Como não congelar orquídeas


Orquídea Potinara Love Dressy 'Apple Pie'
Potinara Love Dressy 'Apple Pie'

Tudo bem, Pessoal? Na semana passada, mostrei para vocês a flor congelada de uma orquídea Cymbidium. A foto gerou bastante curiosidade nas redes sociais, com muita gente querendo fazer igual, perguntando-me sobre o método utilizado.

Como ainda estou testando os procedimentos, não vou me arriscar a dar uma receita de bolo pronta. Por ora, no post de hoje, vou listar algumas coisas a serem evitadas durante as primeiras tentativas. Foi o que eu aprendi até o momento.


1. Escolha do recipiente


A água, quando passa ao estado sólido, expande-se, aumentando consideravelmente seu volume. Parece algo óbvio, mas eu mesmo acabei me esquecendo deste detalhe, na primeira experiência. Portanto, é importante tomar cuidado para não utilizar recipientes de vidro ou mesmo de plástico rígido. Eles vão estourar. É bom dar preferência às vasilhas de plástico mais maleáveis ou formas próprias para fazer gelo. Estas serão ideais para micro-orquídeas, por exemplo.


2. Escolha da flor


É importante já fazer o experimento com uma flor. Além do aspecto da transparência do gelo, outro fator difícil de ser controlado é fazer com que a orquídea pare no local e na posição em que desejamos. No entanto, como trata-se de uma tentativa, o melhor é utilizar uma flor já passada ou com alguma imperfeição. Particularmente, não gosto de cortar uma orquídea bonita, que acabou de desabrochar. Não gostaria de ser acusado de maus tratos às minhas orquídeas...


3. Escolha da água


Vocês vão encontrar inúmeros tutoriais na internet ensinado a fazer gelo transparente. A maioria, e os melhores, infelizmente, estão em inglês. Dentre os conselhos frequentes, está o de ferver a água antes de congelá-la. Alguns chegam a sugerir uma dupla fervura, com um resfriamento de intervalo. Outros sugerem utilizar água destilada. E fervida!

Se o objetivo for obter um bloco de gelo completamente translúcido, pode até fazer sentido. Mas se vamos colocar uma flor de orquídea dentro desta água, mexer alucinadamente de um lado para outro, até achar a posição certa, colocando a mão que nem sempre está limpíssima, não há razão para se gastar tempo ou dinheiro com uma água puríssima. O bloco de gelo da foto acima foi obtido com água filtrada, mesmo, sem ferver.

Sempre haverá bolhas de ar no interior do bloco de gelo, principalmente nas imediações da orquídea. Isto se deve ao processo de congelamento, que comprime a flor, expulsando o ar contido em seus tecidos vegetais. Além de serem inevitáveis, acho que tanto as bolhas como as imperfeições do gelo dão um ar mais interessante ao conjunto da obra.


Na semana que vem, espero ter os parâmetros do processo mais definidos. Nesta ocasião, pretendo trazer para vocês um artigo sobre o que fazer, de fato, para congelar uma orquídea como a da foto que ilustra esta matéria.




4 comentários:

  1. Gostei muito do efeito obtido neste congelamento, com mais transparência que o anterior. Talvez a cor da Potinara, gerando maior contraste, possa ter alguma influência - pode ser?? Parece que a flor está imersa num diamante, pelo belo efeito das laterais e transparência central. Além dessa "poeira estelar" sobre as pétalas, linda e etérea...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexia! Pois é, também gostei bastante! Acho que sim, esta cor favorece o conjunto. Que linda a sua mensagem, adorei as comparações! Muito obrigado pela valiosa contribuição!

      Um grande abraço!

      Excluir
  2. Sergio, boa noite!!! Mais uma postagem maravilhosa!!! Mas depois de congelar e tirar foto, o q vc faz com ela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dani, boa noite! Fico feliz por saber que gostou da postagem! Boa pergunta! Eu as mantenho no freezer por algum tempo, mas como o espaço é limitado, acabo tendo que deixar derreterem as peças mais antigas. Muito obrigado pela visita e pelo interesse!

      Um grande abraço!

      Excluir