A orquídea que não envelhece


Orquídea Phragmipedium Sedenii
Phragmipedium Sedenii

Pode parecer montagem fotográfica, mas não é. A orquídea da foto acima, de fato, passou desta para melhor. Ainda assim, repousa bela e solenemente sobre uma caixa de joias laqueada. Observando a cor e textura de suas pétalas, não se nota o menor sinal de sua já avançada idade.

A primeira vez que encontrei uma flor desta orquídea, Phragmipedium Sedenii, caída no chão, quase tive um treco. Como estava perfeita, achei que alguém havia esbarrado nela, ou que um golpe de vento a houvesse decapitado. Mais tarde, através de pesquisas, aprendi que esta é uma característica de várias orquídeas deste gênero. Na hora de se retirar de cena, a flor simplesmente cai, ainda em perfeito estado de conservação.

Observar o fenecer de uma orquídea, ou o meu próprio, é um grande sofrimento para mim. Assistir ao surgimento dos primeiros sinais de envelhecimento, como a perda de coloração da flor ou dos meus cabelos, o aparecimento dos sinais do tempo, como manchas amarronzadas nas pétalas ou rugas no meu rosto, tudo isso me angustia. Tanto que, no caso da maioria das orquídeas que cultivo, costumo cortar a flor assim que a mesma começa a dar os primeiros sinais de envelhecimento. Tudo isso para evitar acompanhar seu lento ocaso, durante vários dias.

No caso desta simpática orquídea sapatinho, nada disso acontece. Quando chega a sua hora, ela simplesmente faz a passagem, ainda tão bela como quando veio ao mundo.