As Orquídeas no Apê respondem


Mini-orquídea Sophrolaelia Jinn
Sophrolaelia Jinn

Se vocês estiverem lendo este post, significa que terei apertado o botão 'publicar', após escrever o artigo de número 300 do blog Orquídeas no Apê. Ao longo desta trajetória de mais de 2 anos, repleta de altos e baixos, muitas matérias foram super bem recebidas pelo público. Algumas foram lidas por muito poucos, enquanto outras caíram no completo esquecimento. De alguns textos eu me orgulho, de outros tenho vergonha...

Recebi o apoio e o carinho de muitos leitores, amigos, parentes, anônimos e famosos. Também fui solenemente ignorado por tantos outros. Ao final de tudo, agradeço a todos e a Deus por esta oportunidade única.

Como forma de comemorar este marco, resolvi fazer uma sessão de respostas às perguntas que mais frequentemente recebo aqui no blog. Gostaria de salientar que nenhuma questão é tola ou fora de propósito. Todas são muito bem-vindas!

1. Quantas orquídeas você possui?


De acordo com o último senso aqui no apartamento, a população de orquidáceas é de 54 indivíduos, espécies e híbridos. Teoricamente, eu teria espaço para acomodar 100 exemplares. Tenho trabalhado diligentemente para alcançar esta meta.

2. Como é o seu local de cultivo?


Muitos me pedem para ver fotos da minha varanda. Confesso que tenho vergonha de mostrar, já que o local é bem precário, além de muito pequeno. Quando eu crescer, vou contratar os serviços da paisagista Ivani Kubo, mestre em criar fantásticos jardins suspensos em apartamento.

Enquanto este dia não chega, deixo vocês com o link para o artigo em que descrevo, com detalhes, a maneira como cultivo minhas orquídeas. Há também algumas tímidas fotos do local.


3. Como posso comprar suas orquídeas?


Recebo, com bastante frequência, mensagens de pessoas interessadas em comprar as orquídeas que mostro aqui no blog. Infelizmente, elas fazem parte de uma coleção particular, muito pequena, por sinal. Não há como vendê-las, ao menos por enquanto.

4. Você pode me doar uma muda?


Este é outro pedido que recebo frequentemente. Pelo mesmo motivo acima exposto, não há como atender a todos, infelizmente. Se começo a retirar mudas para atender aos que me pedem, ficaria sem nada. Eventualmente, tenho plantas repetidas, que geralmente são destinadas a retribuir presentes que recebo de parentes e amigos.

Também é importante salientar que, na maioria dos casos, os custos do frete inviabilizam este tipo de doação.

5. Qual equipamento fotográfico você utiliza?


É grande a curiosidade das pessoas sobre o tipo de câmera que utilizo. A resposta é, quase sempre, decepcionante. Trata-se de uma Nikon bastante simples, compacta e automática. Seu mérito é ter uma eficiente função macro, que me ajuda bastante nas fotos. Sempre que possível, utilizo um tripé.

Aos que ainda não leram, deixo os links para artigos com algumas dicas básicas sobre fotografia de flores.



6. Como você faz o fundo preto?


Parece complicado, mas é bem simples. Após tentar vários materiais, acabei aderindo ao veludo preto. Mas, teoricamente, qualquer superfície escura serve. Nos links acima, sobre fotografia, explico mais detalhadamente este procedimento.

Aqui vale ressaltar que alguns leitores não gostam do fundo preto nas minhas fotos. Em minha defesa, digo que já tentei fotografar com fundos de outras cores, mas raramente o resultado fica satisfatório, a meu ver. É uma questão bastante pessoal, eu particularmente acredito que o fundo preto ajuda a ressaltar a beleza e as cores da flor fotografada.

7. Você usa Photoshop?


Algumas pessoas têm verdadeiro horror ao Photoshop. Eu o utilizo em todas as fotos, porque acredito que ficam melhores quando ajusto pequenos detalhes de contraste, brilho e cor. Não faço intervenções drásticas. Um dos nossos entrevistados, o renomado orquidófilo Carlos Keller, também faz uso deste recurso para que suas fotos representem com mais fidelidade a orquídea retratada. Outro orquidófilo bastante respeitado em nosso meio, Yoshio Sano, também utiliza recursos de edição de imagens, não necessariamente do Photoshop, para gerar fantásticas composições de orquídeas em um design único.

Em alguns casos, quando alterações mais pronunciadas são feitas na foto, deixo bem claro no texto. É o caso da fotografia desta mini-orquídea que ilustra o artigo, a Sophrolaelia Jinn. Neste caso, utilizei um filtro que gera imagens distorcidas, quase abstratas, através de um algoritmo baseado nos fractais.

Alguns exemplos de imagens modificadas através do Photoshop podem ser encontradas nos seguintes artigos:






Bom, sem querer, acabei fazendo uma espécie de auto entrevista. Não tive esta pretensão. Este artigo foi uma forma de retribuir todo o carinho e interesse que os leitores do blog têm em relação às minhas atividades. A todos que nos acompanham, aqui e nas redes sociais, deixo meu muito obrigado por tudo!