Mãe de orquidófilo sofre


Orquídea Oncidium ornithorhynchum
Oncidium ornithorhynchum

Quando eu era criança, tinha paixão por criar bichos. Tive um pequeno peixe chamado Rodolfo, um lebiste selvagem mantido em uma pequena tigela de água. Este foi o início de uma febre que resultou em cinco aquários, repletos dos mais variados peixes. Em casa, já tivemos pássaros, coelhos, tartarugas, uma daschund chamada Samanta... Eu também costumava plantar tudo o que via pela frente. Já tive pés de abacate, laranja, limão, flamboyant, caliandra, todos raquíticos, nascidos a partir de sementes. Morávamos em um sobrado, na época.

Em todos estes casos, o trabalho maior sempre sobrava para a minha mãe que, a princípio, não tinha nada a ver com a história. Era ela quem acabava dando banho no cachorro, lavando o quintal várias vezes ao dia, limpando a gaiola dos coelhos, e por aí em diante. Um trabalho invisível, sem fim, como todos os outros afazeres domésticos, aos quais poucos dão o devido valor, ainda nos dias de hoje.

Com as orquídeas, no apartamento, não foi diferente. O espaço reduzido e a falta de recursos apropriados acabam gerando mais sujeira e dando mais trabalho. Um simples borrifar de adubo ou inseticida à base de óleo de neem, por exemplo, é capaz de arruinar a aparência das paredes e dos vidros das janelas. O vai e vem do pulverizador de água, entre regas e recargas, a despeito de todo o cuidado, acaba causando rastros e pegadas molhadas pelo apartamento. A sacada está constantemente imunda, resultado do acúmulo de folhas secas, manchas de adubo e outras sujeiras que sabe-se lá de onde surgem.

Como se não bastasse toda esta trabalheira, ocorre que ainda roubo as orquídeas que minha mãe ganha. Ela tem várias, presentes vindos de diferentes pessoas, em diversas ocasiões especiais. Mas depois da floração, todas acabam sendo sugadas pelo buraco negro da nossa varanda, onde acabo acomodando as minhas orquídeas e as dela. Metade da sacada, por sinal, já foi da minha mãe. O espaço era destinado às plantas 'não orquídeas' de estimação, que ela cultiva há décadas. Até isso foi perdido para o orquidófilo maluco, que acabou preenchendo tudo com suas plantinhas especiais.

Quando comecei esta pequena brincadeira com as orquídeas, ninguém poderia imaginar que chegasse aonde chegou, que daria certo. Pois desde o princípio, tive o apoio incondicional da minha mãe, juntamente com o de toda a família. Considero-me abençoado por ter esta fortaleza a me amparar, até os dias de hoje. Independentemente de quão malucos ou trabalhosos sejam os meus planos, ela sempre os apoiou. Muitos projetos fracassaram, mas se este com as orquídeas tem dado certo, é graças ao suporte e encorajamento que recebo da Rainha do Apê, a quem agradeço de coração e a quem dedico todo o sucesso das Orquídeas no Apê, cultivadas sob os seus domínios, com sua condescendência e abnegação.

A todas as mães, de orquidófilos ou não, dedico esta pequena orquídea que costuma surgir no Dia delas, o Oncidium ornithorhynchum, que tecnicamente chama-se Oncidium sotoanum, mas ninguém se lembra disso. Parabéns por este dia especial!

24 comentários:

  1. Lendo sua postagem lembrei do meu tempo de aquarista. Comecei com um pequeno aquário e alguns peixes. Aí comprei um outro aquário para os peixes com desvio de comportamento(rs). Depois veio o aquário hospital, aquário berçário e a loucura terminou com um aquário de 140 l. Tinha ainda gatos e passarinhos(na época que ainda era permitido se criar canários). Também morando em apartamento. Minha mãe era uma santa por suportar tudo isso. Ela só não pegou a era das orquídeas. Acredito que tudo começou como uma compensação para preencher o vazio que ela deixou ao partir. A sinto sorrindo e feliz ao ver que apenas mudei de prazer: da água & bichos para plantas (rs). Mas continuo alimentando os passarinhos livres na natureza (rs). Que você tenha um dia abençoado com sua mamãe no domingo. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, Maria Elizabeth, que lindo o seu depoimento! Fiquei emocionado, como são parecidas as nossas trajetórias com as plantas e os animais. Tenho certeza de que sua mãe está orgulhosa da filha orquidófila. Parabéns e muito obrigado por compartilhar sua história conosco! Adorei!

      Beijos e tudo de bom!

      Excluir
  2. Adorei a matéria, Sergio! É isso mesmo, as mães são nota dez! Morro de saudades da minha que já partiu há 7 anos. Parabéns para sua mãe e prá você também que cultiva essas lindezas! Grande abraço com saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Sonia? Que alegria vê-la por aqui! Fico feliz por saber que gostou da matéria, muito obrigado pelo carinho da sua mensagem. Também tenho bastante saudade, espero poder reencontrá-la em breve!

      Um grande abraço!

