Como cuidar de orquídeas em inglês


Orquídea Cymbidium híbrido
Cymbidium híbrido

'Como é que se fala espata, em inglês, mesmo?'. Frequentemente, vejo-me às voltas com dúvidas deste tipo. Bainha, haste floral, broto... São expressões que não costumamos aprender nos cursos de inglês e que fazem falta quando pretendemos pesquisar por informações ou imagens a respeito das nossas orquídeas, na língua do Tio Sam. 

Não que americanos e ingleses sejam melhores no cultivo de orquídeas do que nós. Mas existe uma ampla gama de informações na internet, seja em blogs ou fóruns de discussão, que estão disponíveis apenas na língua inglesa. E vale a pena conhecer alguns termos técnicos relacionados ao cuidado com nossas orquídeas, de modo a ampliar as possibilidades de encontrarmos respostas às nossas buscas no Google.

Pensando nisso, montei um pequeno e despretensioso dicionário de termos orquidófilos em inglês, com suas explicações. Omitirei os termos mais comuns, tais como flor, folha e raiz, para não ocupar muito o tempo de vocês.

ÁcarosMites. Uma praga perigosa, quase invisível a olho nu, que costuma atacar orquídeas e outras plantas. Ao contrário do que se possa imaginar, ácaros não são insetos. São parentes das aranhas e escorpiões, podendo pertencer a diferentes gêneros e espécies. Existem o Phalaenopsis mitespider mite e red spider mite, entre outros.

Adubo: Fertilizer. Os fertilizantes específicos para orquídeas também podem ser popularmente chamados de orchid food. Existem diferentes composições de adubos químicos para diversas procedências de água. Aqueles indicados para o uso com distilled water (água destilada), rainwater (água da chuva) ou reverse-osmosis water (água filtrada por osmose reversa) são adubos formulados para a água bastante pura, livre de sais e com baixa condutividade. Os adubos feitos para tap water ou municipal water (água de torneira), por outro lado, contêm uma concentração menor de sais minerais, para compensar os já existentes na água encanada. Por aqui, não existe esta distinção. Adubo é adubo e pronto.

Arame: Wire. Este termo pode referir-se àquele arame que costuma ser encapado em plástico verde, mais maleável, de múltiplas funções, ou ao arame mais rígido, usado como tutor ou para pendurar vasos. Neste último caso, usa-se o termo galvanized wire stake (haste de arame galvanizado). 

Bainha: Pseudobulb sheath. É a denominação utilizada para o invólucro protetor dos pseudobulbos, que seca à medida que os mesmos amadurecem, adquirindo o aspecto de palha. Em outro contexto, o termo sheath também pode ser aplicado à espata floral, conforme veremos mais adiante.

Bandeja umidificadora: Humidity tray. Aparato simples capaz de aumentar a umidade relativa do ar em torno das orquídeas. Embora haja modelos comerciais à venda no exterior, os humidity trays são basicamente bandejas ou pratos forrados com pedrisco (brita, argila expandida ou areia) e uma fina lâmina de água no fundo, sem contato direto com os vasos. Mais detalhes podem ser encontrados neste artigo.

Botão floral: Floral bud ou flower bud. Sabendo da minha mania de fotografar botões florais de orquídeas, um amigo orquidófilo apelidou a onda de bud fever, a febre dos botões. Outro termo que vale a pena conhecer é bud blast, que refere-se ao infeliz aborto dos botões florais, devido a uma série de condições não ideais no cultivo das orquídeas.

Broto: New growth ou new shoot. Este é um termo bastante útil, já que muitos costumam perguntar em fóruns de discussão sobre como cuidar de orquídeas. Qualquer nova estrutura despontando em uma orquídea gera dúvida, expectativa e curiosidade. Será raiz (root), haste floral (spike) ou simplesmente um novo broto (new growth)? Infelizmente, quase sempre, as alternativas menos emocionantes prevalecem.

Canela em pó: Cinnamon powder. Substância largamente utilizada no cultivo de orquídeas em todo o mundo, embora um pouco controversa. Muitos atribuem à canela propriedades cicatrizantes ou de induzir a formação de novas flores, ambas não comprovadas cientificamente. O que se sabe, de fato, é que a canela em pó funciona como um fungicida natural, muito mais útil na prevenção do que na cura de doenças fúngicas.

Cápsula: Seedpod. Tecnicamente, é o fruto de uma orquídea, resultado da polinização de uma flor. É a estrutura (pod) que abriga as sementes (seed) da planta. Neste artigo, informações detalhadas sobre o nascimento de uma nova orquídea.

