. O problema é que não é trivial identificar uma doença bacteriana em orquídeas. O mais correto seria ter o diagnóstico de um engenheiro agrônomo, que receitaria o defensivo apropriado.

Na seção das substâncias mais bizarras, cuja finalidade eu sinceramente desconheço, estão a Aspirina e o anticoncepcional. Sabe-se lá o que uma coisa dessas faria em uma orquídea, mas tem gente que utiliza.

5. Na seção de importados


Existem produtos frequentemente utilizados pelos orquidófilos americanos aos quais, infelizmente, não temos fácil acesso. Um deles é o Physan 20. Trata-se de um desinfetante à base de amônia quaternária, com comprovada eficiência no controle de fungos, vírus, bactérias e algas. Costuma ser utilizado tanto na limpeza do orquidário como na desinfecção das orquídeas, ajudando no combate a pragas e doenças.

Outro produto bastante interessante é a keiki paste. Trata-se de uma pasta contendo um concentrado de hormônios vegetais, cuja finalidade é estimular a formação de keikis (significa bebê, em havaiano) nas orquídeas. Costuma ser aplicada nas gemas dormentes das hastes florais de Phalaenopsis. Caso funcione como prometido, novas mudas podem ser obtidas a partir de um componente que seria descartado.

Por fim, talvez o mais famoso e controverso aditivo usado pelos orquidófilos seja o Superthrive. Sua fórmula é mantida em segredo, mas sabe-se que contém tiamina e hormônios vegetais. É vendido como um poderoso estimulador do crescimento de plantas em geral. Nas orquídeas, acredita-se que aja como um eficiente enraizador. Este é um produto que importei durante alguns anos, usei maciçamente, e acabei desistindo, por não observar resultados positivos para o meu cultivo.


Acredito que, com base nesta compilação, cada cultivador possa selecionar as substâncias que gostaria de testar, de modo a decidir o que é melhor para suas orquídeas. Não me atreveria a dizer o que funciona e o que é mito. Até porque, este é um assunto bastante polêmico e frequentemente debatido.

Conforme já havia escrito no artigo Alquimia orquidófila, após experimentar vários métodos para dar um up nas minhas orquídeas, acabei chegando à conclusão de que elas precisam de muito pouco para nos presentear com belas florações. A micro-orquídea que ilustra este artigo, Sophronitis cernua, disfarçada de tulipa, é uma prova disso. Este belíssimo desabrochar é fruto de cuidados simples, como rega, adubação e bastante carinho. Nada mais.