      Excluir
  3. Feliz é a mãe de um orquidófilo! Seus dias devem ser sempre um colírio para os olhos, através do "jardim" cultivado com carinho pelo seu filho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Liza, que bom! Tomara que sim, muito obrigado pelo lindo comentário!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Parabêns pelo texto maravilhoso, emocionante para nós que somos mães.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sueli! Fico feliz por saber que gostou do texto! Muito obrigado pela visita e pelo carinhoso comentário!

      Um grande abraço e tudo de bom!

      Excluir
  5. Pois minha história com as orquídeas também começou com minha mãe: numa viagem para visitar a família, comprei um Oncidium de um vendedor de beira de estrada (só depois entendi porque não deveria fazer isso!) e levei para minha mãe. A planta foi mais um grande elo entre nós e novas plantas se seguiram, entre as quais uma bela Cattleya intermedia, que a deixou fascinada. Juntas fixamos inúmeras plantas nas árvores de casa e nosso encanto pelas orquídeas se tornou imenso. Ela já não está conosco e quando partiu, colocamos um pequeno bouquet de orquídeas nas suas mãos. Tenho certeza que acompanha minhas tentativas de cultivo e que se alegra com cada novo broto e cada nova florada. Feliz Dia das Mães!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexia do céu! Que linda sua história, fiquei emocionado ao saber como se deu o início da sua paixão pelas orquídeas. E que linda a despedida da sua mãe, tenho certeza de que ela tem muito orgulho das suas orquídeas. Muito obrigado por compartilhar este belíssimo relato!

      Um grande abraço!

      Excluir
  6. Q lindo adorei é muito amor envolvido momentos engraçados e emocionantes obrigada parabéns pelo texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Elma? Que bom saber que gostou do texto! Imagine, eu que agradeço a você pelo apoio e prestígio, sempre!

      Um grande abraço!

      Excluir
  7. Sergio, lendo seu texto, revivi momentos de quando meus filhos eram crianças. Eu com minhas plantas e passarinhos, e eles querendo cachorro, criar hamster e jogar bola, no mesmo espaço... Tudo aconteceu, a seu tempo. Como foi bom!!! Hoje, um deles é agrônomo e me dá a maior força com meu ensaio de ter orquídeas!!! Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que alegria saber disso! E que bom saber que deu tudo tão certo. Parabéns pelos filhos e por este dia tão especial! Muito obrigado pelo carinho do seu comentário, adorei!

      Um grande abraço!

      Excluir
  8. Caro Amigo vc já me causou muitas emoções. Com suas lindas postagens,hoje vc me fez chorar de emoção e sentir o quanto minha infância foi parecida com a sua.só muda o personagem no meu caso era meu Pai.obrigado amigo por esse dom de nos fazer pensar nas coisas boas de nossa vida.abençoado seja vc é toda sua família. Em especial a sua mãe maravilhosa.Nina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Nina? Fiquei também emocionado com a sua mensagem, que alegria saber que gostou do texto. Amém, a você e sua família também! Muito obrigado pelo carinho e atenção, sempre!

      Um grande abraço e tudo de bom!

      Excluir
  9. Belo texto. Minha trajetória foi parecida com a sua em relação as plantas e animais. Difere apenas no fato de meu ap não ter sacada e minha mãe não ajudar no cuidado. Moro em Curitiba e ela em Irati, onde criei mais um orquidário, onde estão a maioria das minhas plantas, lá sim ela me ajuda. segue quase todas as recomendações a risca rsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mauricio, que legal! Você é um privilégiado por possuir dois locais de cultivo e ainda contar com a ajuda da sua mãe, no orquidário de fato! Que bom que gostou do texto, muito obrigado pela visita e por compartilhar sua experiência!

      Um grande abraço!

      Excluir
  10. Linda homenagem a sua mãe! Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Suzana? Que bom que gostou, muito obrigado pelo carinho da sua mensagem!

      Um grande abraço!

      Excluir
  11. Muito bonito da sua parte Sérgio, reconhecer a importância da sua mãe e o fato de estar sempre ao dispor...
    A maioria das mães é assim, e o que é mais bonito: elas fazem isso de graça por cada um de nós!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jalo! Com certeza, elas são seres especiais. Que alegria ler seu comentário, sempre tão importante neste espaço. Muito obrigado!

      Um grande abraço!

      Excluir
  12. Querido amigo Sérgio,
    Adorei seu texto, sua paixão pelas orquideas compartilhada pela sua mãe!Nós,as mães, somos todas parecidas... amamos nossos filhos mais do que qualquer coisa, por eles abrimos mão do que for necessário, mas seguimos fortes, amparando os nossos filhos amados e sendo felizes quando nos abraçam e dizem Te amo mãe! Obrigada pela linda orquidea! Que voce possa aproveitar o amor de sua mãezinha por longos dias.
    Grande abraço,

    Dinda Cardoso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, Dinda? Que alegria saber que gostou do texto! Muito obrigado pela linda mensagem, espero que tenha passado um Dia das Mães abençoado junto à sua família. Muito obrigado pelo carinho do seu comentário, sempre valioso neste espaço.

      Um grande abraço!

      Excluir