Carvão: Charcoal. Tanto lá como cá, um popular ingrediente de várias misturas de substratos para orquídeas. O carvão de origem vegetal costuma estar presente nas formulações dos chamados potting mix ou orchid mix, miscelânea de materiais utilizados para cultivar orquídeas em vasos.

Casca de pinus: Pine bark ou fir bark. Outro popular material utilizado como substrato para o cultivo de orquídeas, sozinho ou misturado a outros ingredientes. Geralmente é chamado apenas de bark, que significa casca.

Cochonilha: Scale. Uma das pragas que mais frequentemente atacam as orquídeas. Como sabemos, há diversos tipos de cochonilhas, tais como a cottony scale, que assemelha-se a flocos de algodão, ou a armored scale ou hard scale, a famosa cochonilha de carapaça. Existe também a mealy bug, vulgo cochonilha farinhenta.

Enraizador: Rooting hormone. São compostos químicos que agem sobre diferentes vegetais, induzindo o crescimento de suas raízes. Exemplos destas substâncias são o indole-3-butyric acid (IBA) e o naphtaleneacetic acid (NAA), entre outros. Ao contrário, é importante salientar que a Vitamina B1 ou tiamina não é um hormônio vegetal e sua eficácia como enraizador de orquídeas não foi comprovada cientificamente.

Espata: Sheath. Mesma palavra utilizada para bainha. Neste outro contexto, flower sheath ou bud sheath referem-se ao invólucro protetor cuja formação pode preceder a floração de algumas orquídeas, notadamente na aliança Cattleya e seus híbridos. Outros detalhes podem ser encontrados neste artigo.

Estufa: Greenhouse. Sonho de consumo de onze entre dez cultivadores de orquídeas, principalmente aqueles que o fazem em apartamento. É a estrutura mais apropriada para abrigar grandes quantidades destas plantas especiais. Viveiros comerciais de orquídeas são chamados orchid nurseries.

Footcandle: Footcandle. Refere-se a uma antiga unidade de medida de luminosidade, equivalente à intensidade de luz emitida por uma vela (candle) a um pé (foot) de distância. Mais informações podem ser lidas neste artigo.

Frasco: Flask. É o recipiente contendo meio de cultura e as sementes germinadas de orquídeas. Alguns produtores comercializam estas plântulas (seedlings) em frascos coletivos, cabendo ao comprador desenvasá-las e cultivá-las até a fase adulta. Todas as plantas resultantes de uma mesma cápsula de sementes são chamadas siblings.

Haste Floral: Flower spike. Termo bastante útil para saber como é o aspecto das hastes florais de orquídeas mais exóticas, como um Dendrobium secundum, por exemplo. Frequentemente, faço buscas no Google Images para saber se o que está nascendo em minha orquídea é uma haste ou não.

Labelo: Lip. Todos sabem que pétala é petal e sépala é sepal. O termo que nem todos conhecem é lip, a pétala modificada que tem a função de atrair os polinizadores das orquídeas. Labellum é a palavra latina para designar pequeno lábio (lip).

Musgo: Moss ou Sphagnum moss. Outro substrato bastante utilizado no cultivo de orquídeas, conhecido por reter bastante umidade. Pode ser utilizado isoladamente ou em combinação com outros materiais, como isopor ou perlita.

Pulgão: Aphid. Outra praga destruidora de orquídeas, que pode apresentar-se sob diferentes formas e cores. São os afídeos, que podem ser amarelos, verdes, brancos ou escuros.

Seedling: Seedling. Orquídeas em seu estágio inicial de desenvolvimento. O termo geralmente refere-se às plântulas comercializadas ainda dentro do frasco coletivo de cultivo, onde as sementes foram germinadas.

Sibling: Sibling. Orquídeas irmãs, provenientes do cruzamento entre duas plantas ou de uma autofecundação, mas sempre da mesma cápsula de sementes.

Substrato: Potting medium ou potting mix. Todo e qualquer material utilizado para preencher um vaso e dar suporte às raízes das orquídeas epífitas.

Traseira: Backbulb. Termo utilizado para designar os pseudobulbos mais antigos de uma orquídea de crescimento simpodial, aqueles localizados na parte de trás da planta. Mais informações sobre esta estrutura encontram-se neste artigo.


16 comentários:

  1. Boa noite Sérgio, sou nova por aqui e sou novata com orquídeas também. Gostaria de esclarecer uma dúvida: ganhei uma dendróbium em maio que estava florida e as flores caíram em junho. Está nascendo um novo caule da parte de baixo e eu não sei o que faço com ela. Li em artigos que o dendróbium deve ter a rega diminuída para florir de novo, mas como tem um novo caule não sei se rego, não sei se adubo. Ele ja tem uns 15 cm. Por favor me ajude não quero perder essa "filha" . Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Roberta! Seja muito bem-vinda! Como sua orquídea já floresceu há pouco tempo, ela está emitindo um novo pseudobulbo, que irá dar flores no ano que vem. Portanto, você pode regar normalmente, sem problemas! A adubação também pode ser feita, neste caso.

