Masdevallia discoidea - Discretamente exótica


Micro-orquídea Masdevallia discoidea
Masdevallia discoidea

Esta é uma micro-orquídea cujas flores lembram pequenas esculturas abstratas. Se ampliadas, poderiam ser exibidas no Guggenheim de Nova Iorque. Mas trata-se de uma orquídea brasileiríssima, que ocorre exclusivamente no estado do Espírito Santo. Embora seu habitat esteja oficialmente preservado pela criação da Estação Biológica de Santa Lúcia, esta pequena orquídea de forma e colorido exóticos encontra-se, infelizmente, sob risco de extinção.

O termo discoidea é o feminino de discoideus, que em latim significa 'em forma de disco'. Por esta razão, esta orquídea é conhecida no exterior como 'the disc-shaped Masdevallia'. A partir de sua estrutura circular em tons de púrpura, a flor emite três delicados filamentos em um amarelo bem contrastante.

A Masdevallia discoidea permanece florida por vários meses, emitindo inúmeras flores de forma sequencial. Um dado interessante é que a flor não murcha nem seca antes de cair. Quando menos esperamos, lá está a flor intacta, caída no chão. No começo, levamos um susto, mas depois nos acostumamos. Felizmente, vários outros botões florais vão se abrindo, um após o outro.

Como todas as orquídeas do gênero, esta pequena espécie precisa de bastante umidade e temperaturas amenas para se desenvolver. Considero um milagre que meu exemplar tenha sobrevivido e florescido em um local tão árido, com sol e vento constantes. Após muitas tentativas, acabei encontrando um nicho mais protegido, no chão, que procuro manter sempre molhado. Neste microclima, ela fica escondida atrás de outras orquídeas e vasos mais altos, que a protegem do vento em excesso.

Atualmente, ela não se encontra muito bem de saúde, após bastante tempo florida. Torcendo para que ela não me abandone, deixo o link para um outro artigo em que ela foi protagonista, aqui no blog:



12 comentários:

  1. Que interessante esse detalhe, da flor cair intacta, imagino o susto que a pessoa leva, ao encontrar essa bela flor caída .mais uma vez gratidão amigo por nos apresentar essa linda orquídea .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Mariza? É verdade, dá um susto, mesmo! No começo, eu achava que estava fazendo algo errado. Que bom receber sua visita, muito obrigado!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Quando conheci esta espécie, fiquei encantada com seus filamentos e confesso que até hoje me surpreendem. As orquídeas apresentam, de fato, formas inesperadas e originais... Esta é maravilhosa, pela forma e cor, num tamanho tão pequeno. Espero que teu exemplar se recupere logo e que continue florindo, incansavelmente. Assim como as nativas capixabas, é claro! Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia! Sim, é uma orquídea surpreendente, concordo plenamente! Que bom saber que gosta dela, muito obrigado pelas palavras de apoio! Tomara que ela se recupere!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Sérgio , querido amigo, que lindo exemplar de orquídea!!

    Aliás, cheguei, depois de uma temporada de férias, em um artigo especial que menciona uma orquídea nativa da minha terra, o Espírito Santo, onde moro!!
    Infelizmente está em extinção, como mencionou e isso é de cortar o coração. Amigo, elas adoram o clima da nossa Mata Atlântica e criar um ambiente úmido como ela é bastante complicado não é mesmo? Não sei como você consegue tê-las em seu apartamento. É na base de muito amor amigo, por isso elas ficam tão lindas e exuberantes!!! Você rega todos os dias com seu amor e paciência infinitas! :)))

    Agora vou prestar bastante atenção neste belo exemplar que realmente é uma obra de arte! Criação divina, que a natureza nos encanta e revela!!!

    Obrigada amigo, você é maravilhoso e opera verdadeiros milagres!
    Tenha um final de semana maravilhoso!!! :))
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana! Tudo bem? Que ótimo saber que está de volta! Espero que tenha descansado bastante. De fato, sempre que escrevo sobre esta orquídea, lembro-me de você! É uma pena que tal preciosidade esteja desaparecendo de seu habitat.

      Adorei ler seu comentário, sua visita é sempre uma alegria para este blog! Muito obrigado pelo carinho e apoio, sempre!

      Grande beijo e um ótimo fim de semana!

      Excluir
  4. Parabéns Sérgio pelo grande feito, manter e fazer com que floresça esta pequena, de certa forma, tão exigente! Um privilégio poder vê-la florida. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo! Pois é, eu mesmo não sei como ela sobreviveu aos meus cuidados. Mas que ótimo receber sua visita, muito obrigado pelo apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Obrigada Sérgio por nos presentear com essa maravilha! Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Suzana? Que bom que gostou! Imagine, eu que agradeço a você pelo comentário e pelo carinho!

      Um grande abraço!

      Excluir
  6. Oi Sergio que linnnnnda!!!
    Maravilhosa mesmo hein?
    Deixa eu perguntar uma coisa? Procede essa história de que se os híbridos de cattleya nao tiverem 6h de luz solar indireta por dia nao florescem? Vixxi e for assim as minhas nao vão florir pq o local é bem iluminado mas o sol bate por duas no máximo tres horas por dia... fiquei triste agora...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzana! Tudo bem? Que bom que gostou! De fato, a maioria dos híbridos de Cattleya precisa de bastante luminosidade para florescerem. Mas não existe um número rígido de horas de sol, varia bastante de híbrido para híbrido. Acho que sempre vale a pena tentar. Espero que dê certo.

      Um grande abraço!

      Excluir