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Que maravilha! Isso facilita enormemente nossas leituras e nosso conhecimento! Uma grande ajuda a todos nós, curiosos no cultivo dessas plantas encantadoras! Um super-mega obrigada!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, Alexia, que bom saber disso! Tomara mesmo que seja útil para bastante gente. Imagine, eu que agradeço a você por este importante feedback! Muito obrigado!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. AHHHHH...SERGIO ...
    VC SEMPRE PROCURANDO NOS ENSINAR TUDO ...E SEMPRE DA MELHOR MANEIRA POSSÍVEL.
    VC É MAGNÍFICO .BJK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Leila? Imagine, você sempre um amor de pessoa. Fico feliz por saber que gostou, muito obrigado pelo carinho!

      Grande beijo!

      Excluir
  4. Sérgio, Como sempre nos ajudando na arte de cultivar orquídeas. Muito obrigada! Postei na sua última publicação e acho que deve ter acontecido alguma coisa que não pude ver o meu comentário, no qual te faço uma pergunta. Seguinte: por duas vezes, dois botões florais de duas vandas "encroaram". Secaram e eu tive que cortá-los. Poderia ser por ter adubado e, sem querer, o adubo ter caído sobre os botões? Fiquei muito triste com o acontecido. Você poderia me ajudar? Obrigada mais uma vez. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Suzana, que pena! Sinto muito. De fato, não vi sua publicação lá na postagem. Mas você pode ter razão, o contato do adubo com os botões florais pode prejudicá-los. Outra coisa que pode ter afetado é o frio, que as Vandas não gostam. São orquídeas de regiões quentes. Mas muito obrigado pela visita, espero que elas fiquem bem.

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Oi Sergio, que boa aula!!
    Pode ter certeza amigo de que você como orquidófilo, também é um ótimo professor!!! De verdade mesmo!
    Até ampliei meus conhecimentos em inglês de termos específicos do cultivo de orquídeas!! Eu não sabia a maioria!!!
    E conhecimento é sempre bom, não importa quando usaremos, o que é primordial é estar sempre aprendendo não é mesmo?

    Amigo, desculpe a demora em vir aqui, é que nas últimas semanas estava por conta de preparar a festa de 5 aninhos do blog!
    E eu vim aqui buscá-lo, pois é TOP COMENTARISTA, um amigo que sempre me acompanhou e me deu toda a força necessária para chegar até aqui!!
    Afinal, a amizade é algo indescritível que se fortalece a cada ano, mesmo que em certos momentos permanecemos mais off line, dando uma pausa para descansar!
    Mas volta e meia, é bom comemorar!!!

    Um grande beijo e uma semana maravilhosa querido!! :)))))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, Adriana, imagine! Bondade sua! Você sempre um amor de pessoa. Que bom saber que gostou do artigo!

      Mas que ótima notícia esta do aniversário do seu blog! Tanto tempo no ar, que fantástico! Meus parabéns! Para mim é uma honra e uma grande alegria participar deste evento, irei com o maior prazer!

      Muito obrigado pelo carinho da sua visita e do seu convite!

      Grande beijo e uma ótima semana!

      Excluir
  6. Incrível Sérgio este seu artigo (aliás, mais um entre tantos)... Parabéns!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo, imagine! Bondade sua, você sempre generoso. Que bom saber que gostou, muito obrigado pelo apoio!

      Um grande abraço!

      Excluir
    2. Oi Sérgio! Primeiro de tudo parabéns pelo seu blog e sua página no insta, eu nunca tinha cultivado plantas na vida e com suas dicas 2 orquídeas que ganhei de presente estão indo superbem, até floresceram novamente!
      Li algumas pessoas compartilhando no Instagram uma dica sobre regar orquídea com 2 ou 3 pedras de gelo uma vez por semana... Vc sabe se isto é realmente melhor para a planta? Obrigada, abraço , Cinthya

      Excluir
    3. Oi, Cinthya, tudo bem? Que bom, muito obrigado pelo apoio! De fato, este é um conselho popular, mas que não funciona muito bem. As pedras derretem e a água escoa pelos vãos do substrato, molhando muito pouca coisa. O ideal é regá-la debaixo da torneira, com bastante água corrente, mas deixando escoar totalmente, sem pratinho embaixo.

      Um grande abraço!

      Excluir
  7. Legal Sérgio! Muito obrigada pela atenção ! Abraço!

    ResponderExcluir